Navigation – Plan du site
Mémoires du militantisme : révolutions collectives et individuelles

As trajetórias de Eleonora Menicucci de Oliveira e Angela Maria Silva Arruda entre revoluções e feminismos

Les parcours d’Eleonora Menicuci et d’Angela Maria Silva Arruda entre révolutions et féminismes
The trajectories of Eleonora Menicuci and Angela Maria Silva Arruda between revolutions and feminism
Dayane Nascimento Sobreira

Résumés

Eleonora Menicucci et Angela Arruda accomplissent des parcours engagés à l’élaboration des nouveaux modes de production de subjectivités et d’un monde plus philogyne. Mise en prison et torturée, Eleonora Menicucci a eu un contact antérieur avec le mouvement féministe de la ville de Belo Horizonte, Brésil ; d’où ele est partie ensuite pour João Pessoa, Brésil ; ville où elle a aidé dans la création du groupe Feministe Maria Mulher, le premier de l’état. Angela Arruda, exilée en France, a poursuivi sa militance dans des organisations de gauche, a participé du mouvement féministe français et a acquiert des habitudes de vie alternative. Elle est revenue au Brésil en 1982, après avoir aidé dans la création du groupe de femmes de Campina Grande/PB et inspiré le groupe Raízes, fondé après. À travers leurs histoires, qui regroupent la résistance à la dictature et la force des féminismes, nous avons comme but coudre des fils de l’histoire des resistances au regime militaire et aux structures patriarcales et misogynes, ce qui met en valeur la croissance du mouvement féministe de l’état de la Paraíba et du Brésil.

Haut de page

Texte intégral

“O feminismo é a revolta de nós mulheres contra esta situação que começa no cotidiano de nossas casas, busca de nós mesmas por nós mesmas; aqui, um dos aspectos políticos mais importantes: a necessidade de fazermos nossa própria história, ou melhor, por que não dizer, a necessidade de recuperarmos a nossa história para continuarmos a fazê-la” (Soares 21).

1Das buscas, das revoltas cotidianas, do feminismo. Assim Eleonora Menicucci de Oliveira, à época Eleonora de Oliveira Soares, idealizadora do Grupo Feminista Maria Mulher fundado na cidade de João Pessoa no ano de 1979, singulariza a dimensão da luta feminista, que segundo ela, não quer a tomada do poder, mas o estabelecimento de uma nova cultura, calcada na solidariedade, no amor e na amizade. Militante, tendo passado pela luta armada, pela clandestinidade e pela tortura, casou na forma documental visando mudar seu sobrenome, amenizando a perseguição instaurada. Perseguição que tinha um estopim: o sonho de implantar a revolução socialista no Brasil, alimentado por homens e mulheres que segundo ela, eram vítimas e cúmplices de um mesmo processo.

  • 1 Dissertação intitulada “O movimento feminista: o reinventar da educação”, defendida através do Prog (...)

2As mulheres, secundarizadas dentro das organizações, começavam a entender que a célula era mais um mecanismo de perpetuação do machismo e da estrutura patriarcal. Fruto da experiência da luta feminista e da militância antiditadura na década de 1970, Eleonora escreveu sua dissertação de mestrado mesclando reflexões teóricas e subjetivas1, cuja escrita segue revelando o entendimento e a descoberta de uma vida mais fluida no feminismo. É no relato de “um resgate histórico de um passado presente” (Soares 04), que nomina seu primeiro capítulo, que isso se torna nítido. Com destemor, denuncia a não observância às especificidades das mulheres nas organizações de esquerda, em que seus sentimentos sempre ficavam em segundo plano. Tinha que se olhar para frente, para o bem comum. As chamadas lutas gerais estavam em voga.

3Descrevendo suas impressões, comenta sobre a experiência da maternidade em meio à clandestinidade e a tantos questionamentos. Era um processo de sofrimento, perdas, solidão e emoções engavetadas que explodiram com sua aproximação com o movimento feminista. “Misto de masculino e animal” (Soares 17), no terror da tortura encontrou forças para reagir. Através da relação corpo-exploração, angariou forças que passavam diretamente por suas emoções: “Só havia uma certeza: repetir o ontem não cabia mais em nossas vidas” (Soares 18). Na prisão, muitas Marias, cheias de garra e crença na vida. Virou-se pelo avesso, partiu em busca de si mesma.

4Graduada em Ciências Sociais (1974), com mestrado em Sociologia (1983) e doutorado em Ciência Política (1990), é livre docente em Saúde Coletiva pela Faculdade de Saúde Pública da USP. “Me descobri feminista na cadeia”, disse em entrevista à Joana Maria Pedro (3). Presa em 1971, relata que na prisão e na tortura entendeu que as representações do masculino e do feminino obedeciam a construções distintas que obrigavam as mulheres a conterem seus medos, suas dores, suas saudades. A compreensão do conceito de gênero possibilitou “evidenciar os processos diferenciados de tortura, suplício e sofrimentos que se dão no corpo dos homens e das mulheres” (Oliveira 06). O poder da tortura é em si um poder masculino, representado simbolicamente pela força. Diz:

Nos quase quatro anos de cadeia, processei imensas reflexões, tão intensas que me transformei, sendo a tortura em toda sua extensão e diversidade a que produziu a mais forte das transformações em minha identidade de mulher que até a prisão incorporava o modelo masculino da coragem e do poder viril para poder ser aceita na própria organização (Oliveira 08).

5Essa compreensão a distanciou aos poucos das organizações, embora não dos ideais de liberdade. Eleonora Menicucci chegou à Paraíba concomitante a outras mulheres vindas de outras partes do país ou do exílio. Deixou a Paraíba em fins da década de 1980, dando continuidade à vida no Sudeste do país. Participando de várias atividades do movimento feminista paraibano e da Cunhã Coletivo Feminista na década de 1990, em 2015 recebeu o título de cidadã paraibana através da Assembleia Legislativa do Estado. A trajetória de Eleonora seguiu os passos de outras feministas históricas entre os anos citados, indo do exílio à constituição de grupos quando do retorno ao Brasil e mais recentemente, tendo atuado como ministra e secretária executiva da Secretaria de Políticas para as Mulheres do Governo Federal.

6Paralelo aos movimentos de oposição à ditadura militar iniciou-se a denúncia do sexismo dentro de grupos organizados como sindicatos e partidos. No cerne dessas organizações estava a emanação de forças para a Revolução, deixando as mulheres e suas questões às margens. Foi a partir das críticas à estrutura da esquerda, portanto, que se abriram possibilidades de atuação política feminista. Mulheres como Eleonora Menicucci denunciavam a misoginia dentro dessas instituições, alteravam lógicas e causavam temores. Ao mesmo tempo, permitia-se a fuga da instância biopolítica promovendo projeções e instaurando conflitos nos âmbitos do público e do privado. “Ah, aprendemos a fazer política”, diz Albertina Costa (apud Rosa 48). Mulheres como Vera Magalhães, Danda Prado, Angela Arruda, Iara Iavelberg, Cândida Magalhães, Amelinha Teles, Ines Etiene Romeu e tantas outras, estavam na luta antiditadura, amando e armando-se contra o machismo que as maltratava de forma subreptícia em suas atividades rebeldes.

7Por outro lado, mulheres anônimas costuravam outras redes solidárias e de ações gritando contra a carestia, os baixos salários e a falta de creches. Outras, de classe média, exigiam anistia de presos/as políticos/as através do Movimento Feminino pela Anistia, articulando-se nacionalmente em diferentes Estados. Na Paraíba, a dissolução da seção estadual fez pulverizar mulheres no movimento popular ou no feminismo então nascente através do Centro da Mulher de João Pessoa, depois Grupo Feminista Maria Mulher. Dessa forma, os clubes de mães ou grupos de mulheres foram potencializando energias para o encontro posterior com o movimento feminista e a emergência de grupos mais sistematizados no Brasil.

8Nesse contexto e no âmbito dessa luta, o pessoal parecia não ser político, como nos diz Soares, os afetos, os sentimentos e os desejos eram camuflados em prol de uma teleologia, da revolução socialista: “revolucionário/a não ama e não tem sexualidade” (Soares 10). Na clandestinidade, a militância “obrigou a chorar baixinho, de saudade e de dor” (Soares 11). Despontando em contraponto a isso, o feminismo foi trabalhado conexo à subjetividade das mulheres. Subjetividades que foram (de)formadas na prisão política ou na experiência do exílio. Este que foi palco das mais diferentes articulações políticas e desestabilizações cotidianas advindas de uma experiência nova longe da pátria e dos/as seus/suas. Segundo Susel da Rosa, “representou um espaço de liberdade que desestabilizou a fixidez das identidades, oferecendo possibilidades de alteração de rotas” (Rosa 137). Foi, portanto, um espaço de reflexão a partir da cultura do outro, de novos afetos e encontros. Reflexões que reverberavam em uma postura com relação a si e ao mundo. A garantia da própria sobrevivência nesses espaços e o contato com reflexões e diálogos feministas já em desenvolvimento na França desde antes do maio de 1968, imprimiu marcas profundas nas subjetividades dessas mulheres e na construção de sua condição feminina. Para o exílio migraram ex-presas políticas, ex-guerrilheiras, algumas que seguiram seus companheiros e que puderam questionar o sentido de suas vidas, de suas práticas, alterando a partir disso, relações tradicionais entre os sexos.

9Como diz Denise Rollemberg, o exílio brasileiro não chegou a ser de massa como outros na América Latina e teve o papel de afastar e eliminar oposições políticas e projetos de mudança. Um quadro plural e panorâmico. Sobre isso comenta:

Exilado não foi exclusivamente aquele atingido pela repressão, perseguido diretamente por suas posições ou práticas políticas. Exilado foi também quem deixou o país recusando-se a viver sob uma ditadura. Exilados foram também homens, mulheres, adolescentes e crianças que partiram não devido às suas atividades, mas acompanhando seus maridos, esposas, pais e mães. Foram todos exilados. Nesta perspectiva ampliada, o exílio foi vivido tanto pelos trocados por diplomatas nos sequestros, como os que saíram ilegalmente pelas fronteiras, como pelos que deixaram o país legalmente, com passaporte expedido pela polícia federal. Houve caso, inclusive, de pessoas que partiram sem nenhuma visão crítica em relação à realidade brasileira e, no exterior, ao tomarem contato e se envolverem com movimentos de denúncia da ditadura, ficaram impossibilitados de voltar (Rollemberg 02-03).

10Heterogeneidade de origens, de destinos e esperanças. Como a autora, mapeamos uma periodização do exílio: de 1964 a 1968 e daí a 1973, a esquerda latino-americana migrou para Santiago em uma preparação para volta ao Brasil mais preparada e fortificada. Não esperavam pelo golpe que derrubou o governo de Allende em 1973. Muitos/as foram presos/as e logo partiram para a Europa. Um exílio dentro do exílio (Rollemberg). Desses/as, estava Angela Arruda, presa no Estádio Nacional.

11Professora recém-aposentada da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), ícone da Psicologia Social no Brasil e uma das pioneiras do feminismo na Paraíba, Angela Maria Arruda teve sua vida marcada pela experiência da militância de esquerda e do exílio na América Latina e Europa. Aplicada nos estudos e no movimento estudantil, na clandestinidade, passou pelo Chile, exilando-se na França logo após o golpe que derrubou o governo de Salvador Allende no ano de 1973. Ao que se consta, havia no Chile o Grupo de Mulheres Brasileiras no Exterior, contudo Angela iniciou seu contato com o feminismo em solo europeu.

12Da América Latina para a Europa. Essa segunda fase do exílio brasileiro foi marcada pela denúncia da ditadura que expandia seus tentáculos em solo brasileiro. Dessa fase, passou-se a uma migração dentro do exílio, quando muitos exilados/as saíram da Europa para a África no contexto de vitórias de libertação nacional nesses países. Enquanto estavam fora, o Brasil mudara e eles/as próprios/as, os/as exilados/as, em um reencontro consigo e suas práticas sob a condição de estrangeiros/as. Em entrevista contida em livro publicado pela Fundação Carlos Chagas e que traz uma coletânea de textos de Angela Arruda e sua contribuição para o campo da Psicologia Social, assim fala com relação à situação política de Santiago:

Até 1969, a colônia brasileira estava formada pelo pessoal que tinha saído antes do aumento da repressão, havia ex-parlamentares, intelectuais e militantes que não estavam muito organizados. Mas após a chegada dos companheiros trocados pelo embaixador, aumentou a organização. (...) Nossa organização, por exemplo, criou um jornal. Aliás era um jornal muito bonito, que se chamava “Povo/Poder”. (...) Mas os 70 exilados do Brasil não ficaram muito tempo no Chile. Muitos tinham decidido ir para outros países, como a Argélia (Angela Arruda, entrevista concedida à María Auxiliadora Banchs).

13Tendo ficado presa durante 45 dias no Chile, Angela prosseguiu na militância e nos estudos na capital Paris; a aproximação com o feminismo francês; no mestrado, o contato com a Psicologia Social de Serge Moscovici e Denise Jodelet. Aos poucos, uma nova forma de pensar a Psicologia e de fazer política. “Foi um momento que eu passei por uma segunda leitura sobre minha vida” (Angela Arruda, entrevista concedida à autora em: 15 de maio de 2015 [informação verbal]), disse:

Fui morar num bairro que tinha um grupo de mulheres animadíssimo, que cresceu tanto que não cabia no lugar onde reunia, teve que fazer dois lugares para reunir e tinha muita atividade. Toda semana passava um filme e fazia um debate e a gente se reunia e fazia coisas e eu aprendi uma outra forma de fazer política que era totalmente diferente da que a gente trabalhava dentro da organização. Era muito mais anárquica, mas era muito mais criativa, tinha muito mais espaço para a variação das pessoas. (...) As reuniões eram muito mais conturbadas, quando a reunião começava parecia que não ia terminar nunca e para mim que estava acostumada com a lógica em que cada um fala e o outro fica quieto, era uma confusão dos diabos, parecia que nunca ia terminar e de repente estava tudo terminado e acabou. Não durava horas. E aí fui entrando no convívio disso, fui começando a viver com as feministas (Angela Arruda, entrevista concedida à autora em 15 de maio de 2015 [informação verbal]).

14Nesses espaços, novas rotas foram criadas, muitas mulheres seguiram nos estudos, mudaram o telos de suas existências, iniciaram no movimento feminista, elaboraram histórias outras. Contudo, como nos diz Rachel Soihet, não foi fácil para essas mulheres – formadas numa perspectiva marxista – atentar para o reconhecimento de suas especificidades. Foram necessárias reflexões mais sistemáticas materializadas por grupos como o Círculo de Mulheres Brasileiras em Paris e o Grupo Latinoamericano de Mulheres. Essas reflexões propiciaram “encontros que aumentavam a potência de agir de muitas mulheres que passaram ou participaram ativamente das reuniões” (Rosa 138), permitindo assim, aberturas políticas, intelectuais e existenciais profundas (Abreu).

15Sobre esses grupos, Angela Arruda pontua a multiplicidade de origens das participantes, provindas de vários países da América Latina. Lembra-se da importância do grupo na criação de laços e da elaboração de novos olhares para si. Era “uma maneira de viver e a gente foi mudando”, menciona (Angela Arruda, entrevista concedida à autora em 15 de maio de 2015 [informação verbal]). Como mudança de vida, portanto, foi sua relação com o feminismo, subjetividade trazida para o Brasil e reverberada na criação do Grupo de Mulheres de Campina Grande, em 1982 e do Grupo Raízes, em 1984. Vida alternativa, alegre e horizontal, foi a potencializada por seu encontro com o feminismo francês. Porquanto “o exílio foi o tempo e o lugar de redefinições das esquerdas” (Rollemberg 10) e de abertura a novas possibilidades do fazer político:

Embora eu tenha chegado na França muito mal, muito infeliz por causa da situação no Chile, quando eu ingressei no movimento feminista francês, sobretudo, foi uma coisa que me fez reviver, uma coisa muito boa e positiva para mim. (...) Eu acho que eu saí do fundo do poço e voltei à superfície. (...) O feminismo teve essa coisa dessa alegria, dessa força de viver, dessa força de vida que foi muito importante, que foi depois o que eu consegui prosseguir também quando eu cheguei no Brasil de volta (Angela Arruda, entrevista concedida à autora em 15 de maio de 2015 [informação verbal]).

16Esses grupos formados na década de 1970 e compostos por algumas mulheres exiladas, trabalhavam com oficinas de autoconsciência que permitiram discussões e reflexões sobre questões ditas femininas. Essas oficinas eram baseadas na horizontalidade, o que foi responsável por criar laços de integração bastante profícuos. Realizadas nas casas das mulheres, suscitaram modos livres de existência (Rosa) na medida em que se pautavam na discussão de experiências pessoais e coletivas. Pela especificidade da experiência do exílio, promoveram também vários encontros que integravam essas subjetividades nômades na Europa. Segundo Braidotti, subjetividades nômades são as que relacionam uma multiplicidade de identidades em correlação. A renúncia da fixidez dessas identidades reverbera na desconstrução do falogocentrismo eurocêntrico. Para a autora: “Nomadismo é uma forma de intransitividade nascente: marca um conjunto de transformações, sem produto final. Sujeitos nômades criam mapas politicamente informados para sua própria sobrevivência” (Braidotti 14). Assim, a subjetividade nômade feminista é aquela que está sendo e que nesse viés, respeita a diversidade e a multiplicidade da existência das mulheres.

17O Grupo Latinoamericano de Mulheres em Paris foi fundado por Yolanda Cerquinho da Silva Prado, em 1972. Escrevendo sobre sua trajetória, a historiadora Susel Oliveira da Rosa nos diz que Danda Prado – como é mais conhecida –, arriscou-se em meio a capturas biopolíticas, forjando uma identidade-devir, processo, corpo, coragem. Mantendo contato com Simone de Beavouir, que já havia sido hospedada em sua casa no Brasil por meio de seu pai Caio Prado Júnior, conectou-se na França com o conhecimento humanista produzido e também com o feminismo. O grupo manteve uma constância e publicou o boletim “Nosotras”. Publicado entre os anos de 1974 e 1976, teve circulação inclusive no Brasil. De circulação incerta, dependia de contribuições das leitoras para sua manutenção e funcionamento. Da vida doméstica à sexualidade, eram muitos os temas postos em pauta, promovendo deslocamentos de si e das capturas patriarcais e misóginas.

18De um feminismo preocupado com a luta de classes, o Círculo de Mulheres Brasileiras em Paris se ligou a grupos e partidos políticos como o Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8) e o Partido Comunista Brasileiro (PCB). Organizando-se em assembleias e subgrupos, de acordo com Pedro e Wolff (66):

uma das maiores empreitadas do Círculo era a denúncia à tortura e ao desrespeito aos direitos humanos dos presos políticos do Brasil. Essa era a estratégia adotada pelos militantes de esquerda exilados para sensibilizar os europeus com relação a seus países e à sua própria situação de estrangeiros.

19Denunciando a ditadura, abriu espaços dentro da própria esquerda a se pensar suas práticas, seus princípios. Também editou um boletim, o “Agora é que são elas” no ano de 1975. Tendo a leitura da opressão social como latente, esse grupo afirmava que não haveria socialismo sem libertação da mulher e não haveria libertação da mulher sem socialismo. Assim, essa dupla militância possibilitou um olhar para si e a reverberação dessas ideias no Brasil.

20No movimento de volta, essas mulheres aguçaram a percepção de que careciam de lócus diferenciado dentro dos espaços de luta antiditadura. Questionando a divisão entre os sexos, somaram forças para a conscientização de trabalhadoras, abrindo reflexões que suscitaram a observação da dimensão feminina nesse limiar. Surgiram os jornais feministas, a saber: Nós Mulheres, Brasil Mulher e Mulherio, que também fizeram uso dessa chave de análise teórica das relações sociais. A apropriação de conceitos como o de classe nesses impressos foi segundo Rago:

Uma estratégia de reconhecimento político e social fundamental num momento em que as barreiras para a entrada das mulheres no mundo da política eram pesadas demais, seja as impostas pela ditadura militar, seja as criadas pela própria dominação masculina, de esquerda ou de direita (Rago 05).

21Entre as décadas de 1970 e 1980, as mulheres se articularam a outras “minorias”, fazendo emergir várias associações feministas no país como o Centro Brasileiro da Mulher no Rio de Janeiro, a Associação de Mulheres de São Paulo, o Coletivo Feminista de Campinas, o SOS Violência de São Paulo, o SOS Campinas, o SOS Corpo no Recife, o “Maria Mulher”, em João Pessoa, o Brasília Mulher, o Brasil Mulher, o Grupo Sexo Finalmente Explícito, o Centro de Informação da Mulher de São Paulo, dentre outros. Como diz Rago, esses grupos mesclavam a participação de ex-militantes e as novas gerações que despertaram questões do corpo e da sexualidade. Questões próprias da instância privada vieram à público, implicando na emergência de uma cultura de valorização do feminino e de seus atributos.

22Dessas reverberações, o feminismo encontrou-se com o movimento de mulheres, adentrando diferentes instituições e setores da sociedade civil. Vale ressaltar, que o movimento de mulheres não tinha as questões feministas como bandeira de luta. Lutava-se por melhorias das condições materiais: por creches, por transporte, por habitação. Ainda como sinaliza Margareth Rago, esse encontro foi certamente lucrativo para todas:

Para as feministas, porque passavam a atingir uma rede muito mais ampla de mulheres; para as mulheres pobres da periferia, porque lhes traziam questões que dificilmente seriam enunciadas espontaneamente, como as referentes à moral sexual, ao corpo e à saúde (Rago 09).

23Sobre essa relação hoje, Silvia Camurça e Carmen Silva elencam a relação interseccional e retroalimentada, em que: “o movimento de mulheres faz o feminismo, ao mesmo tempo em que é constituído por ele” (Camurça e Silva 15). Na Paraíba, esse encontro extrapolou os limites da Universidade Federal da Paraíba, lócus do Grupo Feminista Maria Mulher, adentrando os bairros do Novais e Beira Rio, em João Pessoa. Também, prestando assessoria a mulheres agricultoras rurais, revelando-se aí traços de singularidade das lutas de mulheres no Estado.

24Questionada sobre o que seria o feminismo, Angela Arruda fala-nos de uma forma de ser marcada pela leveza, pela plenitude. É a possibilidade de vida sem sofrimento e com respeito às escolhas. Angela que chegou à Paraíba, mais especificamente na cidade de Campina Grande, no ano de 1982 e tão logo fundou em colaboração com outras professoras, o Grupo de Mulheres de Campina Grande no âmbito da Universidade Federal da Paraíba/campus II e da Universidade Regional do Nordeste – URNE, hoje Universidade Estadual da Paraíba. Professoras como Paola Cappellin, Eulália Cardoso, Socorro Pereira, Gleice Gorski e Gisélia Potengy, algumas que também haviam passado pela experiência do exílio e eram recém-chegadas ao Nordeste para integrar o quadro docente da UFPB durante o reitorado de Lynaldo Cavalcanti, este que investiu estabelecendo redes e trazendo pessoas atualizadas, de formação recente para a graduação e pós-graduação da instituição.

25Vindos/as com experiências de vivências alternativas, de educação popular e questionamentos políticos, eles/as, os de fora, provocaram certo estranhamento, constituindo uma parcela distinta, com hábitos difusos, modernos, contraculturais. Ao mesmo tempo em que chocavam a sociedade de forma mais ampla, causavam rebuliços na ordem posta dentro das coordenações e departamentos da Academia com discussões sobre identidade, gênero, multiculturalismo, direito à cidadania de estratos sociais "excluídos", já na década de 1980 e que afrouxaram os laços com os movimentos sociais do campo ou da cidade. Nessa aproximação e que contava com a atuação direta do Grupo de Mulheres, traçou-se convênios com o movimento sindical, dando apoio, por exemplo, à criação da Secretaria da Mulher Trabalhadora da Central Única dos Trabalhadores presidida por Penha Nascimento, no revigoramento da Associação de Empregadas Domésticas de Campina Grande e na formatação dos encontros para as trabalhadoras assalariadas (da cana e do abacaxi) do Brejo do Estado. Como o Grupo “Maria Mulher” de João Pessoa, o Brejo do Estado e o movimento sindicalista também foram lócus de atuação do feminismo das mulheres de Campina Grande, então consolidado.

26O grupo, iniciado a partir da visibilização de casos de violência contra mulheres, cometidos por médicos e outros profissionais liberais, logo se articulou com grupos de Recife a exemplo do SOS Corpo e de grupos do Rio de Janeiro, passando aos poucos a mudar seu foco de interesse para o tema da saúde. Nesse meio tempo, alunas de Angela Arruda na disciplina de Psicologia Social na URNE, partícipes de um processo de ensino-aprendizagem pautado nas ideias freirianas, tão logo fundaram outro grupo feminista na cidade no ano de 1984. Raízes, antigo nome da chapa de diretório acadêmico que saiu perdedora, nomeava então o grupo recém-organizado por uma nova geração de feministas. Gilberta Santos Soares, Vilma Maria Martins Vaz e Soraia Jordão Almeida, eram algumas de suas integrantes. Atrelado ao Grupo de Mulheres, esse grupo teve uma grande participação no meio popular da cidade, realizando oficinas, seminários e conscientizando as mulheres para sua condição de protagonistas. Além disso, desenvolveu projetos de alfabetização pelo método Paulo Freire e atuou na formação do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher no ano de 1986, ano em que também aconteceu o 1º Encontro Estadual de Trabalhadoras Domésticas.

27Nesse momento, foi criada em Campina Grande uma comissão que implantou o Conselho Municipal de Saúde na pauta da discussão do PAISMC (Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher e da Criança) no município. “A gente ia levando a questão do aborto, do atendimento, dos serviços, dos direitos reprodutivos, enfim todas as questões de saúde da mulher que estavam na pauta feminista” (Angela Arruda, entrevista concedida à María Auxiliadora Banchs).

28De reunião nas comunidades e nos bairros, discussões, a luta por políticas públicas. Angela Arruda lembra-se desse como um período muito intenso, de muitas formações, troca de experiências e ousadia. Sim, ousadia. Esses grupos participaram de processos de ocupação no conjunto Álvaro Gaudêncio, hoje bairro das Malvinas, elaboraram projetos de hortas comunitárias na Vila dos Teimosos, nas imediações das universidades no bairro do Bodocongó, participaram de encontros nacionais feministas, plantaram um feminismo que parecia pulsante no Nordeste e que em linhas gerais, se mesclava à luta contra o latifúndio, à exploração trabalhista e a padrões culturais tão arraigados.

29Propondo um novo modelo de pensamento pautado no corpo, Espinosa o define pela capacidade de afetar e ser afetado, pela potência – alegre ou triste – do qual é capaz de fazer vibrar. Sentimos alegria quando um corpo se encontra com o nosso e com ele se compõe, o inverso ocorre quando encontramos um corpo e ele ameaça nossa existência, diz Deleuze inspirado no filósofo. É nesse sentido que fala das paixões alegres, que pelo bom afeto inspira nossa potência de existir. Encontros, potencialmente bons, portanto. Encontros dessas mulheres com o feminismo, encontros dessas mulheres com outras e com elas mesmas.

30Jovem e desde já na “antessala da militância política”, como afirma, Angela Arruda é natural do Rio de Janeiro. De família pouco abastada, graduou-se em Psicologia na UFRJ, embora com grande influência da Filosofia. Firmando contato com a esquerda latinoamericana quando de sua estadia no Chile, residiu na França, onde tomou contato com o movimento feminista e adquiriu novos hábitos. “O feminismo é uma forma de vida, uma forma de ser” (Angela Arruda, entrevista concedida à autora em: 22 de maio de 2015 [informação verbal]) da qual não se desprende. “Repetir o ontem não cabia mais em nossas vidas”, disse Eleonora Menicucci Soares (18) em um processo de encontro consigo e com o feminismo. Mineira, da cidade de Lavras, foi membra do partido comunista, POLOP (Organização Revolucionária Marxista Política Operária) e depois do partido operário comunista. Após uma gravidez e uma passada rápida pelo Chile, foi presa e torturada em meados da década de 70. Na cadeia descobriu-se feminista, tendo emergido no movimento após 1974, em grupos da cidade de Belo Horizonte e posteriormente, em João Pessoa/PB, quando foi fundadora do primeiro grupo feminista do Estado. Vidas que passam pela militância política e pelo feminismo, trajetórias de resistência, de mulheres que se armaram para amar e lutar contra a ditadura e contra um cenário cultural misógino. Angela Arruda e Eleonora Menicuci são representantes de uma geração de mulheres pioneiras e destemidas que romperam padrões instituídos e elaboraram mundos possíveis. Mulheres que tomaram o espaço público; que incomodaram; que viveram. Mulheres que ainda semeiam o feminismo e resistem.

Haut de page

Bibliographie

ABREU, Maíra Luísa Gonçalves de. Feminismo no exílio: o Círculo de Mulheres Brasileiras em Paris e o Grupo Latino-Americano de Mulheres em Paris. Dissertação: Mestrado em Sociologia. Campinas: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, 2010.

BANCHS, María Auxiliadora. Entrevista com Angela Arruda. In SOUSA, Clarilza Prado de, ENS, Romilda Teodora, BÔAS, Lúcia Villas, NOVAES, Adelina de Oliveira e Karina A. Biasoli STANICH. (orgs.). Angela Arruda e as representações sociais – estudos selecionados. Curitiba: Champagnat; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2014, 15-35.

BRAIDOTTI, Rosi. Diferença, diversidade e subjetividade nômade. (Tradução de Roberta Barbosa). Labrys - Revista de Estudos Feministas [on-line]. 2002, nº 1-2. [Acesso em 21/04/2015]. ISSN: 1676-9651. ‹http://www.historiacultural.mpbnet.com.br/feminismo/Diferenca_Diversidade_e_Subjetividade_Nomade.pdf.

CAMURÇA, Silvia e Carmen SILVA. Feminismo e movimento de mulheres. Recife: SOS Corpo – Instituto Feminista para a Democracia, 2010.

DELEUZE, Gilles. Espinosa: filosofia prática. São Paulo: Escuta, 2002.

OLIVEIRA, Eleonora Menicucci de. As relações de gênero entre mães e filhas/os na solidão da tortura: reflexão de uma experiência. Labrys – Revista de Estudos Feministas [on-line]. 2009, nº 15-16. [Acesso em 14/04/2015]. ISSN: 1676-9651. ‹http://www.labrys.net.br/labrys15/ditadura/leo.htm.

PEDRO, Joana Maria. Eleonora Menicucci. Entrevista concedida à autora em 14 de outubro de 2004 [on-line]. [Acesso em 29/09/2015]. ‹http://jornalggn.com.br/blog/luisnassif/entrevista-historica-com-eleonora-menecucci.

PEDRO, Joana Maria e Cristina Scheibe WOLFF. Nosotras e o Círculo de Mulheres Brasileiras: Feminismo tropical em Paris. ArtCultura – Revista de História, Cultura e Arte [on-line]. 2007, v. 9, nº 14. [Acesso em 14/04/2015]. ISSN: 2178-3845 ‹http://www.artcultura.inhis.ufu.br/PDF14/Joana%20Maria.pdf.

RAGO, Luzia Margareth. Os feminismos no Brasil: dos ‘anos de chumbo’ à era global. Labrys – Revista de Estudos Feministas [on-line]. 2003, nº 03. [Acesso em 15/07/2014]. ISSN: 1676-9651. ‹http://www.tanianavarroswain.com.br/labrys/labrys3/web/bras/marga1.htm.

ROLLEMBERG, Denise. Memórias no exílio, memórias do exílio. In FERREIRA, Jorge e Daniel Aarão REIS (orgs.). As esquerdas no Brasil. Revolução e democracia (1964...). Volume 3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

ROSA, Susel Oliveira da. Mulheres, ditaduras e memórias: “não imagine que precise ser triste para ser militante”. São Paulo: Intermeios; Fapesp, 2013.

SOARES [OLIVEIRA], Eleonora Menicucci [de]. O movimento feminista: o reinventar da educação. Dissertação: Mestrado em Ciências Sociais. João Pessoa: Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes – Universidade Federal da Paraíba, 1983.

SOIHET, Rachel. Mulheres Brasileiras no Exílio e Consciência de Gênero. In PEDRO, Joana Maria e WOLFF, Cristina Scheibe (orgs.). Gênero, feminismos e ditaduras no Cone Sul. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2010.

Haut de page

Notes

1 Dissertação intitulada “O movimento feminista: o reinventar da educação”, defendida através do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal da Paraíba, no ano de 1983. No seu texto, dividido em três partes, a autora elenca uma espécie de autobiografia, mesclando estudos de concepções sobre mulheres integrantes do Maria Mulher e da comunidade dos bairros do Novais e Beira Rio (lócus de atuação do grupo) frente a temas como corpo e sexualidade.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Dayane Nascimento Sobreira, « As trajetórias de Eleonora Menicucci de Oliveira e Angela Maria Silva Arruda entre revoluções e feminismos », L'Ordinaire des Amériques [En ligne], 222 | 2017, mis en ligne le 19 juin 2017, consulté le 22 octobre 2017. URL : http://orda.revues.org/3440

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
L’Ordinaire des Amériques est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IPEAT
  • Logo Université Toulouse-Jean Jaurès
  • Logo Université de Toulouse
  • Logo Latindex
  • Revues.org