Navigation – Plan du site
Mémoires du militantisme : révolutions collectives et individuelles

Representações do feminino no cinema e na memória da resistência armada à ditadura militar brasileira

Notas sobre o caso de Iara Iavelberg, a partir do documentário Em busca de Iara (2014) de Flávio Frederico e Mariana Pamplona
Représentations féminines dans le cinéma et dans la mémoire de la résistance armée à la dictature militaire au Brésil. Notes sur le cas de Iara Iavelberg à partir du documentaire (2014) de Flávio Frederico et Mariana Pamplona
Representations of female in the cinema and in the memory of armed resistance to the Brazilian military dictatorship. Notes on the case of Iara Iavelberg, from the documentary Em busca de Iara by Flávio Frederico and Mariana Pamplona
Carolina Dellamore et Juliana Ventura de Souza Fernandes

Résumés

Cet article a pour but d’analyser le documentaire Em busca de Iara (2014), réalisé par Flavio Frederico. Le film a l’intention de reconstruire la trajectoire de la militante politique Iara Iavelberg, à partir d’un récit conduit par Mariana Pamplona, nièce d’Iara et responsable du scénario, de la production et de la co-mise en scène de l’œuvre. Le documentaire centre ses efforts dans la contestation de la version officielle de la dictature, selon laquelle Iara se serait suicidée en 1971. Ainsi, dans l’empressement de prouver qu’Iara Iavelberg aurait été assassinée par les forces de la répression, le documentaire relègue au second plan son militantisme politique pendant la dictature. L’argument central est que, dans le documentaire, la guérillera Iara est reconnue non pour son action politique, mais pour sa beauté et pour avoir été la femme de l’ex-capitaine de l’Armée Carlos Lamarca – une perspective qui apporte peu à la compréhension du rôle du militantisme féminin dans les organisations de gauche de la période.

Haut de page

Texte intégral

I/ Introdução

  • 1 Podemos citar também “A memória que me contam” (Lúcia Murat), “Vou contar para meus filhos” (Tuca S (...)

1Nas últimas décadas, a ditadura militar no Brasil tornou-se tema recorrente da cinematografia nacional, tanto nas produções ficcionais quanto nos documentários. Dentre esses filmes, podemos destacar algumas produções que tem procurado reconstituir as trajetórias de mulheres que lutaram contra a ditadura militar no Brasil. Títulos como “Eunice, Clarice, Thereza” (Joatan Vilela Berbel), “Que bom te ver viva” (Lúcia Murat), “Zuzu Angel” (Sérgio Rezende), “Subversivas – Retratos femininos de luta contra a ditadura” (Fernanda Vidigal e Janaína Patrocínio), “Damas da liberdade” (Célia Gurgel e Joe Pimentel), “Repare bem” (Maria de Medeiros) são apenas alguns exemplos de como a militância feminina vem sendo representada no cinema1. Esses filmes discutem temas que atravessaram o universo feminino nos anos de 1960, 1970 e 1980 como a luta contra a ditadura militar, a opção pela guerrilha, o cotidiano das organizações de esquerda, a clandestinidade, a prisão, a tortura, o exílio, o movimento pela anistia, as relações afetivas, a maternidade, os desaparecimentos e morte de companheiros e familiares, demonstrando a complexidade das experiências das mulheres nesses anos.

2Com o objetivo de contribuir com a discussão de como o feminino tem sido representado no cinema e na memória da resistência à ditadura militar propomos, nesse artigo, analisar o documentário “Em busca de Iara” de Flávio Frederico e Mariana Pamplona. Em linhas gerais, o filme pretende refazer os caminhos da militância de Iara Iavelberg, o engajamento na luta armada contra a ditadura militar, a vida na clandestinidade e o encontro com o ex-capitão do exército Carlos Lamarca, com quem teve um relacionamento amoroso, até sua morte em 1971, em Salvador, aos 27 anos.

3“Em busca de Iara” foi dirigido por Flávio Frederico e tem em Mariana Pamplona, roteirista, produtora, codiretora do longa-metragem e sobrinha de Iara o fio condutor da narrativa. Mariana sai do papel de entrevistadora que fica atrás da câmera como nos documentários mais tradicionais e “atua” no filme. Dessa forma, nosso objetivo é, por meio do percurso de Mariana na busca pela trajetória de Iara, identificar a “voz do documentário”, ou seja, as estratégias mobilizadas pelo filme para contar essa história. Tendo em vista que, se por um lado o longa buscou desmontar a versão da ditadura sobre a morte por suicídio de Iara Iavelberg, estabelecendo novos parâmetros para a construção de uma outra memória para o fato, por outro endossou uma memória já consolidada sobre a vida da militante, reforçando o lugar de Iara como “a amante de”, “a companheira de”, e a musa da resistência.

4Sendo assim, o documentário “Em busca de Iara” possibilita problematizar, por meio da trajetória de Iara Iavelberg, as construções de memória em torno da militância política feminina contra a ditadura militar e do papel das mulheres na guerrilha. Para isso, será examinado o conteúdo do documentário, a constituição de sua narrativa fílmica e seu contexto de produção, tendo-se como eixo da análise as discussões sobre as relações entre cinema e história, os estudos de gênero e a historiografia sobre a ditadura militar, com o objetivo de que esse diálogo possibilite que ampliemos as percepções e olhares sobre o tema.

1/ Em busca da produção do documentário

5As relações entre cinema e história como campo de pesquisa histórica vem se desenvolvendo pelo menos desde os anos de 1960. Atualmente, é um campo consolidado devido ao interesse de muitos pesquisadores e a qualidade dos trabalhos. Nele, o filme é concebido como um documento histórico, seja ele ficção ou documentário, conforme acepção de Marc Ferro, tornando-se passível de crítica como qualquer outra fonte. Ferro também propõe como método de investigação a associação da obra ao mundo que o produziu. Para isso, o estudo deve partir da análise “no filme” (Ferro 203) de aspectos como a narrativa, o conteúdo, o cenário e “as relações do filme com o que não é o filme” (Ferro 203), ou seja, seu contexto de produção, o autor, o público, a crítica, dentre outros aspectos. Essa abordagem possibilita não apenas compreendermos a obra cinematográfica, mas também a realidade que ela representa, numa relação entre “o visível e o não visível” (Ferro 203).

6A proposta de análise de Ferro é válida também para os filmes não ficcionais, posto que os documentários também produzem uma interpretação da história, e nesse sentido o exame das relações entre o visível e não-visível torna-se pertinente e enriquecedor para a compreensão desse tipo de obra cinematográfica. Consideramos, conforme Bill Nichols (47) que o documentário “não é uma reprodução da realidade, é uma representação do mundo em que vivemos. Representa uma determinada visão do mundo, uma visão com a qual talvez nunca tenhamos deparado antes, mesmo que os aspectos do mundo nela representados nos sejam familiares”. Sendo assim, o documentário como representação do mundo é estruturado a partir do olhar do realizador que não é isento de valores e ideologias. E, ao construir uma narrativa sobre um determinado evento histórico, seja ela conhecido ou não, o filme elabora uma interpretação sobre a história, podendo, em alguns momentos, reafirmar versões consolidadas ou provocar incômodos e até mesmo fissuras na memória social.

7“Em busca de Iara”, documentário de 91 minutos, produzido e distribuído pela Kinoscópio, empresa de Flávio Frederico e Mariana Pamplona contou basicamente com financiamento público para ser realizado. Patrocínio da Ancine (Agência Nacional de Cinema), do Governo do Estado de São Paulo por meio do Programa de Fomento ao Cinema Paulista 2011 e do Programa Municipal de Fomento Cinema – Finalização de Longa metragem, da Prefeitura de São Paulo. Começou a ser exibido em 2013 em alguns festivais de cinema no Brasil e no exterior, tendo recebido Menção Honrosa no Festival É tudo Verdade 2013, realizado no Rio de Janeiro. O lançamento nacional, no mercado de exibição, contudo, deu-se em 2014, ano do cinquentenário do golpe civil-militar de 1964 que depôs o presidente eleito João Goulart e instalou uma ditadura que durou 21 anos no Brasil. Nesse ano, ocorreram debates e reflexões em diversas universidades do país sobre os 50 anos do golpe de 1964 e a ditadura. Não faltaram lançamentos de livros sobre o tema, biografias, autobiografias e trabalhos memorialísticos. Também tiveram lugar na cena pública as batalhas de memória em torno da ditadura que aqueceram os debates políticos nos meios de comunicação, nas redes sociais e em outros espaços. Em relação ao filme “Em busca de Iara”, o diretor Flávio Frederico comentou em uma entrevista por ocasião da estreia em 2014 que o lançamento no cinquentenário do golpe foi planejado:

Na verdade, a gente planejou esta estreia já pensando nos cinquenta anos do golpe. E está dando certo. A procura tem sido grande, muitas pessoas querendo discutir o filme. No dia da estreia, 27 de março, tivemos uma sessão em Salvador incrível. Como a história termina por lá, a plateia está muito informada do que aconteceu (Frederico s/p).

  • 2 O filme fala sobre a tentativa de implantação de um foco guerrilheiro em 1966 pelo MNR (Movimento N (...)

8Além do apelo comercial da data emblemática que favorecia a estreia de um filme como esse, consideramos conforme acepção de Bill Nichols (73) que os documentários “como representação, tornam-se uma voz entre muitas numa arena de debate e contestação social”. Sendo assim, o cinema também se assenta como parte da batalha de memórias em relação ao período da ditadura militar brasileira, produzindo memórias, esquecimentos e silêncios, construindo e/ou descontruindo versões consolidadas e ainda endossando determinadas visões. O próprio Flávio Frederico já havia tratado do tema da ditadura e da guerrilha no documentárioCaparaó” finalizado em 2006 e que contou com a participação de Mariana Pamplona no roteiro2.

  • 3 A Comissão Nacional da Verdade foi criada pela Lei 12528/2011 e instituída em 16 de maio de 2012. A (...)

9O filme “Em busca de Iara” se coloca como contraposição a uma memória oficial, pelo menos no que tange às condições da morte da militante que dá nome ao longa metragem. É interessante ter em conta que a pesquisa para o documentário apesar de ter sido iniciada em 2006, sua finalização acontece em um contexto pós-criação da Comissão Nacional da Verdade3 e das comissões estaduais que investigaram a morte e o desaparecimento de vários militantes durante a ditadura militar. Nesse sentido, o próprio diretor considera que o filme “colabora em rever este momento e ficará como documento. Inclusive para a Comissão da Verdade” (Frederico s/p). Os realizadores chegaram a participar de uma audiência na Comissão da Verdade Rubens Paiva, na Assembleia Legislativa de São Paulo, contribuindo e até mesmo, pautando o trabalho de busca da verdade acerca das condições que de morte de Iara Iavelberg.

10Segundo Flávio Frederico, seu contato com a história de Iara se deu por meio de Mariana Pamplona que é também sua esposa. Ele conta que “em 2006, o processo de exumação do corpo da Iara havia sido encerrado, com o sepultamento dos restos mortais dela ao lado da família. Então tivemos a ideia de ir ao enterro levando duas câmeras amadoras para captar aquele momento único, inclusive fechado para a imprensa” (Frederico s/p). Nessa época, Flávio e Mariana ainda não tinham um projeto do filme, captaram essas imagens e nos dois anos seguintes colheram depoimentos, fizeram pesquisas e só então resolveram desenvolver um documentário cuja proposta inicial seria investigar o que ocorreu envolvendo a morte de Iara e os meses finais da vida dela em Salvador com Lamarca. Mas com o passar do tempo decidiram fazer um filme maior e “ir a fundo em quem foi a Iara, principalmente para ter essa comunicação com o público mais jovem. Assim surgiu o projeto Em busca de Iara” (Frederico s/p).

11O processo iniciado em 2006 pelos dois foi transformado em roteiro e apresentado em 2009, por Mariana Pamplona, como parte dos requisitos para a obtenção do título de Mestra em Multimeios pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). A dissertação intitulada “Clandestina, a vida de Iara Iavelberg em dois roteiros” é dedicada a David e Eva Iavelberg, avós de Mariana e traz um roteiro de longa-metragem de ficção chamado “Clandestina” e outro de um documentário também longa-metragem intitulado “Suicídio?”, ambos sobre a guerrilheira Iara Iavelberg. “Clandestina” não se tornou filme, mas aparece no currículo de Mariana como um roteiro premiado. Sobre o roteiro de “Suicídio?” que com poucas modificações foi renomeado como “Em busca de Iara”, Pamplona explica o seguinte:

O roteiro do documentário Suicídio? é construído a partir de uma linha narrativa principal, que trata das questões sobre a exumação do corpo de Iara Iavelberg, e investiga as reais zircunstâncias de sua morte; que jamais foram de fato esclarecidas: nem através da imprensa, e muito menos através dos livros. Este filme não será uma biografia sobre uma personalidade histórica; mas uma investigação, um processo de busca atual e inédito que busca esclarecer para o grande público um episódio que aconteceu na história brasileira, no auge da ditadura militar e que até hoje permanece cercado de mentiras, lacunas e contradições (Pamplona 3).

  • 4 Aparelho, nesse contexto, refere-se aos locais nos quais militantes, geralmente ligados a grupos ar (...)

12Aqui Mariana Pamplona esclarece o caminho que o roteiro deveria seguir e o objetivo do documentário, cuja proposta apesar de ter um recorte biográfico, segundo a roteirista, não se trataria de uma biografia convencional, mas teria como eixo esclarecer as condições da morte de Iara Iavelberg. O centro do filme, dessa forma, manteve-se fiel ao roteiro, é a investigação de Mariana com a finalidade de desmontar a versão oficial da ditadura, que atribuiu a um suicídio a causa da morte de Iara Iavelberg, em 1971, quando o aparelho4 onde ela estava foi invadido pela repressão.

13Mariana Pamplona também chama a atenção para o fato de livros que trataram do tema como, por exemplo, a biografia de Carlos Lamarca, de Emiliano José; a biografia de Iara Iavelberg, intitulada “Iara: reportagem biográfica”, de Judith Patarra; e outras publicações como “A Ditadura Escancarada”, de Elio Gaspari; não terem realizado uma investigação sobre a morte da guerrilheira e terem aceitado a tese do suicídio. Também no filme “Lamarca”, de Sérgio Rezende, a personagem de Iara (Clara) comete suicídio e no documentário em formato de curta-metragem “Iara, a lembrança de uma mulher”, dirigido por Renato Sacerdote e Alberto Baumstein.

14A própria Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos, em sua publicação Direito à Memória e a Verdade, admite que, embora tenha revisto seu posicionamento posteriormente, a versão de suicídio prevaleceu inclusive no primeiro julgamento do caso de Iara, em 1998. O caso foi reapresentado em 2002, em processo que o Estado brasileiro passou a ser responsabilizado inclusive pelas situações na qual a pessoa cometeu suicídio na iminência de ser presa. Contudo, a Comissão Especial não rechaçou formalmente a hipótese de suicídio naquele momento, embora alguns integrantes do colegiado tenham se manifestado explicitamente nesse sentido (Brasil). Diante disso, “Em busca de Iara” acaba se tornando um “agente da história”, confrontado uma versão consolida em diversos meios.

2/ Em busca do documentário

15“Em busca de Iara” começa com um prólogo que mostra o processo de exumação do corpo de Iara Iavelberg em 2003 e serve para instaurar o questionamento no espectador acerca de sua morte por suicídio, fato que será rebatido ao longo do filme. Depois dos letreiros Mariana Pamplona inicia sua narração, em primeira pessoa, que conduzirá todo o filme. Nesse momento, aparecem fotos suas de criança e adolescente, enquanto nos conta quem ela é e ao mesmo tempo em que introduz o espectador ao universo do filme:

Meu nome é Mariana Pamplona, não tenho o sobrenome materno Iavelberg porque meus pais tinham medo de que no futuro eu pudesse sofrer algum tipo de represália do regime militar. Nessas fotos estou no Cemitério Israelita do Butantã, em São Paulo, visitando o túmulo da minha tia Iara, cuja história me acompanha desde antes do meu nascimento.

16Mariana não conheceu Iara, pois nasceu sete meses depois de sua morte, mas carrega consigo as marcas desse passado até mesmo no nome, pela ausência do “Iavelberg” e pela presença da tia, pois Mariana foi um dos nomes que Iara usou na clandestinidade.

  • 5 As organizações mencionadas são exemplos de um amplo leque de grupos militantes armados que se cons (...)

17Sendo assim, para recompor a Iara que Mariana não conheceu, o filme faz uso de entrevistas com familiares, amigos e companheiros de militância de Iara da POLOP (Organização Revolucionária Marxista Política Operária), VPR (Vanguarda Popular Revolucionária), VAR-Palmares (Vanguarda Armada Revolucionária Palmares) e do MR-8 (Movimento Revolucionário 8 de Outubro), concentrando um tempo considerável nos depoimentos dos membros dessa última organização, visto que estes militantes organizaram a ida de Iara e Lamarca para a Bahia e conviveram com eles nesse período5.

18Além dos depoimentos, a costura narrativa é feita com fotos, imagens em movimento, material de imprensa e documentos de arquivo. As fotos são de Iara em diversas fases de sua vida: criança, adolescente e adulta, sendo que as mesmas fotos se repetem ao longo do filme. Há também trechos de filmes como o curta-metragem “Universidade em Crise” de Renato Tapajós e os conhecidos cartazes de “Terroristas procurados”, amplamente divulgados pelo regime. Além de matérias de jornais que buscam mostrar o clima da época, a efervescência do movimento estudantil, a repressão às organizações de esquerda e o relacionamento de Iara e Lamarca. O material de arquivo utilizado traz documentos produzidos pelos órgãos de repressão como a ficha de Iara no Dops/SP e o relatório da Operação Pajussara, realizada em Salvador redundando na morte da militante. Sobre isso, o diretor Flávio Frederico conta que “a grande liberação de documentos reservados ocorreu só no último ano de produção, quando o filme estava na fase de finalização. Paramos tudo e revimos o que tínhamos feito. Recebemos 800 documentos que citavam a Iara vindos do Arquivo Nacional de Brasília”.

19É importante avaliar aqui como a abertura de arquivos da ditadura e o acesso aos documentos torna-se elemento chave para o exercício e a consolidação do direito à memória, à verdade, à justiça e à reparação. Possibilitando desmontar versões oficiais sobre mortes e desaparecimentos de diversos militantes, como foi o caso de Iara Iavelberg e ampliar o conhecimento sobre o funcionamento da estrutura repressiva.

20O filme procura mapear e seguir o caminho de Iara até chegar a Salvador onde ela morreu. Mariana percorre lugares onde Iara esteve, tais como: a faculdade, as cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Serrinha no interior da Bahia e Salvador. O documentário, contudo, acaba se excedendo, pois gasta muito tempo mostrando os deslocamentos de Mariana, seja de avião ou de carro. Nesse percurso, ela encontra pessoas que conviveram com Iara em diversos momentos da vida. Mas em um lugar em especial Mariana se detém, como que para realizar uma espécie de arqueologia da morte, ela volta com Jaileno Sampaio, militante do MR-8, ao apartamento 201, no edifício Santa Terezinha, na Pituba, em Salvador, para reconstituir como foi a movimentação dos militantes e das forças policiais na madrugada do dia 20 de agosto de 1971, quando Iara morreu.

21Carla Maia, ao analisar parte da produção fílmica desenvolvida na década de 2010 relacionando a temática ditadura militar (1964-1985) e experiências afetivas ou pessoais de seus produtores ou diretores, destaca que os recursos referentes à linguagem fílmica no longa “Em busca de Iara” são utilizados de maneira bastante convencional em comparação a outras produções do período. As opções feitas por direção e roteiro, nesse caso, não foram capazes, de acordo com a autora, de construir uma crítica sobre os próprios limites e possibilidades da linguagem fílmica. Os recursos utilizados convergiriam para a confirmação de uma ideia desde o início enunciada pelo roteiro, ou seja, a falácia da hipótese de suicídio de Iara Iavelberg. Nesse sentido, os discursos apresentados são expostos de maneira bem estruturada, sem fissuras ou tensões, com relações sempre convergentes entre som e imagem (Maia). Ao fim, o documentário assume um caráter “redentor”, no qual o discurso que se costuma atribuir um regime de verdade – a ciência – “prova” que Iara foi assassinada em uma emboscada policial.

22Podemos nos interrogar a respeito dos sentidos políticos de “Em busca de Iara”. Como outros filmes ou documentários a respeito da ditadura militar no Brasil, estamos diante de uma narrativa que procura desmontar determinadas narrativas constituídas e difundidas por grupos militares perpetradores da violência estatal. Nesse sentido, “Em busca de Iara” procura confrontar determinado discurso, tencionando versões produzidas pelo Estado brasileiro para encobrir sua responsabilidade em relação a uma série de crimes e atos de violações de direitos humanos durante a ditadura. Apesar de seu interesse na confrontação de um discurso, o documentário não permite que dissensos apareçam em sua narrativa. Outro lugar comum da memória acaba sendo forçado: o que relega à atuação política das mulheres durante a ditadura um plano secundário. Sendo assim, nos interessa problematizar como Iara Iavelberg é representada no documentário.

II/ Em busca de Iara

23Em relação às estratégias narrativas do documentário, uma questão fundamental a ser destacada refere-se à maneira como a condição de Iara – enquanto mulher e militante – é abordada. A busca por Iara empreendida pelo documentário não avança na discussão sobre a militância feminina nas organizações de esquerda e também não complexifica o próprio papel de Iara Iavelberg como mulher e militante política. Isso pode ser percebido na forma como ela é representada no documentário.

24As tomadas iniciais são constituídas por depoimentos colhidos de Rosa Iavelberg, irmã de Iara (mãe de Mariana Pamplona), da amiga Evelise Souza Marra e do irmão Samuel Iavelberg. É interessante destacar que a questão que a roteirista dirige à irmã de Iara relaciona-se justamente a sua suposta preocupação com sua aparência. Primeiro lhe pergunta sobre sua personalidade. Como resposta, ouve sobre a facilidade de Iara nos relacionamentos interpessoais. Em seguida, a pergunta: “ela já tinha essa coisa da vaidade? ”, respondida positivamente pela irmã que continua: “ela sempre foi uma pessoa que se cuidou muito, eu lembro dela cuidando tanto de alimentação já naquela época como assim de corpo, cabelo, unha”. Não há problemas em uma pessoa ser vaidosa e gostar de se cuidar, a questão aqui é o caminho que o filme escolhe, já desde o início, de reafirmação da imagem de Iara como a mulher vaidosa.

25O casamento aos 16 anos de idade é também um tema tratado no começo do longa. Para o irmão Samuel aquele tinha sido o “típico casamento judeu onde uma família casa uma filha menor de idade com o vizinho só porque ele era estudante de medicina (...) era o tipo de coisa que não podia dar certo”. A amiga Evelise fala em um casamento precoce e ruim, mas com liberdade para que Iara vivenciasse experiências relacionadas à efervescência cultural daqueles anos: o cotidiano estudantil na Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, a proximidade com o movimento estudantil e com intelectuais e artistas da época. Rosa lembra-se de Iara sozinha e “de um estado meio de angústia dela, meio de contradição, né? com o script que ela tinha, né? De casamento, dessa cultura judaica e de repente entrar na FFLCH né, e ter um outro tipo de ambiente cultural”. E foi na efervescente Rua Maria Antônia que Iara descobriu a cinemateca brasileira, o cine Bijoux o os ousados artigos sobre questões femininas de Carmem Silva, na revista Cláudia (Patarra), além do interesse pelo teatro e pela política.

26A entrada de Iara na militância política é contada por Samuel Iavelberg que explica que quando ele e Iara passaram no vestibular no início de 1964 para Física e Psicologia, respectivamente, “eram dois alienados”. Vindos de um colégio secundarista onde não tinha atividade política foi com a efervescência da Rua Maria Antônia, onde se concentrava o movimento estudantil que eles tomaram contato com a realidade, e principalmente depois do golpe civil-militar de 1964 “só se discutia política”. O filme Universidade em Crise de Renato Tapajós, onde aparece Iara em uma assembleia estudantil serve de ponte para contextualizar o movimento estudantil nesse período, com a invasão e o incêndio da UNE, a depredação do grêmio estudantil da Faculdade de Filosofia da USP.

27“Em busca de Iara”, porém, não explica porque e como Iara Iavelberg tornou-se uma militante, o máximo que informa pelo depoimento do irmão Samuel é que ele se envolveu na política, passou a frequentar as assembleias estudantis e que depois Iara também se interessou. Os dois militaram na Organização Revolucionária Marxista Política Operária (Polop), organização surgida em 1962 e formada fundamentalmente por intelectuais. Nessa época, Iara começou a estudar marxismo e a atuar no movimento estudantil tornando-se presidente do Centro Acadêmico da Psicologia da USP, chamado de Centrinho à época, que anos depois recebeu seu nome como homenagem. De início, Iara conseguiu conciliar a militância política com outras atividades. Foi professora em um cursinho preparatório para o vestibular promovido pelo Centrinho e chegou a dar aulas como professora assistente no próprio Instituto de Psicologia da USP onde se formou. Entretanto, na medida em que a militância de Iara se aprofundava e a repressão também aumentava foi ficando cada vez mais difícil continuar a lecionar. Iara abandonou a carreira e o curso de pós-graduação iniciado em 1968 (Moncau).

28Na Polop Iara permaneceu até 1967, quando um grupo de dissidentes do qual ela fazia parte fundou a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR). Sobre a VPR o filme informa que “Entre 1968 e 1969 a VPR realizou diversas ações guerrilheiras. Desde atentados à bomba, assaltos à agências bancárias e até sequestros”. No entanto, dizer de maneira resumida o que a VPR realizou nesses anos, não contribui para esclarecer o que foi essa organização. Nesse momento são mobilizados os depoimentos dos companheiros de militância Silvério Soares Ferreira e João Quartim de Moraes com quem Iara manteve um relacionamento amoroso. O primeiro conta sobre a prisão de ambos pelo Dops e do choro quando do término do namoro. João Quartim, por sua vez, tenta iniciar uma discussão mais aprofundada sobre o projeto político da VPR, mas é interrompido pela pergunta de Mariana: “como vocês começaram a namorar?”, fazendo com que o relato do relacionamento ganhe mais espaço do que a atuação política de Iara na organização. Portanto, consideramos que a busca do documentário se concentra mais no aspecto privado da vida da guerrilheira do que da Iara militante. Assim, qual era o papel de Iara Iavelberg na VPR? Em quais ações ela participou? Como era seu desempenho? O que ela pensava? Estas são algumas das perguntas que permanecem sem respostas.

29Parece-nos pertinente observar que questões próprias à condição das mulheres nos anos 1960-1970 são retomadas, não propriamente para serem problematizadas, mas para, de algum modo, ser reafirmadas. No documentário, Iara não escapa do enquadramento em padrões estéticos desejáveis e em ideais de amor romântico que dizem respeito à condição de muitos grupos de mulheres naquelas décadas. Dizemos de muitos grupos, porque estamos advertidas da necessidade de circunscrevemos a experiência de Iara de uma maneira não universalizante, tendo-se em vista sua condição de mulher branca, pertencente à classe média em um grande centro urbano, de elevada escolarização e acesso a diversos bens culturais. Ainda nessa condição socialmente privilegiada em relação a tantas mulheres de sua época, sua vida privada continua em destaque e sua ação propriamente política é colocada em segundo plano, assim como as ações das mulheres guerrilheiras dentro das organizações clandestinas eram tidas como secundárias. A própria publicidade do filme, nesse sentido, reafirma representações comuns de Iara, que se referem a sua vida privada e destacam sua condição de companheira: “a vida, o amor por Lamarca e a morte de Iara Iavelberg. Musa da resistência contra a ditadura”.

  • 6 Em relação às representações sobre Iara Iavelberg do ponto de vista dos agentes da repressão e da i (...)

30A partir do momento em que o documentário começa a reconstituir a trajetória de Iara após conhecer o ex-capitão do exército Carlos Lamarca, alguns fragmentos de como era o treinamento militar e a atuação dela aparecem por meio do depoimento de Darcy Rodrigues, ex-sargento, militante da VPR e confidente de Lamarca. No entanto, o relato de Rodrigues sobre as marchas, instruções teóricas e exercícios de tiro no Vale do Ribeira, interior de São Paulo, em 1970, que poderia ser o instante em que se vislumbraria algo do que foi Iara para além dos lugares comuns da memória, é interrompido pela pergunta do roteiro: “mas os militantes sabiam que eles eram um casal?” – questão que conduz o rumo da narrativa, mais uma vez, para temas relativos à vida privada e à condição de Iara enquanto mulher de Lamarca. Darcy Rodrigues também afirma terem existido reclamações dos demais militantes sobre a relação de Lamarca e Iara, mas que eles tratavam de descaracterizar dizendo que ali eram dois militantes em uma tarefa6. Iara acabou saindo da região antes do fim do treinamento, devido a uma infecção.

31Procurados em São Paulo, devido ao cerco sobre a VPR Lamarca e Iara partiram para o Rio de Janeiro, onde entraram em contato com militantes do Movimento Revolucionário Oito de Outubro (MR-8). Carlos Alberto Muniz, que ao lado de João Salgado, foram figuras importantes para a entrada dos dois no MR-8 destaca a disciplina do casal no que se refere às atividades militantes: “Eles tinham hora pra ginástica, hora pra leitura, hora pra escrever. E ela teve um papel muito importante na hora de ajudar o Lamarca a fazer aquela transição entre aquela formação militar e aquela fusão da teoria”. Iara foi responsável por aproximar Lamarca da literatura marxista e das leituras mais comuns entre as esquerdas da época. E talvez esse seja o único momento no filme em que a narrativa sobre a vida política de Iara – e não sobre a versão de suicídio – assume mais destaque que seus demais aspectos biográficos. Curiosamente, essa narrativa – como a maioria das narrativas sobre Iara – são construídas por homens.

32João Salgado também fala sobre os dois militantes, o interesse deles no trabalho que estava sendo desenvolvido pelo MR-8 no campo. Ele lembra-se que Lamarca e Iara dormiam pouco, fumavam e tomavam café o tempo todo. Salgado comenta ainda o que era dito sobre o relacionamento deles: “Todo mundo falava: ‘– essa mulher chegou aqui bonita, já quer logo namorar o comandante’ ”. A beleza de Iara é colocada aqui como um atributo que gerava desconfianças e até certa inveja em relação a ela. Em contrapartida, João Salgado também afirma que Lamarca “não entendia nada de marxismo e que Iara foi a grande professora dele”. Era ela que indicava livros importantes pra ele e foi quem o levou a desenvolver o gosto pela leitura. Por fim, o militante do MR-8 fala que Lamarca era muito ciumento e que dizia não acreditar “que na vida podia amar tanto como estava amando a Iara e que era muito difícil viver sem ela”.

  • 7 Iara Iavelberg foi assassinada em 20 de agosto de 1971 e Carlos Lamarca em 17 de setembro de 1971.

33Mais uma vez o amor entre Lamarca e Iara toma conta da narrativa do documentário e é ilustrado por trechos das cartas do capitão escritas em formato de um diário, mas que nunca chegaram às mãos da destinatária. Iara foi assassinada antes disso e seu corpo trancado na gaveta do Instituto Médico Legal de Salvador. A hipótese é de que a repressão usaria Iara para atrair Lamarca, por isso sua morte só foi divulgada depois da morte dele7. Afinal, o corpo de Iara Iavelberg, mais do que o corpo de uma militante morta, era o corpo da amante do Lamarca.

III/ Em busca das mulheres

34Os discursos e práticas das esquerdas, no que diz respeito ao papel das mulheres, não foram capazes de problematizar suficientemente o lugar da diferença. A militância política nos anos 1960-1970 foi tomada a partir de um modelo masculino universalizante, no qual “o militante político” converteu-se numa categoria neutra, que incluía homens e mulheres indistintamente, apagando dimensões específicas do(s) feminino(s) (Colling). No âmbito teórico, os estudos marxistas tendiam a nivelar todas as experiências sociais à determinação de classe, como demonstra o trabalho de Maria Lígia Quartim Moraes. De acordo com a autora, analisando as atas da III Internacional, havia, entre as esquerdas:

uma grande dificuldade em analisar a apropriação capitalista das formas de opressão baseadas no sexo e na raça. Apesar de reconhecerem a divisão sexual do trabalho e suas consequências para as mulheres, postergavam para uma futura sociedade socialista a superação das discriminações de gênero (Moraes 348).

35Uma pauta feminista propriamente dita se tornaria mais amplamente acessível a mulheres brasileiras na experiência do exílio, embora não se deva ignorar o papel da imprensa brasileira na difusão de certas pautas da segunda geração feminista, sobretudo a liberdade sexual e a inserção no mercado de trabalho. Explicando o contexto de surgimento dos grupos de consciência nos Estados Unidos e Europa, Joana Maria Pedro afirma que esses espaços foram sendo progressivamente conhecidos pelas mulheres exiladas advindas dos países do Cone Sul. Apesar disso, Pedro não deseja afirmar que o percurso do feminismo nesses países se tenha feito exclusivamente pela “bagagem das exiladas, mesmo porque essas ideias circulavam de diferentes maneiras por meio de livros, revistas, reportagens e viagens” (Pedro 160).

36No Brasil, os grupos de consciência passaram a existir a partir de 1972, mas foi somente em 1975, com o Ano Internacional da Mulher, considerado marco histórico para o feminismo de segunda onda, que começaram a se realizar encontros que se definiam como feministas. Ainda de acordo com Joana Maria Pedro, muitas das mulheres que passaram a participar desses acontecimentos viveram um engajamento duplo e, ao mesmo tempo, instrumental do movimento feminista, promovido pelas militantes que tinham dupla atividade: nos movimentos de mulheres e nos movimentos engajados na luta contra a ditadura. No entanto, essa experiência é muito mais característica da geração de mulheres militantes dos anos 1970. Iara, que foi assassinada em 1971, vivenciou sua prática militante em organizações nas quais as opressões sobre as diferentes classes de mulheres não eram debatidas.

37Autores e autoras divergem em relação ao impacto que a presença feminina na luta armada no Brasil teria causado em relação aos papéis tradicionalmente definidos ao feminino. Maria Lígia Quartim de Moraes, por exemplo, embora reconheça a inexistência de uma pauta feminista deliberada nessas organizações, acredita que a presença das mulheres na luta armada no Brasil dos anos 1960 e 1970 representou uma profunda transgressão ao que era designado como próprio ao sexo feminino, já que mulheres passaram a assumir funções que eram consideradas tipicamente masculinas: pegar em armas e assumir comportamentos sexuais que confrontavam a centralidade da virgindade e do casamento na moralidade vigente (Moraes).

38Para a autora, quando levamos em conta a significativa presença do machismo nas concepções dos partidos oficiais, a participação das mulheres na luta armada acabou se convertendo numa enorme ruptura com lutas e movimentos sociais anteriores, nos quais havia o predomínio de homens. Maria Lígia Quartim Moraes, no entanto, não deixa de destacar os limites dessa experiência, lembrando que quando as mulheres se aproximaram das temáticas propriamente feministas, as tensões entre gêneros se tornaram mais significativas:

A radicalidade da experiência da luta armada deixou marcas profundas nos jovens de ambos os sexos que nela se envolveram. Os códigos mudaram e instaurou-se uma nova ordem de relação entre homens e mulheres. Insisto na dimensão da juventude e no fato de a grande maioria dos guerrilheiros ser constituída por solteiros. Foi no exílio que muitos criaram família e se acirrou a contradição entre gêneros (Moraes 345).

39Marcelo Ridenti, analisando processos judiciais contra militantes de esquerda, pondera que dentre processos relativos a grupos armados urbanos o percentual de mulheres indiciadas foi de 15 a 20%. Embora relativamente baixo, o autor o considera significativo levando-se em conta um cenário social no qual a participação das mulheres na política predominantemente reafirmava seus lugares como ‘mães-esposas-donas-de-casa’ (vide os movimentos de apoio ao golpe) e, historicamente, excluía mulheres dos processos de formação militar, que compunham a base da atividade guerrilheira (Ridenti).

40O autor também destaca a relevância do movimento estudantil para a insurgência da participação feminina nos movimentos contestatórios à ditadura entre 1966 e 1968. Nesse sentido, a presença de mulheres militantes com trajetórias semelhantes a de Iara Iavelberg, no tocante a sua ligação com o meio universitário e o movimento estudantil seria um aspecto característico da resistência nesse período.

41Apesar disso, trabalhos como o de Alzira Abreu e Elizabeth Ferreira, citados por Ingrid Gianordoli-Nascimento, Trindade e Santos, consideram que a participação de mulheres na luta armada, sobretudo na década de 1960, ocasionou, de fato, rupturas nas representações comuns sobre a mulher. No entanto, suas análises são mais contidas em relação ao alcance dessas rupturas, que são caracterizadas por essas autoras como “iniciais”. Contudo, esse limite não se deveria a uma participação minoritária ou inédita das mulheres na vida política, mas principalmente pela participação assimétrica, que raramente atribuía a mulheres posições de comando (Gianordoli-Nascimento, Trindade & Santos).

42Um caso que contribui para pensarmos sobre as características da participação de mulheres nas organizações de esquerda e na luta armada é o de Eleonora Menicucci de Oliveira, apresentado por Pedro e Wolff. A militância de Eleonora iniciou-se no Partido Comunista Brasileiro (PCB), com o qual rompeu para assumir as atividades guerrilheiras. No grupo armado, casou-se para mudar de nome, já que seu nome de nascimento estava visado pelos órgãos de inteligência da repressão. Mesmo grávida, permaneceu na clandestinidade e realizou várias ações militantes.

43Seu parto se deu em um hospital de São Paulo e como usava uma identidade falsa, o pai da criança ficou impedido de ver o bebê imediatamente após o nascimento. Seis meses depois, engravidou novamente. A organização, da qual ela era uma liderança importante, “decidiu” que ela deveria fazer um aborto. De forma irônica e trágica, o médico que realizou seu aborto foi o mesmo que, posteriormente, quando foi presa e torturada, avaliava seu estado clínico para decidir se ela suportaria outras sessões de tortura. As práticas de tortura que lhe foram infringidas e a maneira como a organização a que pertencia decidiu sobre seu corpo e a tratou enquanto mulher e mãe lhe fizeram repensar, contemporaneamente, sua atuação:

isso me fez pensar muito [...] sobre a relação do centralismo democrático e da esquerda com a questão das mulheres. [Pude] repensar o meu caminho, vi como as relações de poder, de gênero, são fortes dentro da esquerda (Pedro & Wolff 402).

44Ao recorrer a esses estudos sobre questões de gênero e militância feminina nos anos 1960-1970, temos por principal objetivo explicitar como a presença de mulheres nas ações armadas contra a ditadura mobilizavam contradições no que diz respeito à constituição do papel social das mulheres naquele momento. Se por um lado, como vimos, essa participação foi capaz de promover tensionamentos em representações comuns do feminino, por outro, há um meio social que sustenta a defesa implícita ou explícita dos lugares tradicionais, onde podemos incluir o campo das esquerdas, de uma forma geral.

45Nesse sentido, a persistência de uma memória sobre Iara Iavelberg, que se assenta sobre a sua beleza e sobre a condição de companheira de Lamarca, – construída não apenas nas representações da repressão, mas inclusive na perspectiva de seus companheiros de ações armadas – demonstra o quanto lugares comuns do que se entendia ser desejável ao feminino naquela sociedade se reproduzem. Em alguma medida, poderíamos nos questionar, se o destaque dado à trajetória de Iara na literatura (acadêmica ou não sobre a ditadura) e em outros registros culturais (os filmes, por exemplo) não se deve exatamente àquilo que Iara encarna de ideal – e não no seu oposto. Esse questionamento advém precisamente da observação de que a militância propriamente dita de Iara – que poderia prover fissuras nesse ideal – é tratado de maneira secundária, inclusive no documentário “Em busca de Iara”. Em outras palavras, as representações sobre Iara talvez atendam muito melhor aos ideais esperados ao papel feminino, que as representações construídas sobre outras mulheres militantes.

46O documentário, como documento de seu tempo, ao reforçar as representações discutidas, acaba sendo sugestivo das dificuldades referentes à construção do lugar do(s) feminino(s) ainda na contemporaneidade. Saímos com a sensação de que na busca por Iara, Mariana Pamplona e Flávio Frederico conseguiram reunir argumentos que refutam a versão oficial do suicídio criada pela ditadura. Contudo, a busca pela guerrilheira Iara parece frustrada pelo destaque dado a suas vivências amorosas e aos aspectos privados de sua vida, narradas a partir de uma perspectiva de homens, que de alguma maneira, reproduzem estereótipos comuns sobre a mulher militante.

Haut de page

Bibliographie

BRASIL. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. Direito à verdade e à memória: Comissão Especial sobre Mortos e

Desaparecidos Políticos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2007.

COLLING, Ana Maria. As mulheres e a ditadura no Brasil. In CONGRESSO LUSO-AFRO-BRASILEIRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, 8, 2004, Coimbra. Anais. [on-line] Coimbra: Centro de Estudos Sociais, Faculdade de Economia, Universidade de Coimbra, 2004. [Acesso em 28.01. 2017] ‹http://www.ces.uc.pt/lab2004/pdfs/Ana_Maria_Colling.pdf

FERRO, Marc. O Filme: uma contra-análise da sociedade. In LE GOFF, Jacques & Pierre NORA. (Orgs.). História: Novos Objetos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1987.

FREDERICO, Flávio. Flávio Frederico em busca da verdade. (29.06.2014). Porto Alegre/RS: Papo de Cinema [on-line]. Entrevista concedida a Rodrigo de Oliveira. [Acesso em 20.01.2017]. ‹http://www.papodecinema.com.br/entrevistas/flavio-frederico-em-busca-da-verdade

GASPARI, Elio. A Ditadura Escancarada. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

GIANORDOLI-NASCIMENTO, Ingrid; TRINDADE, Zeide Araújo e Maria de Fátima de Souza SANTOS. Mulheres brasileiras e militância política durante a ditadura militar: a complexa dinâmica dos processos identitários. Revista Interamericana de Psicologia / Interamerican Journal of Psychology. 2007, v. 41, nº 3, 359-370.

INSUELA, Julia Bianchi Reis. Visões das mulheres militantes na luta armada: repressão, imprensa e (auto)biografias. Dissertação: História. Niterói: Instituto de Ciências Humanas e Filosofia – Universidade Federal Fluminense, 2011.

JOSÉ, Emiliano, MIRANDA, OLDACK. Carlos Lamarca: o capitão da guerrilha. São Paulo: Global Editora, 1980.

MAIA, Carla. Pequenas histórias face à grande história. Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual. 2015, v. 4, nº 1, 397-417.

MORAES, Maria Lygia Quartim de. O encontro marxismo-feminismo no Brasil. In RIDENTI, Marcelo e Daniel AARÃO-REIS (Orgs.). História do Marxismo no Brasil: partidos e movimentos após os anos 1960. Campinas: UNICAMP, 2007, 341-374.

MONCAU, Gabriela. Revolução e paixão na vida admirável de Iara Iavelberg. Revista Adusp. out. 2013. nº 55, 61-69.

NICHOLS, Bill. Introdução ao documentário. Campinas/SP: Papirus, 2005.

PAMPLONA, Mariana. Clandestina, a vida de Iara Iavelberg em dois roteiros. Dissertação: Mestrado em Multimeios. Campinas: Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, 2009.

PATARRA, Judith Lieblich. Iara: reportagem biográfica. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1992.

PEDRO, Joana Maria. O feminismo que veio do exílio: memórias de uma segunda onda no Brasil, na Argentina e no Uruguai (1964-89). In ROLLAND, Denis, Daniel AARÃO-REIS (Orgs). Modernidades alternativas. Rio de Janeiro: FGV, 2008, 157-172.

PEDRO, Joana Maria e Cristina Scheibe WOLFF. As dores e as delícias de lembrar a ditadura no Brasil: questões de gênero. História Unisinos. 2011, v. 15, nº 3, 398-405.

RIDENTI, Marcelo. O fantasma da revolução brasileira. 2 ed. revista e ampliada. São Paulo: UNESP, 2010.

Filmografia

A MEMÓRIA que me contam. Direção: Lúcia Murat. 2013. 1 DVD (95 min).

ATRÁS de portas fechadas. Direção: Danielle Gaspar e Krishna Tavares. 2014. 1 DVD (73 min).

CAPARAÓ. Direção: Flávio Frederico. 2006. 1 DVD (77 min).

DAMAS da liberdade. Direção: Célia Gurgel e Joe Pimentel. 2012. 1 DVD (28 min).

EM BUSCA de Iara. Direção: Flávio Frederico. 2013. 1 DVD (91 min).

EUNICE, Clarice, Thereza. Direção: Joatan Vilela Berbel. 1979. (15 min).

IARA, a lembrança de uma mulher. Direção: Renato Sacerdote e Alberto Baumstein. 1993. (14 min).

LAMARCA. Direção: Sérgio Rezende. 1994. 1 DVD (129 min).

QUE bom te ver viva. Direção: Lúcia Murat. 1989. 1 DVD (100 min).

REPARE bem. Direção: Maria de Medeiros. 2013. 1 DVD (95 min).

SUBVERSIVAS – Retratos femininos de luta contra a ditadura. Direção: Fernanda Vidigal e Janaína Patrocínio. 2012. 1 DVD (96 min).

UNIVERSIDADE em Crise. Direção: Renato Tapajós. 1965. (20 min).

VOU contar para meus filhos. Direção: Tuca Siqueira. 2011. 1 DVD (24 min).

ZUZU Angel. Direção: Sérgio Rezende. 2006. 1 DVD (103 min).

Haut de page

Notes

1 Podemos citar também “A memória que me contam” (Lúcia Murat), “Vou contar para meus filhos” (Tuca Siqueira), “Atrás de portas fechadas” (Danielle Gaspar e Krishna Tavares).

2 O filme fala sobre a tentativa de implantação de um foco guerrilheiro em 1966 pelo MNR (Movimento Nacionalista Revolucionário) na Serra do Caparaó, situada entre os estados de Minas Gerais e Espírito Santo. Vencedor do Prêmio de melhor Longa Metragem Brasileiro no Festival É Tudo Verdade 2006 e de Melhor Filme, Melhor Roteiro e Melhor Pesquisa no Festival de Cinema de Arquivo – Rencine/2006.

3 A Comissão Nacional da Verdade foi criada pela Lei 12528/2011 e instituída em 16 de maio de 2012. A CNV teve por finalidade apurar violações de Direitos Humanos ocorridas entre 18 de setembro de 1946 e 5 de outubro de 1988. Os resultados das investigações da CNV foram publicados em formatos de relatório em dezembro de 2014. Para mais informações http://www.cnv.gov.br. Vários estados do Brasil como São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul, dentre outros, também instituíram suas Comissões Estaduais da Verdade, algumas seguem trabalhando como a de Minas Gerais.

4 Aparelho, nesse contexto, refere-se aos locais nos quais militantes, geralmente ligados a grupos armados e em situação de clandestinidade, viviam, se escondiam ou articulavam suas ações. O termo foi comumente utilizado pelos próprios militantes em ocasião de suas atividades de combate ao regime ditatorial.

5 As organizações mencionadas são exemplos de um amplo leque de grupos militantes armados que se constituíram durante a ditadura militar e atuaram, sobretudo, entre 1968 e 1974. Sua formação deve-se aos diversos desdobramentos da cisão do PCB (Partido Comunista Brasileiro), que em seu 6º Congresso, realizado em São Paulo em janeiro de 1968, opta por assumir uma resistência à ditadura por vias institucionais e condena a estratégia da luta armada. Nessa ocasião, quadros históricos do PCB deixam o partido, como Carlos Marighella, Mário Alves, Jacob Gorender e Apolônio de Carvalho, formando organizações como a Ação Libertadora Nacional (ALN) e o Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR). Para um aprofundamento acerca da opção pela luta armada e a constituição de seus inúmeros grupos, ver, por exemplo, ROLLEMBERG, Denise. Aideia de revolução: da luta armada ao fim do exílio. In ROLLEMBERG, Denise. Que história é essa? Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994; e AARÃO REIS, Daniel. A revolução faltou ao encontro. São Paulo: Brasiliense, 1990.

6 Em relação às representações sobre Iara Iavelberg do ponto de vista dos agentes da repressão e da imprensa, ver a dissertação de Julia Bianchi Reis Insuela. A autora destaca a repetida referência à condição de “amante” de Lamarca, que significaria uma dupla transgressão – a que se refere ao seu abandono dos papéis femininos tradicionalmente aceitos e a de amante, visto que era fato conhecido que Lamarca era casado com Maria Pavan, que estava vivendo em Cuba. In INSUELA, Julia Bianchi Reis. Visões das mulheres militantes na luta armada: repressão, imprensa e (auto) biografias, 2011.

7 Iara Iavelberg foi assassinada em 20 de agosto de 1971 e Carlos Lamarca em 17 de setembro de 1971.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Carolina Dellamore et Juliana Ventura de Souza Fernandes, « Representações do feminino no cinema e na memória da resistência armada à ditadura militar brasileira », L'Ordinaire des Amériques [En ligne], 222 | 2017, mis en ligne le 13 juillet 2017, consulté le 23 août 2017. URL : http://orda.revues.org/3464

Haut de page

Auteurs

Carolina Dellamore

Universidade Federal de Minas Gerais
carolinadellamore@gmail.com

Juliana Ventura de Souza Fernandes

Universidade Federal de Minas Gerais
julianavsf@yahoo.com.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
L’Ordinaire des Amériques est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IPEAT
  • Logo Université Toulouse-Jean Jaurès
  • Logo Université de Toulouse
  • Logo Latindex
  • Revues.org