Navigation – Plan du site
• Les femmes entre les rôles traditionnels et les trajectoires du militantisme

Memórias familiares sobre as dinâmicas de socialização e apoio materno às trajetórias de militância política contra a ditadura militar no Brasil

Mémoires de famille sur la dynamique de socialisation et d’aide maternel à des trajectoires d’activisme politique contre la dictature militaire au Brésil
Family memories on the socialization dynamics and maternal support for the political militancy trajectories against the military dictatorship in Brazil
Flaviane da Costa Oliveira, Jaíza Pollyanna Dias da Cruz Rocha, Janaína Campos de Freitas Breugelmans, Ingrid Faria Gianordoli-Nascimento et Fatima Maria Leite Cruz

Résumés

L’étude visait à comprendre la dynamique de la socialisation et de l’aide maternelle pendant la trajectoire des militants politiques qui se sont opposés au régime militaire au Brésil (1964-1985). Par conséquent, il y avait dix-neuf entrevues semi-structurées avec des membres de la famille de militants et activistes opposants au régime. De l’analyse du contenu, il a été construit deux catégories thématiques: 1) La formation morale, politique et idéologique; et 2) Le personnage de soutien. Les souvenirs personnels et communs des répondants ont montré la mère comme un agent essentiel pour la formation politico-morale-idéologique, et plus tard comme le personnage principal à l’appui des trajectoires de militantisme politique. L’influence maternelle fait écho dans les motivations et les actions politiques de la prochaine génération, favorisant de nouvelles possibilités et d’élargir le rôle féminin des places dans l’arène publique. Ainsi, l’enquête de ces expériences a révélé des facettes qui contribuent à la compréhension des rapports de genre dans ses relations avec l’agenda politique, éléments qui modifient les versions qui composent la mémoire historique de la période.

Haut de page

Texte intégral

I/ Introdução

1A ditadura militar no Brasil, instaurada entre os anos de 1964 e 1985, teve como uma de suas marcas a intensa repressão e perseguição aos grupos de esquerda, movimentos sociais e demais segmentos que contestavam a ordem autoritária vigente. Aqueles que se opuseram sofreram amplas formas de violência psicológica e física, em que se destacam as experiências de prisão e tortura. Tais dinâmicas repressivas atingiram não apenas os grupos diretamente envolvidos em ações de protesto, mas também os seus familiares, que tiveram suas vidas invadidas, modificando a participação social dos mesmos e suas práticas sociais cotidianas.

2Ao longo das trajetórias de militância, os familiares formaram verdadeira rede de comunicação e apoio na busca de informações. A participação feminina nos movimentos de denúncia e combate ao regime, bem como, pela garantia dos direitos de parentes presos, mortos ou desaparecidos, promoveu modificações no lugar social da mulher, impactando os cenários públicos e privados, o que ainda repercute no tempo presente.

3Este trabalho busca a compreensão de dinâmicas de socialização e apoio materno na trajetória de militância e resistência de sujeitos que vivenciaram o período, e, neste sentido, amplia sua investigação em relação a grupos que não representaram oposição direta ao regime militar, mas que ainda assim sofreram as sevícias de suas práticas repressivas.

4Assim, buscamos a análise psicossocial de questões vinculadas às relações de gênero, família e identidade em sua interconexão com o campo político na história recente do nosso país. O estudo dessa temática é permeado pela complexa problemática da identidade em situação-limite (de ameaça física e/ou psicológica), vivida por todos os que estavam envolvidos direta e indiretamente com as forças repressivas (Ferreira; Catela; Colling; Carvalho, Padrós).

5Durante esta etapa da história brasileira, não apenas os militantes políticos, mas também, pais, mães, irmãos, companheiros, esposas, filhos e parentes tiveram suas vidas invadidas, perseguidas e violentadas pela repressão, se tornando atores importantes nos movimentos de denúncia e combate às arbitrariedades dos regimes de exceção em toda América Latina. Muitas vezes, os familiares presos, mortos e desaparecidos políticos, assumiram papéis inéditos no campo da política, das relações de gênero na família e da participação nos movimentos sociais.

6Mesmo com a abertura democrática, uma grande parcela dos opositores do regime, por motivos diversos, não pôde assumir e contar suas próprias histórias, o que, segundo Ferreira, mostra que a produção historiográfica e a própria constituição da memória situam-se em um mesmo campo de relações de poder, no qual o discurso oficial e, consequentemente, a “memória oficial” sobrepõe-se a outros discursos e memórias. É possível, então, que um acontecimento ou um período histórico só possam ser mais adequadamente recontados numa rede de discursos parciais, com seus atritos, pontos de contato e independências.

7Dentro desse quadro, alguns autores como Tanno, Padrós, Catela e Coimbra apontam a importância dos depoimentos de familiares e militantes para a análise ampliada da questão da violência e seus desdobramentos durante os períodos ditatoriais. Além de revelarem histórias e dramas individuais e familiares que se entrelaçam e ganham sentido no quadro da repressão militar, trata-se de inscrições subalternas na dinâmica social, e, portanto, revelam aspectos obscuros desta realidade.

II/ Método

8Esta pesquisa focalizou as relações entre mães e militantes, tendo sido realizadas dezenove (19) entrevistas semiestruturadas com militantes do período e familiares de militantes dos estados brasileiros de Minas Gerais, São Paulo, Espírito Santo e Pernambuco, além do Distrito Federal. Após a assinatura de termo de consentimento livre e esclarecido, as entrevistas foram gravadas e armazenadas em formato de áudio, compondo um banco de dados de memória documental oral. O quadro 1 apresenta a caracterização dos entrevistados quanto à condição de militância, parentesco, organização política e tempo de militância.

Quadro 1: Caracterização dos entrevistados

Quadro 1: Caracterização dos entrevistados

9As entrevistas foram submetidas a procedimentos de análise de conteúdo temática (Bardin), quando a partir de sucessivas etapas de leitura e codificação, foi possível agrupar os elementos temáticos em categorias, que serão apresentadas e debatidas na sessão a seguir.

III/ Resultados e Discussão

10As memórias pessoais e comuns reveladas pelos entrevistados nos permitiram construir duas grandes categorias temáticas: 1) Formação moral-político-ideológica; e 2) Figura de apoio. Os resultados são apresentados privilegiando o aspecto cronológico da trajetória de militância dos opositores ao regime militar, e deste modo, a primeira categoria revela a influência materna ainda na infância, em que os processos de socialização são relembrados como substrato que fomentou a participação política de seus filhos. Já a segunda categoria revela nuances do apoio materno e é organizada em torno de duas subcategorias, que enfocam as ações/posturas maternas dos entrevistados: 2.1: A mãe como suporte e mediadora de conflitos dentro da família, 2.2: Impactos da ditadura no contexto familiar e a atuação materna.

11Nesse trabalho, assumimos a abordagem psicossocial da memória (Sá 2007, 2012) como lente de análise para a construção de versões sobre as vivências do período. Acreditamos que as instâncias pessoal, comum ou coletiva surgem como elementos que compõem a memória histórica, e sendo assim, as memórias narradas, e aqui agrupadas em nossas categorias, ainda que sejam apresentadas como relatos pessoais, trazem em alguns casos lembranças comuns em relação a fatos vividos pelos entrevistados, e em alguns casos, até mesmo podem tratar de memórias coletivas na medida em que tratam de narrativas que puderam ser compartilhadas entre os pares.

1/ Formação moral-político-ideológica

12Esta categoria apresenta elementos que na visão dos entrevistados compõem a base dos valores, referências e representações negociadas no âmbito da família, bem como, aspectos da relação de maternagem em que as mães apareceram como influência e inspiração para seus filhos e filhas, que mais tarde se engajariam em trajetórias de protesto, militância e resistência política, diretamente ou em consequência da atuação de um familiar.

13Nessa categoria focamos os aspectos lembrados sobre a trajetória das mães e suas possíveis heranças no posicionamento político de membro da família. Ainda que estas mães não tenham tido, em sua maioria, trajetórias de militância em sua juventude, os relatos apresentam de forma comum, que estas fomentaram a mobilização das gerações posteriores, sendo apreciadas como “figuras de resistência”, ainda que as mesmas vivenciassem o cotidiano de relações de gênero tradicionais, o que as restringiam ao espaço privado.

14Neste trabalho compreendemos como em Rocha-Coutinho, Saffioti e Vaitsman, que gênero é uma construção social acerca do feminino e masculino. Há, porém, certas diferenciações sobre essa categoria, que para Scott, se configura como categoria de análise histórica, devendo estar relacionada ao contexto em que é discutida. Para Saffioti, há uma diferenciação entre gênero e patriarcado, pois essas construções sociais do masculino e feminino não são neutras, assim o patriarcado seria a dominação, exploração e opressão das mulheres, a partir de um modelo de organização em que o homem é hierarquicamente superior, e por essa condição têm privilégios e acessos diferenciados.

15Para Rocha-Coutinho, a compreensão da categoria gênero deve levar em conta os aspectos relacionais envolvidos na dinâmica entre masculino e feminino, na qual existe um jogo de poderes, porquanto “o poder é relacional” (Rocha-Coutinho 18). Assim, a autora ressalta que mesmo havendo uma desigualdade nessa relação, “em seu lugar de subordinação na sociedade, as mulheres sempre articularam... formas de subsistir e resistir a esse poder socialmente reconhecido dos homens na sociedade” (Rocha-Coutinho 19).

16Embora as mães mantivessem uma atuação tradicional quanto ao papel da mulher, a partir das memórias da infância e da descrição de processos de socialização percebemos como as mães de militantes apareceram como influência, inspiração pessoal e referência na construção de valores; sinalizando uma abertura que favoreceu posteriores questionamentos e rupturas com os papéis tradicionais atribuídos e permitidos às mulheres da época. Nos relatos observamos que as mães incentivavam a escolarização de suas filhas concebendo a possibilidade de uma vida que ultrapassava a realidade do casamento, com a aquisição de saberes acadêmicos e culturais, a partir do acesso às obras com críticas a realidade.

17As mães incentivavam a aquisição do capital cultural e político advindo do acesso a este tipo de material, que ainda hoje é pouco explorado por jovens, e o contato com essas e outras leituras e debates políticos em casa e outros espaços, bem como, a inserção em grêmios estudantis – como primeira porta de entrada para muitas mulheres na militância política – teve grande influência na formação sociopolítica dessas mulheres, modificando sua visão de mundo, o que compreendemos como elementos que favoreceram a entrada no mundo da política.

18No relato das memórias pessoais da entrevistada Sílvia, temos um exemplo da influência do núcleo familiar e da figura da mãe. Em sua casa, eram recorrentes discussões que abordavam temas sócio-políticos “papai falava muito de política, da Alemanha, da Segunda Guerra Mundial” (Sílvia, entrevistada), além de receberem visitas de importantes políticos da cidade e seu entorno. A mãe, embora fosse a responsável pelo cuidado dos filhos e da casa “era uma pessoa muito ligada nas coisas, ela se envolvia em política, ela votava, ela discutia” (Sílvia, entrevistada). Sílvia acredita que esse ambiente tenha contribuído para sua formação sócio-política, e para sua compreensão da diversidade do mundo, fortalecendo mais tarde seu desejo de expandir e ir além dos limites colocados. O estudo era também um princípio muito valorizado por sua mãe, embora os irmãos homens não tenham sidos obrigados a estudar, empregando-se em diferentes setores desde muito cedo para manter o sustento da casa e posteriormente de suas próprias famílias. Para Sílvia, porém, o estudo seria a chave para conhecer novos horizontes, “agradeço à mamãe, que sempre defendeu esse meu direito... dava suporte para o meu desejo de estudar” (Sílvia, entrevistada).

19O modelo tradicional de atuação feminina, nos cenários públicos e privados, surge como um modelo a ser rompido, e é a geração das filhas que promove essa ruptura que naquele momento não se apresentava como possível para as mães. Ainda assim, em muitos casos as mães se apresentam como influência “não-tradicional” na socialização, e elas sinalizam valores e atitudes conectados com as mudanças que se ensaiavam no papel da mulher na sociedade:

(…) minha mãe... sempre foi uma pessoa superpolitizada, lia tudo, era muito informada (...) ouvia sempre [escondida] Rádio Albânia e Rádio Havana, de Cuba. (…) Então, eu sempre tive consciência de que esse regime totalitário (…) minha mãe sempre teve a opinião dela, falava o que que achava, o que que não achava e tal. Ouvia discurso no rádio (…) meu pai sempre foi mais alienado (...). quando ela me encontrou depois de um tempão na cadeia, não sabia por onde eu andava e tal, mas não fez cena. ‘Ah, que você não devia ter feito isso’, pelo contrário, falou que se o pai dela tivesse vivo, ficaria super orgulhoso de mim (Rita, entrevistada).

20Conforme o relato, a mãe expressa o orgulho pela militância da filha construindo uma conexão com as realizações de seu próprio pai, que estariam sendo concretizadas pela neta. Essa construção, além de apresentar um caráter protetivo para a identidade do núcleo familiar, fomenta a elaboração de uma memória compartilhada pelos envolvidos.

21As memórias comuns dos participantes revelam que as mães não encabeçavam ações políticas estruturadas contrárias ao regime, mas a postura delas no meio familiar, seja fomentando uma visão de mundo crítica e ampliada, seja no exemplo de participação na vida pública assistencial ou na valorização da educação das filhas como possibilidade de empoderamento, possibilitaram desdobramentos nas ações diretas das próximas gerações de mulheres:

Nem me lembro do meu pai falar qualquer coisa da gente casar, [minha mãe] achava que não era por aí, e o que a gente tinha que ter mesmo era o estudo. Isso ela dizia. E às vezes ele tratava mal ela [...] eu falei: ‘mãe, a senhora tem que ficar casada?’ [...] Ela disse: ‘eu tenho, porque eu não tenho estudo. Mas vocês, não. Vai fazer da vida de vocês o que quiserem, porque não é assim. E eu não vou mudar de... eu não vou me separar, porque se eu me separar, eu só vou mudar de patrão’ (Érika, entrevistada).

22De modo amplo, as participantes revelam que as mães já intuíam o poder libertador que a cultura escolar proporcionaria às mulheres, como possibilidade de reversão do lugar social de subalternidade instrumentalizando a luta pela equidade de gênero. De modo amplo, as memórias pessoais narradas pelos entrevistados apresentam algumas facetas daqueles que podem ser elementos tecidos (Rocha-Coutinho), ainda que de forma incipiente pelas mães, e que puderam ser defendidos ou ampliados pelas gerações seguintes.

23É importante ressaltar, contudo, que nesta investigação, estamos tratando de uma maioria de mulheres de classe média, que podiam ter acesso a diferentes literaturas por meio da associação em clubes da cidade em que havia bibliotecas, além da possibilidade de acervo pessoal/familiar, ou do contato com colegas já universitários, e em seus próprios colégios, particulares ou públicos de capitais. Essas moças foram socializadas com valores tradicionais, mas começaram, a partir dessas influências literárias e de debates no ambiente escolar, a diferenciar-se das moças de sua época; pois habitualmente elas teriam acesso majoritariamente a livros religiosos e a cursos voltados a educação para a convivência no lar e no casamento, quando tivessem a oportunidade de continuar os estudos (Bassanezi).

24As gerações de militantes que se opunham ao regime militar foram socializadas ao longo das décadas de 1940/50, período histórico no qual a militância política significava uma dupla ruptura, em sua insurgência contra o regime e o tensionamento diante do lugar tradicional da mulher (Ferreira). Ainda que a geração de mães de militantes, em sua maioria, não tivesse condições sociopolíticas para romper com a inserção de gênero feminino na vida privada, e, portanto, não integrassem frentes organizadas de ação política e militância, foram uma referência na construção de valores pessoais de seus filhos e filhas, voltados, sobretudo, para elementos sociais que envolviam ações humanitárias e justiça social.

25No que tange aos processos de memória acerca da trajetória pessoal, as mães são consideradas fundamentais para o suporte e/ou apoio instrumental ou afetivo dos jovens militantes, havendo casos em que outros membros da família tinham trajetória na militância. Nas memórias pessoais da entrevistada Suely, sua militância se fez em continuidade à trajetória de militância da família e da própria mãe e, neste ponto, a influência na formação política e ideológica merece destaque, “eu vivi a minha pessoal militância. (…) eu sou minha mãe, eu sou igualzinha minha mãe. (…) eu fisicamente pareço o lado da família do meu pai, mas o caráter meu é da minha mãe” (Sueli, entrevistada).

26Em outros casos como o de Suzana, a mãe ainda é apresentada como uma figura que corresponde aos papéis tradicionais de mãe, mulher e esposa, desempenhando principalmente as funções de cuidado e afeto em relação aos filhos. Ainda assim, notamos que durante a infância, houve elementos em sua socialização que posteriormente contribuíram na construção de seu engajamento político:

Mamãe era uma pessoa que atendia, às vezes, um parto, as pessoas que precisavam de uma injeção ou até mesmo orientar como tratar de um ferimento. Era dona de casa, mas era uma pessoa muito sensível, muito comunicativa, muito prestativa, gostava muito também de ajudar as pessoas. (…) Enfim, então eu acho que isso foi uma coisa, que determinou muito, que me influenciou muito e sensibilizou. (…) esse dinamismo, essa iniciativa, eu herdei muito dela (Suzana, entrevistada).

27Mesmo que as (os) militantes ou familiares não nomeiem que as ações maternas cotidianas representaram formas de questionamento ou ruptura com os papéis tradicionais atribuídos e permitidos às mulheres, nota-se que as ações no âmbito público, mesmo que de caráter assistencialista ou de práticas solidárias foram marcantes para as(os) entrevistadas(os).

28Ainda no universo privado, burlar a autoridade paterna (masculina) constituía-se como prática social de vanguarda. Tais posicionamentos e ações parecem representar sementes embrionárias da mudança em relação ao gênero feminino que favoreceriam o rompimento que se seguiria nas próximas gerações, como vemos no relato:

O homem normalmente era a autoridade na minha vida, porque minha mãe, por mais que ela seja brava, ela nunca foi a autoridade na minha vida. (…) Sempre foi o meu pai. Então o masculino é a autoridade,... então eu sempre tive que trabalhar muito esse outro lado, porque... o masculino é a polícia, o masculino é o que está ali agredindo, é um... e é o lado que me apavora. Então existe um conflito interno muito grande. Muito doido. Muito doido. (...) E a minha gravidez quando... como existe um lado, por exemplo, da minha mãe sempre esconder as coisas, a minha gravidez, no serviço, só ficaram sabendo quando eu tinha cinco meses (Marta, entrevistada).

29De acordo com Biasoli-Alves, o controle e a vigília dos pais ou irmãos sobre as moças estavam ligada a preservação de sua “honra”, ou virgindade, já que era considerada como “frágil” (Biasoli-Alves 236) e influenciável. Assim, deveriam cuidar dos valores da família para que suas irmãs fossem “uma moça… socialmente aceita” (Biasoli-Alves 237), isto é, que seguisse os moldes e os valores tradicionais . Os valores tradicionais ainda estavam ligados ao modelo de família tradicional, dos anos de 1930, 1940, 1950, ainda que em meados dos anos de 1950 começasse a surgir a ideia de uma “família conjugal moderna e patriarcal” (Vaitsman 59) na qual ainda os lugares dos homens e mulheres permaneciam hierarquicamente definidos. Mesmo que se esboçasse uma busca por igualdade a partir dos anos de 1960/1970, havia permanências, isto é, continuidades no seguimento dos valores (Vaitsman; Biasoli-Alves).

30O lugar paterno de autoridade e austeridade encontra-se aparentemente sacralizado e associado ao rigor e à violência, semelhante às demais figuras masculinas representativas de poder na esfera pública e, ao mesmo tempo, o relato da cumplicidade da mulher-mãe com a filha ao esconder uma situação de gravidez, fora dos parâmetros vigentes, restritos à condição do casamento, traz sinais das mudanças de gênero que espreitam as práticas sociais iniciadas no período.

2/ Figura de apoio

31Esta categoria apresenta as lembranças de militantes e familiares de militantes acerca de estratégias de atuação de mães de militantes, como importantes figuras de apoio desde a infância, enquanto mediadoras de conflitos familiares e, posteriormente, fomentando redes de solidariedade e luta em nome de seus filhos, nas situações decorrentes da militância; perpassando toda a trajetória de vida, da infância à fase adulta. Serão apresentadas a seguir as subcategorias temáticas que elucidam a atuação materna nessas situações de apoio.

2.1/ A mãe como suporte e mediadora de conflitos dentro da família

32Segundo os relatos de militantes e familiares, o espaço inicial onde as mães se afirmaram como importantes figuras de apoio foi o próprio âmbito familiar, no qual apesar de ainda estarem presas à concepção de “fragilidade feminina”, começariam a revelar grande força e capacidade de mediar conflitos e tensões. Essa mediação se dava em situações como no enfrentamento entre algum homem da família e as filhas, e a postura materna colaborava para a valorização do posicionamento e resistência feminina nas relações de poder diante do masculino:

Não tem história na minha família de mulher que ficava em casa fazendo tricô. (...) Então o papel da minha mãe era exatamente tentar apaziguar, mas não uma pessoa que fosse uma pessoa fraca. Não era aquela mãe bobinha, só coração. Ela não entrou no conflito [entre eu e meu pai sobre posição política] de propósito, só pra fazer a ponte (Renata, entrevistada).

33A conjuntura social, as relações conjugais tradicionais e a própria socialização feminina vivenciada pelas mães em suas famílias de origem, não possibilitava que as mães de militantes expressassem tão diretamente seus posicionamentos políticos. De forma comum, as lembranças narradas demostram que elas não tinham ações políticas na esfera pública, embora desejassem um futuro diferente aos seus filhos e filhas, demonstrando certa crítica ao que viviam. Deste modo, o próprio silêncio das mães diante de atitudes e escolha de seus filhos, pode ser visto como um suporte, pois favoreceu a continuidade das ações que contrariavam os modelos de atuação tradicionais, muitas vezes impostos no contexto familiar.

34Conforme pontua Rocha-Coutinho, nas relações assimétricas de poder, muitas mulheres usavam da condição feminina para “tecer” seus poderes “por trás dos panos”, como expresso no título de sua obra. O choro, a negação, a afetividade, atributos considerados femininos, para convencer e mediar situações, como no exemplo:

Fui dar o comunicado pro meu pai, que eu ia sumir [com meu namorado], porque se não a Ditadura ia nos pegar (...) Meu pai e minha mãe ficaram horrorizados (…) Aí foi uma longa negociação… acabamos concordando em casar rápido pra sumir. Pro meu pai não morrer, nem o pai dele, nem a mãe dele, nem minha mãe, (risos). Minha mãe só chorava, coitada! Ela intermediava, chorava... o papel dela era sempre esse! A minha mãe ficava assim como uma bola, entre eu e meu pai. Ela ficava no meio, tentando convencer ele a ceder pra mim, tentando me convencer a ceder. E quando a briga tava feia, ela chorava, ela chorava muito. Bem, mas aí nós casamos e tivemos que ir pra clandestinidade de imediato (Mariana, entrevistada).

35Para as (os) participantes da pesquisa as mães também assumiam um posicionamento mediador dos conflitos no âmbito familiar, defendendo as ações das filhas, frente aos pais e a outros parentes, tanto na atuação na militância, quanto na discordância e transgressão às normas de gênero vigentes. Tal mediação poderia se dar de forma mais tradicional, como no relatado por Sônia, “minha mãe... não discutia muito nada não. Ela... sempre a favor dos filhos... não opinava politicamente. Ficava só ouvindo”, ou mais contestadora para aquele período histórico:

Mas a mamãe nunca foi aquela mulher familiar, tradicional, a mulher apagada, a mulher fraca… ela sempre foi muito presente. Nesse conflito ela teve uma sabedoria profunda, ela não me confrontou. (…) Teve um momento que eu não falava com o meu pai, então ela era o elo de ligação. Ela ia e dizia pra ele ‘contenha-se, essa menina é ótima’, e também me dizia ‘seu pai é maravilhoso, te ama...vocês se amam, na verdade. Você tem que entender o que ele ta passando’. No dia que eu saí de casa sem falar com ele, ela fez a minha mala e me levou até a rodoviária, não falou em nenhum momento assim, ‘não vá’, não fez nenhuma chantagem, não chorou (Renata, entrevistada).

36Sônia e Mariana nos apresentam o choro e o silêncio como as ferramentas até então disponíveis e usadas pelas mulheres para se posicionarem no mundo e nas relações conjugais, a favor dos filhos. No caso de Miriam, a mãe apresenta uma dupla postura, pois ora permanece conciliadora no conflito pai e filha, e ora rompe com o papel tradicional de mediação de modo mais contundente e aberto assumindo o enfrentamento, no apoio às ações políticas da filha e as demais práticas sociais que provocaram profundas mudanças em relação ao feminino ao transgredir o modelo de ser mulher daquele período sócio-histórico:

Mamãe era uma mulher muito inteligente, eu tinha um diálogo com ela sempre muito legal, mas ela não conseguia dar conta da pressão dos homens da família sobre as possibilidades de corrupção da mulher (Silvia, entrevistada).

37As transgressões do lugar tradicional feminino não aconteceram – e nos dias atuais ainda não ocorrem – sem ônus sociais, seja de rejeição, ameaça de retirada do afeto (Carson; Bassanezi Pinsky), crítica e culpabilização e da ameaça do insucesso em diversas instâncias da vida (casamento, maternidade, trabalho). A identidade feminina, por ser construída a partir desses pilares, transita entre continuidades e rupturas (Biasoli-Alves), e na dinâmica da socialização há elementos inegociáveis difíceis de serem quebrados, e assim, a manutenção de valores tradicionais permite certa coerência e estabilidade identitária, que conduzem as práticas sociais (Tajfel).

2.2/ Impactos da ditadura no contexto familiar e a atuação materna

38Esta categoria apresenta elementos temáticos relativos à reorganização das dinâmicas familiares e a construção de estratégias e ações de apoio lideradas pelas mães. A partir do envolvimento de um ou mais familiares ou de si mesmo na militância política contra o regime militar, os entrevistados observam várias consequências que foram impostas a toda a família. O cotidiano surge como brutalmente alterado e suas privacidades violadas exigiram uma reconfiguração extraordinária diante da sua realidade. Emergiu como um sentimento comum aos relatos uma memória de medo (Pollak), aliada à ameaça constante e à ausência de privacidade advinda da repressão. Parece-nos, que a família foi instada ao aprendizado de conviver com um novo cenário de perseguição real e/ou sensação conspiratória, em várias formas de expressão, que se estendia a todos os seus membros e, ainda, práticas veladas que lhes eram impostas, através de estratégias que o Estado desenvolvia, no exercício de controle:

A gente vivia preocupada, não podia conversar com qualquer pessoa, nem namorar... qualquer pessoa a gente pensava que era informante... Eu tinha medo, elas também... minhas irmãs ficaram muito recatadas. Um dos meus irmãos chegou a namorar com uma informante, ela teve um filho dele, e depois entregou ele... não tínhamos mais liberdade, você não sabia quem era quem (Patrícia, entrevistada).

39O sentimento de medo e desconfiança emergiu compartilhado pelos membros da família e exemplificado no extrato mencionado. Vemos a dinâmica de pressão que se manteve, inclusive, após a morte do irmão militante. Patrícia anunciou que a família, mesmo experimentando tais sentimentos, participou desse momento político, até mesmo quando os demais membros da família não tinham claramente esta intenção. A repercussão negativa da perda da liberdade ficou evidente, inclusive, na vida afetivo-sexual dos irmãos mais jovens do militante, marcada pela desconfiança nas interações sociais, já que os informantes poderiam estar travestidos de qualquer disfarce.

40Outra faceta da perda da liberdade emergiu, vivida com intenso sofrimento, quando os participantes relataram ameaças, tentativas de suborno e perseguição, como se apreendeu da fala de Patrícia:

aconteceram umas coisas esquisitas... ofereceram benefícios, dinheiro... ofereceram ao meu pai uma boa pensão para ir para outro país com a gente... ele ficava incrédulo. Queriam que assinasse um documento contra Dom Hélder. Mas minha mãe não ia se vender.

41Conforme Catela, nas situações-limite como a morte em detrimento da perseguição política dos opositores à ditadura, as famílias tornam-se marcadas por memórias do medo e terror (Pollak), passando por pressões, ameaças, tentativas de suborno e acordos, mesmo após a morte do militante. A dimensão ampliada da dor que esta pressão psicológica provocou, apareceu por uma parte, no sofrimento pela perda do membro da família e, por outra parte, na dor da perda do sentimento de família e sua identidade, pois por autoproteção o grupo familiar teve a sua estrutura e dinâmica interna substancialmente alterada e fragmentada na tentativa de garantir integridade física dos demais membros:

[os militares diziam a minha mãe]‘seu filho morreu porque era teimoso, poderia estar vivo... seus filhos não seriam perseguidos’. [Durante a ditadura] ficou tudo espalhado pelo Rio de Janeiro, São Paulo, Portugal… um ainda mora lá, diz que não volta mais. Um foi ficar com um tio meu, pra ficar mais seguro; outro ficou com uns amigos e um padre. A família separada, um irmão em cada canto para se proteger (Patrícia, entrevistada).

42No caso acima, trata-se de uma família que passou por perseguições sistemáticas devido à atuação política e de militância de um de seus membros, pois o aparato repressivo ditatorial atingiu não apenas a seus opositores diretos (Catela). As pressões recebidas pela família promoveram a construção de laços de solidariedade (Souza) mais ampliados, que se fizeram substanciais para a integridade física e psicológica dos militantes e familiares ao longo de suas trajetórias. Assim, notamos a ressignificação do núcleo familiar que é estendido para a rede mais ampla de tios, amigos, Igreja, companheiros de militância e apoiadores da oposição ao regime.

43Em consonância com esse quadro de violência, as famílias com mais de um membro militante, passaram por uma pulverização do núcleo familiar, fragmentando as relações, e levando a buscas individuais por segurança e sobrevivência, pois para esses era impossível uma saída conjunta enquanto grupo familiar. Essa é a trajetória de Suely, uma militante, companheira afetiva, filha e irmã de militantes políticos:

[Na ocasião de minha soltura da prisão] eu não tinha para onde ir, eu não tinha contato com a família, eu não tinha contato com ninguém. A minha mãe estava presa, a minha irmã estava desaparecida, a família do meu pai estava no Nordeste, eu não tinha contato com eles, meu irmão tinha morrido [devido a repressão], meu pai estava no exílio, eu não tinha ninguém! (Suely, entrevistada).

44A dispersão do grupo familiar revelara como, de modo involuntário, estes sujeitos sofreram rupturas no pertencimento grupal com “a família separada”. Tal ameaça constante promoveu em alguns casos a tentativa consistente de a família manter-se unida ainda que convivendo com dificuldades de subsistência, como destacado por Sofia em relação a criação dos filhos durante a clandestinidade:

[Minha mãe] foi pra clandestinidade junto. Ela ‘camelou’ junto. (...) Eles viviam lá na Baixada Fluminense, no Rio, num lugar pobre, vivia meu pai, era ambulante, e minha mãe. Meu pai vendia pastel, minha mãe vendia os pastéis. Era disso que eles viviam. E aí eu fui morar lá com as crianças, então eu dividia a tarefa da minha mãe, eu assumia uma parte, ela dividia comigo, o cuidado das crianças (Sofia, entrevistada).

45Durante a prisão o contato entre mães e militantes foi muito importante fator que impediu que as(os) militantes sucumbissem diante das sevicias enfrentadas:

Teve um momento muito emocionante... minha mãe foi me visitar na prisão, teve um momento que minha mãe conseguiu entrar, ela e minha irmã. E eu levei minha irmã pro canto e minha irmã falou: ‘você quer que eu conte pra eles que você tá grávida?’. Eu falei: ‘não, sou eu que tenho que contar’. Estar grávida significava ter rompido (…) Era a última coisa. A última coisa. O golpe final (Renata, entrevistada).

[Na prisão] os caras deixaram mamãe entrar (...) eles achavam que mamãe era muito boba, porque mamãe fazia papel de besta (…) Ela perguntava umas coisas assim nada a ver (...) eu ficava na dúvida até que ponto era encenação dela ou se era aquilo mesmo, né. Eu só sei que nessa de ‘ah, não sei o que, tá tudo bem com você e tal, você precisa engordar mais, como é que você tá comendo?’, aquelas coisas assim, ela passou e enfiou assim um radiozinho no meu bolso (Sônia, entrevistada).

46Notamos nos relatos narrados como a história de vida dessas mulheres que lutaram por seus ideais, foi atingida em suas experiências pessoais. Em meio ao cenário de prisão o contato com as mães e familiares permitia alguns lampejos de esperança, seja no anúncio de uma gravidez, seja em pequenos gestos como a entrega de um “radiozinho de pilha” pela mãe, que passa a representar uma nova motivação para prosseguir.

47Em meio à atuação política de seus filhos, as mães contribuíram na formação e manutenção de uma rede de comunicação com o mundo externo às prisões ou como ponte para reivindicações de bens materiais proibidos; na luta em busca de informações sobre a morte ou desaparecimento de seus filhos; ou como suporte nos momentos ou situações de clandestinidade.

48Estas mulheres-mães se tornaram importantes atores nos movimentos de denúncia e combate às arbitrariedades do regime de exceção. Algumas posturas das mães de distintas regiões do país revelaram sintonia em relação às mudanças das mulheres-mães, como se vê nas falas adiante:

Depois que os filhos foram presos, aí ela virou uma leoa, mas até lá ela não confrontava com papai (…) A mamãe se engajou completamente (...) juntava uma Kombi ali com as mães dos presos [...] visitava Dom Serafim (...) e dava alguma guarita contra os militares. (…) chegou a ir pra Brasília e enfrentar os generais (Mário, entrevistado).

49As mães de militantes assumiram e inauguraram uma atuação no âmbito público e político, alternando os comportamentos tradicionais de obediência, servidão às leis masculinas, práticas de funções domésticas, com momentos em que assumiram uma postura de resistência na busca e luta por seus filhos, inclusive se esforçando para conquistar a qualificação profissional que as habilitassem para defendê-los, perante a lei.

50Elas apareciam como figura que protege seus herdeiros, desde a cumplicidade ao acobertar ações até o enfrentamento direto dos militares na busca de direitos. A fala de Rosane apresenta dois momentos distintos em que mãe atua de maneira a protegê-la, barrando a coação masculina característica da atuação do Estado repressivo:

Eu peguei um livro da UFES que não era nada subversivo. [os militares] quase que pegaram os livros à força lá em casa. Eles só não entraram na minha casa porque mamãe foi muito ‘macha’ e não deixou. [Quando fiquei presa, os militares] olhando mamãe com aquela cara assim, acharam que não ia... Ela foi mesmo, meteu a cara, não tem esse negócio. Resolveu, né. Aí chegou lá [na prisão] correndo (Rosane, entrevistada).

51A imagem feminina de docilidade, naturalmente voltada ao âmbito privado e aos afazeres domésticos, foi sendo reconstruída no espaço público. Aos poucos surgiu a nova imagem de força e garra da “leoa”, a mulher-mãe que buscava e lutava por seus filhos, seja na busca por informações do paradeiro dos desaparecidos, seja por direitos dos presos, nas várias instâncias de poder:

As famílias viveram esse inferno. A gente sumia, eles não sabiam se a gente tava vivo ou morto (...) Na minha casa eram três clandestinos, três presos. Então aquela situação das famílias era muito barra pesada! Minha mãe ficava correndo por esse Brasil à fora, correndo atrás de general, coronel, bispo, de deputado, o que fosse... pra descobrir onde a gente tava, pra brigar com os generais, junto com as mães. Papai não. Papai ficava em casa... Papai nunca teve coragem de ir [às prisões, julgamentos]... ele não aguentava! Ele comprou uma arma e disse que ia matar esses caras que tavam me torturando. A reação dele era essa: matar os caras que tavam me torturando. Mas ele não tinha condições de ir lá e se submeter à revista dos militares, a própria, ver a gente vigiado pelos militares... ele não tinha... ele não aguentava isso não! (Mariana, entrevistada)

52A saída das mães para a busca e luta por seus filhos parece indicar a manutenção do papel feminino quanto ao cuidado, proteção e garantia de um futuro positivo para os(as) filhos(as). Por outro lado, observa-se um tensionamento em relação ao papel dos pais de militantes políticos, que apesar de terem legitimidade social para liderar a busca por seus filhos(as), se sentiram impotentes diante do poder do aparato repressivo do Estado. Em relação aos homens-pais, esta ruptura com as tradições familiares repercutiu provocando-lhes adoecimento pelo silenciamento da dor vivida. Eles foram reprimidos pelas hierarquias de gênero e pela expectativa de uma masculinidade hegemônica (Trindade e Nascimento) que representava um obstáculo na expressão de seus sentimentos, como visto no fragmento de Patrícia:

Pai é que mudou totalmente. Ele era muito unido com minha mãe e ficou só preocupação. Não pensava noutra coisa. Teve úlcera e não contou a ninguém, sofreu calado. Um dia ele começou a vomitar sangue, se internou e morreu.

53Para Sarti, o sentido da hierarquia patriarcal foi sendo invertida e questionada à autoridade e a divisão dos papéis sociais na família. Embora as mães nesse contexto tenham surgido como “leoas”, protagonistas na luta pelos filhos militantes, esse lugar, ainda remete a certa manutenção e tradição frente ao papel esperado para a mulher mãe, de cuidado, preservação e garantia do futuro dos filhos (Scavone). E por isso, mesmo com essas mudanças as mães delegaram para outras mulheres, geralmente para as filhas mais velhas, o lugar e a função materna de proteger e cuidar dos demais irmãos e da casa:

Após 64, a sensação e o registro que eu tive há um tempo é que eu deixei de ser criança, [tinha 9 anos] passei a ser adulta de uma hora pra outra, e com isso a necessidade de tomar conta de vários dos meninos [meus irmãos], então eu assumi um lado que eu até passei a ser chamada de mãe segunda. Porque foi tanta agressão, a necessidade de proteger a família foi muito grande (Marta, entrevistada).

54Compreendemos na contundência das falas das entrevistadas que nas famílias cujos filhos haviam sido perseguidos, presos e mortos pela ditadura militar foram construídas novas dinâmicas cotidianas. O cuidado das mães biológicas e as funções de maternagem foram sendo substituídas ou assumidas pelas filhas mais velhas, ocasionando mudanças viscerais na qualidade de vida das famílias.

55Em algumas famílias observou-se uma reestruturação na dinâmica familiar, principalmente, quando as mães assumiram a busca por informações dos filhos (as) presos ou desaparecidos. Neste caso, houve inversão dos lugares parentais públicos e privados, pois as mães puderam ocupar o ocupar o espaço público de forma diferenciada, ainda que esta atuação corrobore com a manutenção do papel socialmente esperado de mãe, enquanto cuidadora e zeladora de seus filhos.

56Durante o período de militância, os familiares destes jovens sofreram com a invasão dos espaços privados, tendo suas vidas brutalmente invadidas. Mesmo após as prisões tais invasões não cessavam. Foram precisos inúmeros rearranjos para que os núcleos familiares não se vissem pulverizados. A continuidade na busca de informações sobre militantes desaparecidos e mortos tem levado, ainda hoje, à manutenção de espaços de construção de memória, favorecendo a revelação de aspectos antes silenciados.

IV/ Apontamentos Finais

  • 1 Movimento de mães formado durante a década de 1970 na Argentina, com o intuito de reivindicar o par (...)

57Nas memórias sobre as mães de militantes do conjunto de entrevistados estas são apresentadas como figuras essenciais para o contexto político da época, ainda que não tenham ganhado a mesma visibilidade social como em outros contextos de regimes de exceção, tal qual no caso das Madres da Plaza de Mayo1. Como elucida Mariana:

fala-se muito das mães da Praça de Maio, lá na Argentina. Eu acho que se falou muito pouco das mães do Brasil, sabe? Porque as mães aqui faziam manifestação, passeata, enfrentavam general. Ameaça de prisão sobre elas.

58Tal invisibilização da atuação das mães brasileiras parece ser explicada, ao menos em parte, pelo conjunto dos dados desta pesquisa, que revelou formas discretas desta atuação feminina que aos poucos parecem ter possibilitado a construção de uma base para as práticas sociais das gerações posteriores. Ainda que muitas delas não tenham se engajado de forma direta nas ações de protesto ao longo do período, a atuação das mesmas também merece ser inscrita no conjunto de fatores que promoveram a derrubada do regime autoritário no Brasil, pois ainda hoje suas marcas estão presentes no conjunto das organizações de direitos humanos em nosso país. Essas mulheres promoveram a atuação (seja própria ou de suas herdeiras) em lugares públicos ainda desconhecidos, possibilitando o crescimento do espaço e visibilidade da atuação feminina.

59Ainda que este estudo não abranja todas as formas de atuação de mães ao longo da ditadura militar no Brasil, ele se soma ao conjunto de trabalhos voltado para a compreensão das práticas sociais de grupos que não encabeçaram ações de oposição direta ao regime, mas que sofreram em seu cotidiano com a repressão do Estado.

60Por fim, compreender as relações de gênero, nesse contexto de transformações, torna-se também uma contribuição para o campo de estudos entorno dos aspectos psicossociais da memória histórica do período, uma vez que mesmo que a atuação das mães não se configure como uma ruptura completa (Biasoli-Alves) frente aos padrões de atuação tradicionalmente esperado delas, essas encontraram formas alternativas de tecer (Rocha-Coutinho) a resistência.

Haut de page

Bibliographie

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, LDA, 2009.

BASSANEZI, Carla. Mulheres dos Anos Dourados. In PRIORI, Mary Del. (ed.). História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2004.

BASSANEZI PINSKY, Carla. A era dos modelos flexíveis. In BASSANEZI PINSKY, Carla e Joana Maria PEDRO (ed.). Nova História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012.

BIASOLI-ALVES, Zelia Maria Mendes. Continuidades e Rupturas no papel da mulher brasileira no século XX. Psicologia: Teoria e Pesquisa. 2000, nº 16, 233-239.

BORLAND, Elizabeth. Las Madres de La Plaza de Mayo en la era neoliberal – ampliando objetivos para unir el pasado, el presente y el futuro. Rev. Colombia Internacional, 2006, nº 63, 128-147.

CARSON, Alejandro Cervantes. Entrelaçando consensos: reflexões sobre a dimensão social da identidade de gênero da mulher. Cadernos Pagu, 1995, s/n, 187-218.

CARVALHO, Luís Maklouf. Mulheres que foram a luta armada. São Paulo: Globo, 1998.

CATELA, Ludmila Silva. Situação limite e memória: a reconstrução do mundo dos familiares de desaparecidos da Argentina. São Paulo: Hucitec, 2001.

COIMBRA, Cecília Maria Bouças. Gênero, Militância, Tortura. In MOURÃO, Jane Calhau (ed.). Clínica e política 2: subjetividade, direitos humanos e invenção de práticas clínicas. Rio de Janeiro: Abaquar: Grupo Tortura Nunca Mais, 2009.

COLLING, Ana Maria. A resistência da mulher à ditadura militar no Brasil. Rio de Janeiro: Record, 1997.

FERREIRA, Elizabeth F. Xavier. Mulheres, militância e memória. Rio de janeiro: Editora FGV, 1996.

PADRÓS, Enrique Serra. A política de desaparecimento como modalidade repressiva das ditaduras de segurança nacional. Revista Tempos Históricos. 2007, nº 10, 105-127.

POLLAK, Maurice. Memória, esquecimento e silêncio. Estudos Históricos. 1989, nº 2, 3-15.

ROCHA-COUTINHO, Maria Lúcia. Tecendo por trás dos panos: a mulher brasileira nas relações familiares. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

SÁ, Celso Pereira. Sobre o campo de estudo da memória social: uma perspectiva psicossocial. Psicologia Reflexão e Crítica [on-line]. 2007, nº 20, 290-295. [Acesso em 10.09.2016]. ISSN : 1678-7153. ‹http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722007000200015›.

SÁ, Celso Pereira. A memória histórica numa perspectiva psicossocial. Revista Eletrônica em Ciências Humanas [on-line]. 2012, nº 14, 94-103. [Acesso em 28.09.2016]. ISSN : 11676-2924. ‹http://www4.unirio.br/morpheusonline/numero14-2012/artigos/celso_pt.pdf›.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado e violência. (Coleção Brasil Urgente). São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

SARTI, Cynthia Andersen. O feminismo brasileiro desde os anos 1970: revisitando uma trajetória. Estudos Feministas. Estudos Feministas. 2004, nº 2, 35-50. [Acesso em 18.09.2016]. ISSN: 0104-026X. ‹https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2004000200003/7860›.

SCAVONE, Lucila. Dar a vida e cuidar da vida: feminismo e ciências sociais. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Revista Educação & Realidade. 1995, nº 20, 71-99.

SOUZA, Lídio. Processos de categorização e identidade: solidariedade, exclusão e violência. In SOUZA, Lídio e Zeidi Araújo TRINDADE (ed.). Violência e exclusão: convivendo com paradoxos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

TAJFEL, Henri. Grupos humanos e categorias sociais. Lisboa: Livros Horizonte, 1983.

TANNO, Janete Leiko. Cartas de presos políticos e seus familiares: violência e atuação feminina no governo Vargas 1930-1945. Patrimônio e História, 2005, nº 1, 1-11.

TRINDADE, Zeidi Araujo & Adriano Roberto Afonso NASCIMENTO. O homossexual e a homofobia na construção da masculinidade hegemônica. In SOUZA, Lídio & Zeidi Araújo TRINDADE (ed.). Violência e exclusão: convivendo com paradoxos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

VAITSMAN, Jeni. Flexíveis e Plurais: identidade, casamento e família em circunstâncias pós-modernas. Rio de janeiro: Rocco, 1994.

Haut de page

Notes

1 Movimento de mães formado durante a década de 1970 na Argentina, com o intuito de reivindicar o paradeiro de seus filhos desaparecidos políticos. Segundo Borland (2006) trata-se do movimento feminino em prol dos direitos humanos, mais estudado em toda a América Latina nos últimos trinta anos.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Quadro 1: Caracterização dos entrevistados
URL http://orda.revues.org/docannexe/image/3501/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 121k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Flaviane da Costa Oliveira, Jaíza Pollyanna Dias da Cruz Rocha, Janaína Campos de Freitas Breugelmans, Ingrid Faria Gianordoli-Nascimento et Fatima Maria Leite Cruz, « Memórias familiares sobre as dinâmicas de socialização e apoio materno às trajetórias de militância política contra a ditadura militar no Brasil », L'Ordinaire des Amériques [En ligne], 222 | 2017, mis en ligne le 13 juillet 2017, consulté le 26 juillet 2017. URL : http://orda.revues.org/3501

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
L’Ordinaire des Amériques est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IPEAT
  • Logo Université Toulouse-Jean Jaurès
  • Logo Université de Toulouse
  • Logo Latindex
  • Revues.org