Navigation – Plan du site
• Les femmes entre les rôles traditionnels et les trajectoires du militantisme

A militância pelo afeto: táticas femininas para enganar perpetradores durante a ditadura civil-militar brasileira (1964-1984)

La militance par l’affection : tactiques féminines pour tromper les tortionnaires pendant la dictature civil-militaire au Brésil (1964-1984)
The political activism by the affection: feminine tactics to deceive perpetrators during the Brazilian civil-military dictatorship (1964-1984)
La militancia por el afecto: tácticas femeninas para engañar perpetradores durante la dictadura civil-militar brasileña (1964-1984)
Marta Gouveia de Oliveira Rovai

Résumés

Cet article traitera du sujet de la militance des femmes dans la ville d’Osasco pendant la dictature civil-militaire au Brésil. Entre les années 2009 et 2012, ont été interviewées femmes qui ont affronté le régime en vigueur, soit en faisant directement partie de la guérilla soit dans l’espace domestique. Les femmes d’abord sans aucune participation dans le mouvement étudiant, dans les syndicats ou dans la guérilla, ont raconté comment la prison de leurs proches a modifié leurs vies et leur espace domestique. Motivées par l’affection, par la volonté de défendre les vies de leurs amis et parents, emprisonnés et torturés, elles ont développé des moyens innovateurs pour atteindre leurs objectifs : défendre leurs maisons, cacher les outils de guerilla et preuves, rendre visite aux prisonniers et les aider à communiquer avec leurs familles. Ils ont agi aussi dans la lutte pour l’amnistie. Poussées par la passion ils ont montré que la militance peut être subversive de plusieurs façons, notamment en utilisant des stigmates autour des représentations féminines pour créer des pratiques de résistance.

Haut de page

Texte intégral

I/ Apresentação

1O livro “Gênero, feminismos e ditaduras no Cone Sul”, organizado por Joana Maria Pedro e Cristina Scheibe Wolff, em 2011, conseguiu reunir inúmeros trabalhos em torno de narrativas femininas sobre experiências de resistência às ditaduras existentes na América Latina, entre os anos 1960 e 1980. Por meio de pesquisas realizadas também por mulheres, em sua maioria, pode-se ter acesso a testemunhos femininos sobre a militância em grupos de resistência contra os governos autoritários, tenham sido eles armados ou em movimentos sociais como o feminismo. Trabalhos como este apresentam importância fundamental para se compreender a dinâmica e tensões, no campo do público e do privado, em meio à luta contra a repressão e a imensa barbárie que marcou tempos de silenciamentos diversos. Colaboram para responder a questões que colocam em dúvida a necessidade de se conhecer as experiências de gênero dentro do processo histórico, aparentemente conhecido e já registrado pelos homens.

2O que se altera quando passamos a conhecer, entender e reconhecer as memórias femininas sobre sua participação nos movimentos estudantil e operário, ou na luta armada? O que podem nos revelar os testemunhos de mulheres para além do que militantes masculinos já disseram sobre suas ideias políticas, organizações e ações?

3Se narrativas daqueles que combateram a ditadura revelam-se como “memórias subterrâneas” – para usar o termo de Michael Pollak (4) – contra a opressão política ou social promovida, os relatos femininos apresentados e analisados na obra de Pedro e Wolff desvelam que novos rios submersos correm continuamente sob cada camada de memórias: vozes femininas pedem por ouvidos, querem tomar a palavra para contar sobre suas experiências e denunciar outras formas de silenciamento, não apenas de caráter político. As relações de gênero e sua constituição cultural dão novas dimensões aos mesmos fatos já contados ou trazem novos eventos, moldados por outros sentimentos, expectativas, medos e ousadias. Também falam de velhas e novas relações de poder que se desenvolveram em instituições públicas e privadas, mas tornadas invisíveis, “acalmadas” e contidas pelo jogo de memórias e esquecimentos.

4As narrativas das mulheres dissolvem categorias homogêneas de grupos e lutas, tratadas há até pouco tempo no adjetivo masculino, como sinônimo redutor de todas as ações, todos os desejos ligados, muitas vezes, a partidos, à Academia, a grupos institucional ou ilegalmente organizados politicamente para resistir e apresentados, portanto, como legítimos para apresentar versões e contar a história. Esse substantivo masculino, Homem, começa a ser questionado por narrativas femininas, demonstrando que sob as epopeias e as “memórias enquadradas” (Pollak 9) em relatos e registros consensuais existem desvios, dissensos, interpretações e críticas.

5Cada vez mais no Brasil desenvolvem-se trabalhos com o compromisso de oferecer a escuta atenta – jamais “dar voz”, pois esta pertence aos sujeitos que contam e é a sua força – aos testemunhos de mulheres que se dispõem a apresentar suas versões, não com sentido lacunar, de “tapar os buracos” das histórias já registradas pelos perpetradores que agiram nos governos autoritários ou por seus companheiros de combate. Mais do que isso, são registros e publicização de experiências que dão a conhecer a complexidade de conflitos; formas diferenciadas de se impactar a sociedade a partir do medo e da dor; de afetar as relações humanas nos espaços públicos e privados também a partir do gênero; maneiras de resistir, de criar redes de solidariedade, de reinventar-se, de superar traumas.

  • 1 Para longe da vitimização das mulheres ou de sua submissão ao mundo dos homens, pesquisas desenvolv (...)
  • 2 Neste trabalho, utiliza-se o conceito de ditadura civil-militar, levando em conta que o regime cont (...)

6Pesquisas que valorizam histórias orais de vida femininas colaboram, ainda, para desmistificar a representação da categoria monolítica Mulher1. As diferentes memórias manifestam as inúmeras subjetividades e vivências, desde aquelas de grupos que apoiaram o golpe civil-militar2 de 1964 e suas intervenções e discursos até a diversidade de convivência íntima ou pública em agrupamentos armados, religiosos, sindicais e estudantis.

7Ainda, quando avançam no apontamento da presença feminina como líderes e militantes ao lado de homens na luta contra o autoritarismo, novas camadas de “memórias subterrâneas” exigem vir à tona e dialogar em tempos de transição democrática. Mulheres ainda mais silenciadas (porém não silenciosas) agiram por outros meios, menos visíveis e institucionais, menos organizados, mas de forma alguma com menor importância no embate contra a violação aos direitos humanos, em especial à vida de seus entes queridos. Joana Maria Pedro fala dos “grupos de consciência, chamados em alguns países como grupos de reflexão” (Pedro e Wolff 134), formados e muitas vezes liderados por donas de casa em suas moradias, em cafés, em espaços ce­didos pela Igreja Católica, longe do que se conhece como “militância ideológica” e, portanto, pouco ainda dado a conhecer.

  • 3 Foram realizadas 11 entrevistas, mas devido ao espaço limitado para contar todas as histórias, fora (...)

8Este artigo pretende oferecer contribuição, nesse sentido, apresentando as memórias de mulheres da cidade de Osasco/SP, que não chegaram a pegar em armas nem a participar de organizações de caráter estudantil, sindical ou intelectual para enfrentar a ditadura civil-militar no Brasil, durante os anos de 1964 e 1984. Por fazerem parte de “grupos de consciência” espontâneos, não sistematizados nem enquadrados por crenças políticas, elas desenvolveram modos de militância fora dos padrões e de critérios de valoração, inclusive pela esquerda que atuou em oposição ao regime. Intenta-se abrir espaço para que as memórias e histórias de mulheres brasileiras, que lutaram fora dos padrões de militância política, sejam conhecidas3.

  • 4 Os nomes aqui citados são reais. Todas as entrevistadas, na época, deram consentimento para a entre (...)

9Sandra e Amira Ibrahin (sobrinha e irmã do operário e guerrilheiro da Vanguarda Popular Revolucionária/VPR, respectivamente); Sônia Miranda e Iracema dos Santos (a primeira esposa do sindicalista e guerrilheiro Joaquim Miranda; a segunda irmã dos militantes armados Roque Aparecido e João Domingues, este último assassinado sob tortura aos 18 anos)4. Sem pegar em armas e sem participarem de movimentos mais organizados como o estudantil ou sindical, elas constituíram outras formas de militância, não marcada por orientações ideológicas, de cunho marxista, maoísta ou debraísta, mas pela força do afeto.

II/ 1968 - as experiências femininas sob uma cidade sitiada

10As experiências vivenciadas por mulheres de Osasco, no estado de São Paulo, durante os vinte anos do regime civil-militar (1964-84), até período recente, pouco ou nada haviam merecido da atenção da Academia ou mesmo dos homens com quem dividiram as angústias e os medos da censura, da prisão, do exílio e do desaparecimento. Antigo bairro de periferia da cidade de São Paulo, de origem operária, Osasco conquistou o estatuto de cidade em 1962. Neste mesmo período surgiram os primeiros sindicatos e as primeiras comissões de fábrica sob forte influência das ideias e ações do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), ligadas à proposta de conciliação e de defesa dos pobres preconizada pelo Concílio Vaticano II (1961-65). Com o golpe civil-militar no Brasil, em 1964, os trabalhadores sofreram com a intervenção nos sindicatos e prisões, sem perderem sua capacidade de resistência, o que se configurou na criação da Frente Nacional do Trabalho (FNT) e na organização de uma greve que, iniciada em Osasco em julho de 1968, se espalharia por várias fábricas.

  • 5 Destaque para o trabalho de Ari Marcelo Couto, que tratou de narrativas dos operários osasquenses s (...)

11Narrada pelos trabalhadores, a partir do período de transição democrática no final dos anos de 1980, a memória da greve de 1968 e a repressão que se abateu sobre ela foi registrada por vários trabalhos que trataram de valorizar a luta heroica contra o regime que afetou a vida dos que se envolveram no movimento sindical e, depois, ingressaram na luta armada5. Justiça do registro de confronto e persistência ao regime opressor. Porém, discurso enquadrado, como exclusivamente masculino. Discurso em que estavam ausentes as mulheres, mesmo as operárias.

12Coadjuvante. Conformada. Ignorante. Sem nenhuma história para contar. Assim se definiu de início, a maioria das entrevistadas quando pedi que contassem as suas histórias relacionadas à greve de 1968 e suas implicações. Até a realização de nossas conversas, entre 2005 e 2012, nenhuma delas havia contado a sua história, creditando aos homens a luta heroica contra a ditadura brasileira. No entanto, seus relatos revelaram ações resilientes, individuais ou coletivas, que foram fundamentais para a defesa de suas famílias e das próprias instituições políticas. Nascidas na zona rural, filhas de famílias patriarcais, migrantes, privadas do estudo, donas de casa que se casaram muito jovens, elas acostumaram-se a ver seus maridos e parentes reunindo-se com sindicalistas e intelectuais na cozinha de suas próprias casas, sem entenderem muito bem o que acontecia no país.

13Apartadas do debate político, muitas só entenderam o impacto da greve quando assistiram aos tanques brucutus invadirem a cidade, no dia 17 de julho, para reprimirem os trabalhadores, e quando tiveram suas casas invadidas, saqueadas pelas forças militares. Algumas chegaram a ser agredidas, junto com a família, e chegaram, inclusive, a ser presas como “suporte dos comunistas”. O espanto diante da brutalidade e do desaparecimento repentino de seus companheiros – presos ou fugitivos – proporcionou a elas novas perspectivas sobre o mundo, uma descoberta que lhes colocou em posição de atenção, transformando-as em militantes.

14Se, como afirmou Michelle Perrot, muitas vezes as mulheres ficaram restritas ao espaço doméstico e foram narradas no processo histórico como “coroadoras” do heroísmo masculino, silenciadas como sujeitos, é verdade também, como ela afirmou, que esta separação entre privado e público nunca existiu de fato. As memórias das osasquenses revelaram que os efeitos da repressão, o abandono, a solidão, a prisão e ameaça à sua família rapidamente as colocaram em prontidão: se até ali os homens estavam à frente e elas observavam suas ações, com a violência que se abateu sobre todos, elas passaram a agir mais abertamente, inventando maneiras de defender a si e à sua família. Os relatos femininos reorganizaram o discurso sobre a greve, mostrando que mesmo numa história quase exclusivamente dos homens, houve espaço para a atuação das mulheres. Mais ainda: que a afetividade pode ter peso histórico e serviu para politizar a esfera doméstica e articular ações transformadoras nos espaços públicos.

15Importante ressaltar que o que suas narrativas apresentam em comum é o aspecto de que as ações femininas não romperam claramente com o código de conduta social que as colocava no papel de mães, cuidadoras, apolíticas. Ana Maria Colling demonstrou como o regime autoritário criou o conceito de “mulher subversiva” para se referir às guerrilheiras. Sua entrada no espaço político e a ousadia de pegarem em armas rompiam com o imaginário conservador de mulheres recatadas. Ao contrário dessas ultimas, as entrevistadas demonstraram outra coragem, táticas nascidas justamente da condição de aparente submissão imputada a elas pelos homens, exercendo aquilo que se esperava delas, justamente para enganar os algozes que ameaçavam seus companheiros e a família. De sua aparente fragilidade feminina retiraram a força para “jogar” com os agressores do regime, duplamente empoderados por sua condição política e de gênero. Mais do que preencher espaços vazios nas histórias masculinas, essas mulheres revelaram como sentimentos de medo e afeto as impulsionou para os espaços dos sindicatos, delegacias e prisões assim como trouxeram para o âmbito do privado as questões políticas.

  • 6 O AI-5 foi um decreto do Estado que violava vários direitos fundamentais, dentre eles o Habeas Corp (...)

16Negligenciadas por grande parte da historiografia que tratou sobre a guerrilha, mesmo aquela que tratou das militantes armadas, as mulheres entrevistadas tiveram papel fundamental num momento em que a repressão sobre o movimento de resistência desmantelava as organizações. Com o decreto do Ato Institucional nº 5 (AI-5), em dezembro de 19686, muitos membros dos grupos de guerrilha foram presos, mortos, exilados ou caíram na clandestinidade. As ações de simpatizantes e de familiares colaboraram para mobilizar vizinhos e opinião pública na ajuda aos perseguidos, hospedando pessoas, escondendo documentos e armas sob suas camas, arriscando-se sob a aparente imagem de “pessoas comuns”.

  • 7 As principais fábricas envolvidas na greve foram a Cobrasma, a Braseixos, a Lonaflex, Cimaf e a San (...)

17Logo que os tanques de guerra chegaram a Osasco, junto com a Força Nacional que invadiu as fábricas7, as narradoras relatam momentos de perplexidade, incompreensão e medo. Ali nasceria o trauma que as colocaria no mundo do qual até então se sentiam excluídas. Com seus parentes fugidos ou presos, as entrevistadas apelaram aos familiares e amigos, muitas vezes sendo abandonadas, como afirmaram Amira e Sandra, referindo-se aos cunhados de Ibrahim, então presidente do Sindicato e procurado pelas forças armadas. Sônia, que estava grávida, deu à luz a uma menina, Denise Liberdade, sem saber que seu marido Joaquim havia sido preso. Iracema teve sua casa invadida e destruída, pois o exército procurava seus dois irmãos:

Um terror o que fizeram com a gente! Na minha casa, não chegaram a arrebentar porta, mas fizeram o que fizeram... Jogaram tudo quanto é livro, tudo quanto é papel, tudo quanto é roupa de gaveta. Jogaram tudo, reviraram tudo! Fizeram um fiasco mesmo! Na casa da minha mãe, arrebentaram porta com um machado, não sei bem com o quê... Foi terrível! Os militares ficaram três meses vigiando minha casa... Era campo de treinamento. Ficavam espiando quem saía e quem entrava. (Iracema dos Santos, entrevistada).

  • 8 Elisabeth Jelin afirmou que a ação feminina predominante na luta contra os regimes ditatoriais da A (...)

18A Doutrina de Segurança Nacional e, no final de 1968, o Ato Institucional nº 5, procuraram legitimar o abuso de poder, as prisões arbitrárias, a censura, os “desaparecimentos” e a vigilância sobre as famílias. As residências passaram por uma “operação presença”, em que a força militar vigiava constantemente, invadia, quebrava, batia, ameaçando e desequilibrando famílias inteiras. Diante do medo e da insegurança, essas mulheres foram obrigadas a criarem táticas que lhes permitissem amenizar a violência e tirar vantagem da presença dos militares em suas residências. Elisabeth Jelin, pensando em condutas semelhantes na América Latina, nomeou atitudes deste tipo como lógica do afeto8. Isso significa que as mulheres passaram a agir dentro de uma lógica movida pelo amor e pela defesa de seus entes queridos, desenvolvendo desde ações mais pontuais e imediatas até aquelas mais ousadas sem, no entanto, romperem com o imaginário de “donas de casa, esposas e mães”. Amira Ibrahin e sua sobrinha Sandra Nogueira, por exemplo, ao saberem de notícias sobre as invasões brutais de outras casas, como a de Iracema, procuraram apaziguar a vigilância e impedir que militares entrassem em sua moradia à procura de José Ibrahin:

E aí eles começaram a ficar na minha casa. Dia e noite! A gente não podia sair. Quer dizer, podia sair, mas tinha sempre alguém de vigia. Ficaram quarenta dias tomando conta da minha casa para ver se ele voltava. A gente oferecia até café pros “filhas da mãe”, para não falar outro nome! A gente achou melhor fazer amizade do que deixar eles de lado. (Amira Ibrahin, entrevistada).

Eles invadiram a casa da Iracema, e de várias famílias. A nossa não! Eles ficavam em casa. Depois, a gente até brincava. Falava: “Ô, entra aqui. Vamos tomar um cafezinho!”. Fazer o quê?! A gente oferecia café pra eles, conversava... Porque andavam tudo à paisana... Você ia ao supermercado, tinha três à paisana seguindo você. Ia à padaria, tinha mais dois... A gente dava café pra eles... Entendeu? (Sandra Nogueira, entrevistada).

19Elas contaram com certo orgulho e humor sobre a pequena atitude que seria transformada, posteriormente, em conduta para adentrar nas áreas restritas e temidas das delegacias e presídios. A “gentileza feminina”, a beleza e o diálogo, no lugar do confronto, serviram para sensibilizar policiais e delegados, numa pseudo-submissão que lhes permitiu tirar vantagens. Diante de seus olhos, Amira, Iracema, Sandra e Sônia agiram como “mulheres frágeis”. Nas vizinhanças, nas igrejas, nas escolas e feiras, por onde passavam, discursaram sobre amor, direitos humanos; posteriormente sobre democracia, angariando pequenos gestos de solidariedade: o recolhimento de comida para ajudar famílias em dificuldade; uma pequena blusa tricotada como presente para algum preso, de forma a romper com sua solidão.

III/ O afeto no espaço público, a política como afeto

20Atitudes mais ousadas por parte das mulheres osasquenses se deram nos espaços controlados e ocupados por autoridades, soldados, torturadores. Na luta contra o tempo ameaçador, contra o medo de que a morte lhes atingisse de alguma forma, elas saíram de seus lares em busca por notícias de presos e desaparecidos. Uma grande vigília contra a violência moveu-as, incansavelmente, todos os dias até as delegacias:

  • 9 Órgão público criado em 1924, o DOPS (Departamento de Ordem Política e Social) tornou-se um centro (...)

A nossa luta nesse DOPS9, menina!! A gente pegava o trem aqui e descia no Dops! E eles: “Não tá! Porque não tá! Não tá! Não tá!” Teve um dia em que um soldado disse que ele estava. E pediu pra gente escrever um bilhete pra ele dizendo que a gente esteve lá. A gente escreveu: “Graças a Deus!” A gente falava muito em Deus, né? “Graças a Deus a gente te encontrou. Nossa! Foi muita luta pra te encontrar. Espero ver você logo. Nós estamos do seu lado. Nunca vamos largar você! A gente vai estar te ajudando. Você vai sair dessa...” A gente já imaginava o que ele estava passando. Ele já tinha sido muito torturado! (Amira Ibrahin, entrevistada).

Quando ele foi preso, nós passamos vinte e oito dias, eu, minha tia Amira, minha mãe e minha avó, atrás dele. (...) Assim, ficávamos andando de um lado pro outro... E aí um soldadinho disse pra nós: “Eu estou com pena de vocês. E eu vi o sofrimento dele. Vou falar onde ele está. Mas procurem logo, porque eles vão matar o Ibrahim!” (Sandra Nogueira, entrevistada).

21Assim como elas, Sônia Miranda buscou, incessantemente, por seu marido, Joaquim Miranda, que foi preso durante a greve, em 1968. Depois de ele ser demitido e ficar desempregado por anos, eles se mudaram com a família para Santo André, até que em 1971 ele voltou a ser preso. Ia todos os dias ao DOPS, enfrentando o delegado Fleury, de quem tinha muito medo. Para isso, levava sua filha, ainda bebê, e tinha consciência de que sua barriga grande – estava grávida de outra filha – impressionava os soldados. Era um ritual que não tinha menor valor do que a militância realizada por outras organizações políticas. A maternidade servia para lembrá-los de sua condição de fragilidade, para sua defesa e para negociar o direito de ver os presos e também para conseguir que seu marido respondesse a processo em liberdade:

Larguei tudo o que estava fazendo, peguei as meninas. (...) Peguei um ônibus, levei minha filha pequenininha justamente para dar mais autenticidade à coisa. Cheguei na rua Brigadeiro Luiz Antonio, na Auditoria Militar, e eles reclamavam: “Como que uma mulher anda com uma criança dessas, pequenininhas, num ônibus lotado desse jeito?!” (...) Tinha gente chorando para todo lado!... Aqueles soldados, assim, tudo de prontidão! E eu, entrando com aquela criança, procurando um advogado... Ele me falou, muito rispidamente, que o escritório dele era na Xavier de Toledo, para eu esperá-lo lá. Muito ríspido! E eu fui!... (...) E lá fui eu de novo com as crianças na Auditoria Militar!... Dizer que ele estava trabalhando, não podia ir; que marcassem, então, outra audiência. Consegui o relaxamento da prisão. O Joaquim conseguiu responder o processo em liberdade. (Sônia Miranda, entrevistada).

  • 10 CAPDEVILA, Luc. Resistance civile et jeus de genre (France, Allemagne, Bolivie, Argentine), Deuxiém (...)
  • 11 Para o autor, os jogos de gênero seriam a máscara, uma dramatização. “Como num jogo de xadrez, em q (...)

22Narrativas como as de Amira, Sandra e Sônia lembram o que Luc Capdevila10 (apud Duarte 2011, 234), chamou de “jogo de gênero”11, quando tratou das mães que resistiram ao regime argentino. Segundo o autor, interpretando o mito de guardiãs do lar, elas exageraram características estereotipadas como fragilidade, ignorância política e emotividade para procurarem seus filhos e enfrentarem o regime militar. No caso de Sônia, levar a filha “dava mais autenticidade” às suas ações; Amira e Sandra costumavam levar a mãe, já bastante idosa, de Ibrahin. Elas tomaram a frente das negociações, desarmadas, fazendo de sua presença e de seu corpo, notados todos os dias pelos militares em guarda, uma forma de luta silenciosa; aquilo que se esperava de esposas, filhas, sobrinhas, irmãs e mães desesperadas, em defesa dos seus familiares.

23Além da maternidade, outras artimanhas fizeram parte da atuação feminina. Não foram rupturas espetaculares, mas de reapropriação e desvios dos sentidos para ser usados contra os próprios dominadores, como o que fizeram Sandra e Amira: se num primeiro momento ofereciam café em casa aos militares, elas passaram a tomá-lo com os delegados no DOPS. Cientes do desejo que provocavam naqueles homens machistas (“nós éramos bonitas”), elas adentrarem a delegacia para saber notícias sobre José Ibrahim e de seus amigos e procuraram seduzir e negociar com os opressores:

Fomos procurá-lo... A gente já estava, assim, desesperada! E a gente sabia que ele estava lá! Entendeu? E eles diziam: “Não tá, não tá, não tá”! Aí teve um dia, que estávamos eu, minha tia Amira e minha avó... Minha avó era de idade... Sabe?! Naquele dia, a gente estava tão desesperada, que a gente começou a chorar muito! Eu e ela! A gente começou a chorar muito! E aí veio uma pessoa... que veio... me paquerar!! O delegado Júlio de Campos! Me paquerar!! (...) Nós chegávamos no DOPS... O outro delegado era apaixonado pela minha tia Amira!... Mandava a gente subir. Eu, minha tia e minha avó. Ele falava pros investigadores: “Manda a família do José Ibrahim subir!”. Ele era apaixonado por ela! Se apaixonou por ela na cadeia e deixava a gente subir!! (Sandra Nogueira, entrevistada)

  • 12 A “arte de fazer” é uma expressão usada por Michel de Certeau para definir a capacidade dos “fracos (...)

24Lógica da teimosia e do imprevisível, fundada na experiência e no senso de oportunidade, essa foi a “arte de fazer”12 das mulheres osasquenses. Tentando encontrar brechas no espaço de dominação, elas construíram suas táticas conforme o contexto imposto por aqueles homens que exerciam o poder. Na busca da sobrevivência de seus entes queridos e do último recurso, num momento em que outros caminhos estavam vedados, elas apostaram na esperteza e na inventividade. O “cafezinho” em tantas oportunidades oferecido a elas dentro do DOPS teria sido uma estratégia das autoridades para fazê-las falar, conseguir informações. A gentileza dos delegados não era apenas provocada pela paixão que supostamente nutriam por elas. Eram tentativas de fazer com que colaborassem no esclarecimento sobre pessoas envolvidas nos grupos armados, relacionadas a José Ibrahim. Sandra e Amira mostraram com orgulho que nenhuma delas se deixou dobrar e que foram mais espertas do que os fardados que as recebiam. Entendendo-se como diferentes dos homens, e se identificando nessa diferença, assumiram conscientemente as expectativas hierarquizantes daqueles homens, duplamente poderosos, porque também detentores dos instrumentos da repressão. Assim, os enganaram.

25Seus corpos tornaram-se instrumento de inventividade e subversão. Em várias oportunidades Iracema, Amira e Sandra foram portadoras de bilhetes escritos por familiares ou por presos. Guardando-os nas roupas íntimas, mediaram informações sobre as condições nas prisões, sobre as táticas dos grupos armados, sobre a esperança e saudades de familiares e amigos. Arriscaram-se não apenas em nome de seus afetos, mas constituíram suas ações em atos políticos, identificadas com o destino semelhante de outras pessoas:

O Ibrahim escrevia para nós. Ele escreveu. Escreveu dizendo que estava muito bem... Imagina que o bilhete dele não passou por trinta pessoas, né?! Que era pra gente não se preocupar. Ele já dava a dica: estava com Fulano, com Sicrano... Isso foi muito bom! Porque a gente já contou pra tropa inteira, pra família inteira que ele estava ali!! Ele fez já de propósito: “Olha, tá aqui o Fulano, tá aqui o Sicrano... (...) E aí a gente foi repassando esses bilhetes para as famílias... Eu levava recado pra mãe de Fulano... (Amira Ibrahin, entrevistada).

As pessoas ficavam a noite toda escrevendo bilhetes no papel higiênico para mandar para as famílias. Nós marcávamos pontos para mandar os recados do presídio para as famílias e vice-versa. Guardava os bilhetes dentro da blusa... Era camuflado. (Iracema dos Santos, entrevistada).

26Muitas vezes não sabiam o conteúdo dos bilhetes, mas eram portadoras e mediadoras de expectativas, enganando e manipulando os repressores por meio da única arma que não eram impedidas de portar: sua corporeidade. Em outras oportunidades, fizeram-se passar por parentas ou namoradas de outros presos, alguns que nem conheciam. Mesmo depois dos eventos traumáticos envolvendo seus dois irmãos, João Domingues da Silva, assassinado sob a tortura em 1969, e Roque Aparecido, preso e exilado em 1970, Iracema ainda continuou visitando colegas no presídio Tiradentes e levando bilhetes:

Quando o Roque tinha sido exilado, eu ia até o presídio me fazendo passar por prima do Espinosa, nosso amigo. Ia visitá-lo. Ele sofreu muito também e é até hoje um grande intelectual! Nós marcávamos pontos para mandar os recados do presídio para as famílias e vice-versa. Guardava os bilhetes dentro da blusa... Mesmo depois da morte do João, eu ia. É como aquela música, sabe? “Você me prende vivo, eu escapo morto!” (Iracema Santos, entrevistada).

27Atitudes de resistência quase silenciosa semelhantes àquelas narradas pelas entrevistadas, produzindo efeitos acalentadores, foram manifestações do que Michel de Certeau chamou de táticas de subalternidade dentro da pseudoconformidade. Para o autor, diferente da estratégia que é própria do poder hegemônico e controlador, a tática se manifesta dentro do “campo de visão do inimigo (...) e no espaço por ele controlado” (Certeau 100):

Ela opera golpe por golpe, lance por lance. Aproveita as “ocasiões” e delas depende para estocar benefícios, aumentar a propriedade e prever saídas. (...) Tem que utilizar, vigilante, as falhas que as conjunturas particulares vão abrindo na vigilância do poder proprietário. Aí vão caçar. Cria ali surpresas. Consegue estar onde ninguém espera. É astúcia. Em suma, a tática é a arte do fraco. (Certeau 100-101).

28As entrevistadas mostraram ser habilidosas com a “arte dos fracos”, essa utilização do curto tempo para tirar proveito dos opressores, criando uma antidisciplina diante de seus olhos, realizando operações astuciosas, muitas vezes espontâneas e clandestinas. Mesmo que essas práticas informais de resistência não tenham alcançado a liberdade desejada pelas mulheres nesses espaços, representaram avanços na luta pela sobrevida dos presos. Atentas ao tempo da oportunidade, elas buscaram no cotidiano e no imprevisto vigiar “para ‘captar no voo’ a possibilidade de ganho” (Certeau 47). Elas fizeram o que o autor definiu como constantemente “jogar com os acontecimentos para transformá-los em ocasiões” (Certeau 47).

29Assim foi quando Sandra e sua tia Amira decidiram promover uma festa de aniversário para José Ibrahin no presídio Tiradentes, para onde ele havia sido transferido em 1969. Utilizando-se conscientemente de seu poder de sedução, conseguiram que o diretor lhes concedesse a oportunidade de levar um bolo e convidar os outros presos a participarem da festa:

  • 13 José Carlos Libâneo, conhecido como Frei Beto, era frade dominicano e colaborou com as ações da Açã (...)

Quem não tinha família, não descia pra tomar sol nem nada, naquele dia desceu! Eu passei por namorada – acho até que eles sabiam – mas passei por namorada de vários!! Do Maranhão, que era um menino do movimento estudantil lá no Maranhão. Passei por namorada dele, para ele poder descer, ficar no pátio. Passei por namorada do Frei Beto13!... (Sandra Nogueira, entrevistada).

  • 14 Em sua tese de Doutorado, Ana Rita Fontenele Duarte (2009) tratou sobre a ação das mulheres do Movi (...)

Como elas, outras mulheres chegaram a organizar festas em presídios, para onde levavam fotografias de filhos, amigos e outros familiares14. Dessa forma, permitiam a manutenção dos presos com o seu mundo afetivo, externo, ao mesmo tempo em que amenizavam o seu sofrimento. Agiram de acordo com o que Beatriz Sarlo considerou “a política como paixão”:

A política como paixão descreve a relação das mulheres com a esfera pública dentro de um espaço delimitado por certos traços da “imagem feminina”. Os valores que a tradição reconhece como tipicamente femininos podem ser modificados em sua função social e transformados em instrumentos da participação das mulheres no mundo ideológico e político (Sarlo 188).

30Como uma espécie de vingança contra os rótulos do feminino, as mulheres foram capazes de reinventar discursos e práticas e intervir no mundo politicamente masculino. Elas adotaram o que Sarlo considerou como “tática de bricolagem” das mulheres no combate às ditaduras em toda a América Latina, produzindo novos assuntos públicos a partir de antigos papéis e funções tradicionais do privado (Sarlo 188-189). Sentimentos considerados tipicamente femininos, como amor, caridade e fraternidade, tornaram-se a base privada para o seu comprometimento público. Ganharam novos significados no âmbito da política para defender a justiça, a proteção aos presos e modelarem o enfrentamento ao regime, mais tarde, inclusive, na luta pela anistia aos seus companheiros, no final da década de 1970. Trouxeram para dentro de casa discussões públicas e levaram para fora os sentimentos mais íntimos: “O sentimento de injustiça constitui as mulheres como atores públicos; a paixão que libera transforma um sofredor passivo em sujeito ativo.” (Sarlo 190). Exemplo dessa inventividade e da política pela paixão foi o momento em que Amira e Sandra decidiram – baseadas em sua fé – ajudar os presos com uma ação inusitada:

Eu e a Sandra fizemos até macumba!! Veio o “seu Pimenta”, mandou a gente levar bala de coco e pimenta pra jogar nas portas que a gente fosse entrar no DOPS, que era pra abrir as portas pro Ibrahin sair. Não tinha porta no DOPS que não tivesse bala de coco e pimenta!! E charuto!! A gente tinha que dar umas tragadas no charuto! A gente olhava: “Olha, olha o guardinha vindo aí!”... Como a gente fumava!!... Hoje ele sabe e chama a gente de louca!! (Amira Ibrahin, entrevistada).

O “doutor Pimenta” mandou a gente levar bala de coco e pimenta no DOPS. Minha filha, era um tal de jogar balinha pra lá, pimenta pra cá!... A gente encheu aquele Dops de bala de coco, pimenta e charuto, menina! Aquele cheiro de charuto!!... Teve uma vez que a minha tia foi prum canto e eu pensei: “Vou por na porta do delegado!”. Menina, eu dei um jeito... Sabe aqueles elevadores antigos? Tinha uma escada... Fui lá pra escada, perto da porta do delegado... A gente fazia cada doideira!! Mas olha, vou te contar uma coisa, é verdade: pode perguntar pra minha tia Amira. Dali um instantinho o Zé saiu do DOPS e foi pro presídio Tiradentes! Dali ele não ficou nem dois meses no Tiradentes, sequestraram o embaixador e ele foi trocado. Vai dizer que não funcionou a pimenta?! (Sandra Nogueira, entrevistada).

31A presença insuspeita do corpo feminino na delegacia permitiu a elas agir de forma surpreendente nos espaços mais perigosos da repressão. Sem pegar em armas, agiram tomadas pelo afeto, pela esperança. Se a guerrilheira era o desvio, como apontou Colling em sua pesquisa, as mulheres osasquenses assumiram seu papel de “mulher direita”, defensoras dos seus entes queridos, para enganar seus algozes. No espaço das delegacias e presídios elas agiram em suas brechas e naquilo que negligenciavam: a inteligência feminina. Elas acreditaram tão fielmente no valor e na legitimidade da causa de estarem ali, que não pensaram em parar suas ações, transformando medo em criatividade. Optaram por uma tática não agressiva, mas em certa medida, eficiente para seus fins imediatos, principalmente. Suas práticas corroboraram com o que Michelle Perrot afirmou sobre a capacidade feminina de se reinventar:

As mulheres não são passivas nem submissas. A miséria, a opressão, a dominação, por reais que sejam, não bastam para contar sua história. Elas estão presentes aqui e além. Elas são diferentes. Elas se afirmam por outras palavras, outros gestos. Na cidade, na própria fábrica, elas têm outras práticas cotidianas, formas concretas de resistência – à hierarquia, à disciplina – que derrotam a racionalidade do poder, enxertadas sobre uso próprio do tempo e do espaço. Elas traçam um caminho que é preciso reencontrar. Uma história outra. Uma outra história (Perrot 212).

As mulheres osasquenses puderam construir outra memória sobre seus feitos; valorizaram outra história, invisível, mas não descolada daquela contada por seus companheiros. Valorizaram lembranças não selecionadas por eles, seja por desconhecimento, indiferença ou esquecimento. Mostraram uma história “pelas margens”, em que foram protagonistas e na qual enxergaram sua contribuição: “vai dizer que não funcionou a pimenta?!” Na improvisação esteve a força feminina. Como diria Walter Benjamin (15), “todos os golpes decisivos são desferidos com a mão esquerda”.

IV/ No silêncio, o enfrentamento

  • 15 Referência ao mito de Ulisses e Penélope, na obra grega Odisseia.

32Eni Orlandi afirmou que o silêncio não é, necessariamente, uma forma de opressão e interdição. Existe, também, o silêncio que faz falar a resistência, tática para omitir, preservar e defender vidas. Se o regime, com sua vigilância constante fez calar a crítica, o questionamento, a liberdade de expressão, nos espaços domésticos, da cozinha, do quarto ou do quintal as práticas femininas não cessaram. Como Penélope de Ulisses15, que só na aparência tecia a mortalha e aceitava a morte, durante a noite as mulheres desfaziam, em silêncio, sua imagem de submissão. Contando com a ajuda de outros familiares, elas trataram de se desfazer de possíveis provas contra seus companheiros; na verdade objetos e documentos de suas próprias histórias familiares:

A minha avó, os livros, as coisas do Zé, ela fez um buraco no quintal e enterrou... Todas as coisas do Zé! (Sandra Nogueira, entrevistada).

Nossa, queimamos tanta coisa: livros, obras, enfim, que a gente tinha guardado com tanto carinho! Fizemos uma fogueira. (Sonia Miranda, entrevistada).

Panfletos, livros, tudo o que estava armazenado, deixei numa mala esquisita embaixo da cama da minha sogra, para a polícia não pegar. Escondi cada coisa!... Numa grande mala. Minha sogra nem imaginava o que era aquilo... As coisas que achei que complicavam mais a vida dele, queimei... Havia um terreno do lado de casa. Lá, eu fiz a fogueira... (Iracema dos Santos, entrevistada).

33Na calada da noite, por meio de fogueiras e buracos nos quintais, contando com a cumplicidade de seus familiares, faziam desaparecer fotografias, livros, objetos e documentos biográficos que comprometiam os presos e fugitivos, mas também viam desaparecer suas lembranças mais caras, mais íntimas.

34No silêncio também agiram na busca por notícias de desaparecidos, muitos de seus amigos queridos. Amira e Sandra assistiram inúmeras vezes pessoas que haviam sido torturadas passarem por elas no DOPS, carregadas por soldados. Em silêncio, viam tudo e nada diziam. Porém, em suas comunidades denunciavam a violência e a estupidez do regime. Sônia Miranda, tantas vezes calada por delegados e advogados, participou de reuniões no sindicato, orientando outras mulheres tão perdidas quanto ela estava no início. No caso de Iracema, ela lutou incansável e discretamente em busca de seu irmão, João Domingues, preso após participar do assalto ao cofre do governador Ademar de Barros, em 1969. Mulher tímida, cozinheira numa escola pública, foi acusada de colaborar com os guerrilheiros. Sofreu calada a sua prisão, junto de seu marido e pai. Permaneceu mais de 24 horas em pé, sendo interrogada. Foi separada da família, que passou a noite ao relento, sem saber o paradeiro de sua mãe. Humilhada tantas vezes, rompeu o silêncio quando decidiu enfrentar aqueles homens que tanto temia para defender seu irmão preso.

  • 16 Antígona é uma personagem da trilogia tebana, do escritor grego Sófocles, que trata da tragédia de (...)

35A história contada por ela é síntese da violência cometida pela ditadura brasileira, contra homens, trabalhadores, guerrilheiros, meninos; contra todas as mulheres, militantes, mães, esposas, irmãs e filhas. Ela é também, o símbolo da resistência do pequeno contra o forte, a encarnação do mito de Antígona16, o mito da transgressão feminina contra a humilhação e a crueldade:

Ele (o João) chegou em casa baleado, muito machucado!... Tentei tirar tudo que fosse suspeito, guardar documento, tudo o que ele tinha no bolso. Dei para o Liceu (meu marido) esconder em casa, colocar fim em tudo... Em seguida, chegou um batalhão, mais de cinquenta viaturas! Ninguém do bairro esquece... Fecharam o bairro inteiro e entraram na minha casa. Um bando de investigadores! O João não queria se entregar. Falei que não adiantava reagir. Entraram chutando e empurrando! Levaram o João... (Iracema dos Santos, entrevistada).

36A dor de João foi transformada em sua própria dor, sua tortura dilacerante. Os momentos em que viu seu irmão morrendo, foram descritos com muita emoção, expressa por reticências repletas de sentido. Ela fez notar o processo de demolição humana perpetrado pelo regime autoritário:

Fui levada para o hospital do Cambuci... O João era só pele e osso... A boca dele era tão grande que ia de uma orelha a outra! Comecei a fazer xixi sem perceber, de tão emocionada, tão nervosa!... Conversei um pouco com ele e me levaram para uma sala. Queriam uma prova de que a família estava participando. Ele já estava no fim... Falou com muita dificuldade: “Sabia que você viria”... Cortaram o resto da veia dele para enfiar alguma coisa, porque não tinha mais veia. O rosto era oco, esqueleto!... Colocaram uma câmara de ar para o corpo poder se sustentar, entre o quadril e a clavícula... Você não sabe o que é terror psicológico!... (...) Fiz amizade com uma freira que dava chocolate para ele, porque o João gostava muito. Eu pedia para ela colocar um algodão com água na boca dele. Faltava um pedaço do lábio dele, de tanta sede! Ele tinha estourado o intestino... E foi assim até o dia em que ele morreu... Morreu na sexta-feira. (...) (Iracema dos Santos, entrevistada).

37Iracema foi avisada de sua morte apenas na segunda-feira, com a justificativa dos algozes de que não havia como avisá-la antes. Temendo que sumissem com o corpo e, junto com ele, a memória de seu irmão, enfrentou sozinha os seus assassinos para ter o direito de levá-lo para casa, mostrá-lo aos seus vizinhos, denunciar a barbaridade do Estado e enterrá-lo em sua terra:

Tive que pegar a autorização do delegado, na Auditoria, e ir correndo para conseguir o corpo, o caixão, antes que ele sumisse com ele. Batalhei para que o corpo viesse para casa! Batalhei para o velório ser em casa... O dia inteiro, correndo sozinha, para conseguir autorização. Vesti ele... Não deu para vestir direito, porque ele estava congelado! Pus a roupas sobre o corpo, assim, junto com as flores... Num caixão lacrado, na urna. Só dava para ver o rosto... (Iracema dos Santos, entrevistada).

38Mesmo sem saber, Iracema desenhou em seu relato o mito do auto-sacrifício de Antígona. Chorou a perda, mas procurou deixar claro em suas palavras que não se rendeu. Sua ação desafiadora transformou fragilidade em inconformismo e coragem, e sua imagem a personificação da experiência coletiva. Seu amor fraternal promoveu atos de solidariedade na comunidade, que se transformaram em atos políticos contra a força ditatorial. Como ela, Sandra contou sobre o impacto da morte de João na comunidade de Osasco e a reação coletiva, liderada por ela e o outro irmão de Iracema, José, denunciando a violência do regime e rompendo com o silêncio temeroso:

Fui para a casa da mãe dele, porque ela já tinha idade! Nós fomos para lá... Se você visse o que tinha de polícia!... O exército... Todos armados! E a hora que chegou o caixão do João, estava lacrado! Não tinha nem vidro! Ninguém podia nem olhar!! E o desespero da Iracema!... Sabe? Dos pais, da mãe dele! E a gente lá, os policiais... Eles vinham pra cima!! (...) Quando nós entramos... Você não acredita! Eles vieram com arma atrás da gente! Você estava conversando com alguém, eles vinham e separavam! Queriam saber o que é que estavam falando, quem era quem. Nós fizemos uma manifestação! Juntou um monte de gente de Presidente Altino. Pessoas que conheciam o João, mais um pessoal do movimento estudantil, e nós fizemos uma manifestação lá dentro do enterro dele! Porque os pais não puderam nem ver!! Imagine o estado que ele estava pra vir num caixão lacrado, sem vidro!! Sendo que três dias antes eu havia estado com ele no hospital... Eles disseram que ele teve uma hemorragia, sei lá!... Na verdade, não explicaram nada! Foi muito triste!... (Sandra Nogueira, entrevistada).

39A dor e o luto de Iracema foram compartilhados por outras mulheres que vivenciaram experiências semelhantes. Foram transformados em denúncia política, modificando a vida dela e das outras entrevistadas, que cada vez mais participaram de ações contra a ditadura. Foram elas que, em Osasco, protagonizaram a luta pela Anistia, já nos anos de 1970. Colocaram mesas nas praças centrais, venderam bijuterias para arrecadar dinheiro para o movimento e recolheram assinaturas de desconhecidos pelo retorno de seus familiares e pela soltura de presos, num combate incansável contra a morte e o esquecimento. Para Amira, isso foi um dever feminino, uma forma de solidariedade que nasceu de suas histórias particulares, mas que se tornou uma luta maior pela vida:

Então, quando a gente se vê numa situação... Numa situação ruim... a gente vai à luta! Como todas foram! Todas! Não teve mãe, não teve irmã, não teve esposas de presos que não foram à luta pra tentar melhorar a situação! Isso era uma coisa do coração, como uma obrigação! Não exatamente uma obrigação... Vinha de dentro da gente! (Amira Ibrahin, entrevistada).

V/ Considerações finais

40A tentativa de se compreender o movimento feminino no contexto político de Osasco, inscrito no Brasil e no mundo, a partir do espaço privado e suas relações com o público, permitiu ampliar a ideia de como o afeto, a maternagem e o espaço familiar podem ser transformados em poder e resistência luta feminina. Nem contra, nem submetida aos homens, às mulheres osasquenses mostraram que estavam ao lado de seus companheiros, utilizando de táticas diferentes, mas não menores nem menos importantes do que ações de grupos políticos organizados contra a ditadura brasileira.

41Elas se tornaram exemplo de novas formas de militância, a partir de sua astúcia e coragem moldadas pela performance de gênero que, paradoxalmente, foi usada para subverter. As narrativas aqui apresentadas mostram que vida política não foi nem é exclusivamente um feito masculino, segmentado da casa, da família e dos sentimentos mais íntimos. A sensibilidade e o afeto, manifestações culturalmente atribuídas ao feminino, não se revelou sinônimo de fraqueza, pois residiu neles a força que enganou e manipulou tantas vezes os repressores, permitindo a bricolagem feminina, a performance de gênero, a lógica do afeto.

42Mulheres como Sônia Miranda, Amira, Sandra e Iracema mostraram as formas como se fizeram visíveis e presentes diante dos opressores, como politizaram o espaço privado e sensibilizaram o espaço público. Permitiram ou tiveram que permitir que os problemas da vida nacional ocupassem espaço em suas vidas, invadissem suas preocupações cotidianas, se misturassem ao tempo doméstico, reestruturando-o. O íntimo, o cuidado com os seus – sua função marcadamente social, naquele momento – não só tomou gradativamente o espaço público como, ousadamente, violou territórios proibidos do cárcere e da dor, subvertendo-os. Com suas pequenas ações mostraram-se protagonistas de uma grande história que também a elas pertence.

Haut de page

Bibliographie

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. Rua de mão única. Vol. II, São Paulo: Brasiliense, 1995.

CAPDEVILA, Luc. Resistance civile et jeux de genre (France, Allemagne, Bolivie, Argentine) Deuxiéme Guerre Mondiale/années 1970-1980. Annales de Bretagne et des Pays de L’Ques. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, tome 108, n° 2, 2001, 103-128.

CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 1998.

COLLING, Ana Maria. A Resistência da Mulher à Ditadura Militar no Brasil. Rio de Janeiro: Record/Rosa dos Ventos, 1997.

COSTA, Albertina de Oliveira. Memórias de Mulheres do Exílio. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

COUTO, Ari Marcelo Macedo. Greve na Cobrasma: uma História de luta e resistência. São Paulo: Annablume, 2003.

DUARTE, Ana Rita Fonteneles. Memórias em disputa e jogos de gênero: o Movimento Feminino pela Anistia no Ceará (1976-1979). Tese Doutorado em História. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2009.

DUARTE, Ana Rita Fonteneles.  Mulheres em guarda contra a repressão. In PEDRO, Joana Maria & Cristina Scheibe WOLFF (orgs.). Gênero, feminismos e ditadura no Cone Sul. Florianópolis: Mulheres, 2011, 233-258.

FERREIRA, Elizabeth F. Xavier. Mulheres, militância e memória. Rio de Janeiro: FGV, 1996.

JELIN, Elizabeth. Los trabajos de la memória. Madrid/Buenos Aires: Siglo XXI, 2001.

JOFFILY, Olívia Rangel. Esperança equilibrista. Resistência feminina à ditadura militar no Brasil. Tese de Doutorado, São Paulo: PUC, 2005.

ORLANDI, Eni. As formas do silêncio. Campinas: Unicamp, 2000.

PEDRO, Joana Maria e Cristina Scheibe WOLFF (orgs.). Gênero, feminismos e ditadura no Cone Sul. Florianópolis: Mulheres, 2011, 233-258.

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. Bauru: Edusc, 2005.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos. 1989, vol. 2, nº 3, 3-15.

SARLO, Beatriz. Paisagens imaginárias: intelectuais, arte e meios de comunicação. São Paulo: Edusp, 2005.

Haut de page

Notes

1 Para longe da vitimização das mulheres ou de sua submissão ao mundo dos homens, pesquisas desenvolvidas nos últimos anos como a de Elizabeth F. X. Ferreira e Ana Maria Colling desmontaram a imagem de ociosidade e passividade por parte delas no cenário político. O pioneirismo coube ao trabalho de Albertina Oliveira Costa, “Memórias de Mulheres do Exílio”, em pleno regime de exceção, utilizando os procedimentos da história oral de vida a partir da experiência de militantes da luta armada, que foram presas, torturadas e exiladas. As pesquisadoras deram destaque principalmente à rebeldia e à participação feminina na luta armada, em grupos como a Aliança Libertadora Nacional (ALN), a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) e o Partido Comunista Brasileiro (PCB). Além disso, a tese de Doutorado desenvolvida por Olívia Joffily ofereceu contribuição mostrando a história de guerrilheiras submetidas à tortura, sua singularidade e coragem perante a violência masculina e militar.

2 Neste trabalho, utiliza-se o conceito de ditadura civil-militar, levando em conta que o regime contou com o apoio declarado de civis e nele se sustentou.

3 Foram realizadas 11 entrevistas, mas devido ao espaço limitado para contar todas as histórias, foram selecionadas as mais significativas para o tema do artigo.

4 Os nomes aqui citados são reais. Todas as entrevistadas, na época, deram consentimento para a entrevista e, depois de conferi-la na forma transcrita, autorizaram a sua publicação em documento escrito.

5 Destaque para o trabalho de Ari Marcelo Couto, que tratou de narrativas dos operários osasquenses sobre a greve, mostrando suas dificuldades, consensos e dissensos.

6 O AI-5 foi um decreto do Estado que violava vários direitos fundamentais, dentre eles o Habeas Corpus.

7 As principais fábricas envolvidas na greve foram a Cobrasma, a Braseixos, a Lonaflex, Cimaf e a Santista, organizadas pelo Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco.

8 Elisabeth Jelin afirmou que a ação feminina predominante na luta contra os regimes ditatoriais da América Latina caracterizou-se por outra lógica que não a masculina, baseada nos canais institucionais. As mulheres teriam a capacidade de agir levando em conta os atributos a elas socialmente impostos e esperados. A lógica do afeto seria capaz, inclusive, de confundir os homens, marcados socialmente pela racionalidade técnica.

9 Órgão público criado em 1924, o DOPS (Departamento de Ordem Política e Social) tornou-se um centro de repressão, liderado pelo temido delegado e torturador Sérgio Paranhos Fleury, em São Paulo.

10 CAPDEVILA, Luc. Resistance civile et jeus de genre (France, Allemagne, Bolivie, Argentine), Deuxiéme Guerre Mondiale/années 1970-1980, Annales de Bretagne et des Pays de L’Quest. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, tome 108, n° 2, 2001, 103-128.

11 Para o autor, os jogos de gênero seriam a máscara, uma dramatização. “Como num jogo de xadrez, em que atores políticos tentam intervir no espaço público, utilizando como instrumento de intervenção e visibilidade política o ‘eterno feminino’ e o ‘eterno masculino’” (Duarte 2011, 235).

12 A “arte de fazer” é uma expressão usada por Michel de Certeau para definir a capacidade dos “fracos” de resistirem aos processos de dominação e suas estratégias de controle.

13 José Carlos Libâneo, conhecido como Frei Beto, era frade dominicano e colaborou com as ações da Ação Libertadora Nacional, um grupo armado, dando-os suporte.

14 Em sua tese de Doutorado, Ana Rita Fontenele Duarte (2009) tratou sobre a ação das mulheres do Movimento Feminino Pela Anistia no Ceará. Ela mostra como este tipo de ação tornou-se constante nos anos 1970 nas prisões.

15 Referência ao mito de Ulisses e Penélope, na obra grega Odisseia.

16 Antígona é uma personagem da trilogia tebana, do escritor grego Sófocles, que trata da tragédia de Édipo e de seus descendentes. Filha de Édipo e irmã de Polinice, este condenado à morte e ao enterro fora da cidade de Tebas, por traição, Antígona enfrenta o poder do rei Creonte, que o havia condenado. Exemplo de amor fraternal, ela busca o corpo de seu irmão e tenta enterrá-lo com as próprias mãos, dando a ele o direito a rituais fúnebres dignos e em suas terras.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Marta Gouveia de Oliveira Rovai, « A militância pelo afeto: táticas femininas para enganar perpetradores durante a ditadura civil-militar brasileira (1964-1984) », L'Ordinaire des Amériques [En ligne], 222 | 2017, mis en ligne le 28 juin 2017, consulté le 24 novembre 2017. URL : http://orda.revues.org/3531

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
L’Ordinaire des Amériques est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IPEAT
  • Logo Université Toulouse-Jean Jaurès
  • Logo Université de Toulouse
  • Logo Latindex
  • Revues.org