Navigation – Plan du site
2017

Jaíza Pollyanna Dias da Cruz Rocha et alii, Mulheres e militância política durante a ditadura militar no Brasil (1964-1985): luta, resistência e silêncio

Jaíza Pollyanna Dias da Cruz Rocha et Flaviane da Costa Oliveira
Référence(s) :

Ingrid Faria Gianordoli-Nascimento, Zeidi Araújo Trindade, Maria de Fátima Souza Santos. Mulheres e militância: encontros e confrontos durante a ditadura militar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

Texte intégral

1Passado mais de trinta anos do término da ditadura militar no Brasil (1964-1985) a retomada do tema se faz profícua, considerando inclusive, o cenário sociopolítico atual – de publicação e entrega do relatório da Comissão Nacional da Verdade em 2014 e do impeachment da presidenta eleita (mulher e militante que se opôs a ditadura militar no Brasil). O período ditatorial ainda é um passado recente, em revisão, com o registro da memória oficial dos vencedores; evocado e rememorado por parte da sociedade como um momento de ordem e progresso. Marcado com certo saudosismo, o momento atual fez remeter à lembrança de figuras emblemáticas do cenário, como o falecido coronel do Exército Brasileiro, “Carlos Alberto Brilhante Ustra”, disciplinador ‘exemplar’ de mulheres militantes, reconhecido pela justiça brasileira como torturador durante a ditadura.

2A participação de mulheres na política incomoda e provoca demandas que visam impedir sua continuidade e questionar sua legitimidade, pois como pontua Goldenberg, ao entrar e participar ativamente da política, atuando no espaço público, as mulheres ocupariam um lugar de dupla transgressão: por serem mulheres, destinadas ao espaço privado, do lar e ao cuidado com o marido e filhos; e por insurgirem contra o poder inquestionável do regime militar, um espaço notadamente formado por homens brancos, velhos e heterossexuais. Nessa lógica, o lugar da política, o cenário público, não pertence às mulheres. Sua entrada e exercício são questionados, provocando ações de resistência e afirmação contínua, frente à violência a que são submetidas.

3O livro “Mulheres e militância: encontros e confrontos durante a ditadura militar”, fruto de pesquisa de doutorado em psicologia social, aborda a trajetória de militância de nove mulheres militantes políticas do estado do Espírito Santo, Brasil. Desenvolve-se a partir de dois pontos subalternos: a identidade feminina e a identidade capixaba. São mulheres, na política, e com trajetória de nascimento e/ou atuação em um estado com pouca expressividade no contexto regional do Sudeste, mas que ali e em suas jornadas clandestinas e em exílio, inauguraram práticas e experiências, que contribuíram para a resistência política e história daquele território, para a construção de um Estado democrático, e para os novos modelos de gênero experimentados pelas mulheres das gerações seguintes em todo o país.

4Considerando a importância de estudos que foquem a participação de mulheres em diferentes contextos sociais, como a política, o livro é um convite à reflexão sobre o papel fundamental das mulheres nos anos de 1960-1980 no Brasil, e uma imersão aos porões da ditadura militar no país.

5As autoras apresentam inicialmente o contexto político no qual se deu o golpe militar no Brasil, com enfoque principal na participação das mulheres na militância política de oposição ao regime, contextualizando os antecedentes que possibilitaram a inserção feminina nas lutas políticas a partir de 1964. Trata-se de mulheres em sua maioria de classe média, que estavam se inserindo na universidade, participantes de agremiações estudantis, de grupos religiosos libertários, e que por meio da escolarização em colégios de elite, tiverem acesso e iniciação a leituras críticas, como o marxismo, existencialismo, e literaturas diferenciadas dos livros de romances indicados a elas; o que permitiu questionamentos futuros sobre o modelo pequeno-burguês de família, casamento e maternidade.

6A entrada nas universidades e a abertura de cursos superiores para além dos de pedagogia e outras profissões ligadas ao cuidado, foram fundamentais para que tomassem contato com um universo diferente e mais amplo que o espaço do lar. Seja pela viagem para a capital, ao saírem do interior para se escolarizarem, ou pela nova dinâmica e espaços de sociabilidades permitidos pela universidade. A entrada no mundo da política se inicia para essas mulheres por via do ensino superior, o que já sinalizava a quebra de um padrão, o de dar prosseguimento aos estudos e se profissionalizar, ao invés de partir do ensino secundário, para o casamento.

7Embora as autoras salientem o caráter inaugural das mulheres na política, na universidade e em outros espaços públicos, deve-se ponderar que, a universidade, por exemplo, não foi o único meio de inserção, nem o inicial, pois as mulheres, sobretudo de outras classes e raças, teriam outros modos de entrada no espaço público, por via do trabalho, por exemplo. E embora seja marcante e expressiva a participação política feminina nesse contexto, no cenário brasileiro, em outros momentos da história também se fizeram presentes, ainda que em menor número, e sem visibilidade nas narrativas oficiais.

8Tal expressividade da participação das mulheres é um dos aspectos importantes desta obra, ao demonstrar como a socialização das ‘moças’ estavam pautadas em modelos dos anos dourados (1940/50), no qual a preparação para o casamento era fundamental. Durante os anos de 1960 a conjuntura político-cultural que se instaura no cenário mundial, provoca movimentações da juventude, que se fortalece em manifestos nas ruas para contestar a ordem estabelecida, festivais, ações culturais, artísticas e outras práticas, nas quais homens e mulheres podem compartilhar o mesmo espaço, de dia ou à noite, no ambiente público, em prol de melhorias em diferentes setores. Esses novos questionamentos e espaços de sociabilidade permitiram segundo as autoras, novos modelos inclusive de conjugalidade, já que o casamento enquanto instituição começa a ser amplamente criticado, e as ideias de “amor livre” ganham força nesse contexto contraditório, de inicial liberdade, mas de posterior cerceamento.

9Embora pudessem experimentar a convivência no espaço público e nas ações políticas, a presença feminina não foi e ainda não é igualitária em relação à participação masculina, quer em relação ao número de pessoas de ambos os sexos na cena política; às atividades, cargos e tarefas desenvolvidas; e quanto às vozes e poder de fala dessas mulheres, abafadas, silenciadas ou inaudíveis.

10O método de coleta e análise de dados elencado pelas autoras no itinerário da pesquisa, e a proposta geral do livro, nos parece a de fazer ecoar essas vozes, criando espaços de elaboração e aparição delas, trancadas nos porões da ditadura e da memória do medo, silêncio e esquecimento. Entretanto, nos questionamos quanto à decisão das autoras em manter o anonimato das entrevistadas. Salienta-se na obra que temas sensíveis nunca antes ditos emergiram no processo de narração, e que por esse motivo, nomes fictícios foram utilizados, mas podemos problematizar as implicações desse recurso no alcance do protagonismo em relação às próprias histórias e principalmente para a história do país.

11Parker nos alerta sobre alguns cuidados e posturas metodológicas nas pesquisas qualitativas, sobretudo na produção de narrativas. Sugere a constante auto-interpelação e autocrítica dos pesquisadores sobre suas posturas, a fim de se questionarem sobre a manutenção ou não do sigilo dos entrevistados, e a favor de quem ele está. Pondera ainda sobre certa autoconfiança na certeza ou defesa de que as pessoas de fato disseram o que queriam dizer, e assim, nos contaram suas histórias. Embora se disponham a narrar suas experiências, acredita-se que as narrativas seguem um movimento ligado ao tempo, circunstância, contato, entre outros elementos que atravessam o processo de pesquisa.

12No caso da presente obra, trata-se do manejo de memórias silenciadas, cuja publicização favorece a revisão do período e a aproximação das novas gerações a este contexto, embora verse sobre questões de cunho familiar, ou confidenciais, nem sempre compartilhados e revisados. O não anonimato das entrevistadas poderia contribuir para a reafirmação pública de suas histórias e identidades, o que pode ter ocorrido ainda assim. Deste modo, por se tratar de um passado que ainda causa temores e incertezas, a escolha das autoras pareceu pertinente por relacionar-se com a dificuldade imposta pelo próprio processo de rememorar os acontecimentos.

13Nota-se a cuidadosa construção do capítulo metodológico, e a preparação para imersão no campo de pesquisa, que demandaram uma aproximação ao período ditatorial, através de recortes de jornais da época, músicas do período, conhecimento de alguns locais da cidade de Vitória/ES, que ajudaram inclusive a ressignificar o território.

14Com períodos de longas horas de entrevistas, as mulheres entrevistadas foram convidadas e se dispuseram a abrir as caixas de si, tão empoeiradas pelo tempo. Relatos não apenas de suas vivências pessoais nas experiências de clandestinidade, prisão, tortura, exílio, pós-prisão; mas uma reconstituição da trajetória coletiva de mulheres que romperam com modelos e padrões de gêneros estabelecidos para sua época, experimentando novos modos de atuação feminina na política, nas relações de casamento e maternidade, e na conjugação de carreira com outras esferas da vida.

15Nesse sentido, essa obra traz uma contribuição psicossocial ao possibilitar a visualização, de forma não dicotomizada, da relação entre sujeito e sociedade, permitindo a compreensão de que aspectos de experiências privadas ou microssociais são indissociáveis dos aspectos macrossociais; ou seja, individual e coletivo estão imbricados, e as memórias pessoais e comuns reavivadas por essas mulheres, são parte da memória histórica do período no Brasil. A situação política produzida pela ditadura, como a experiência de clandestinidade e de uma vida “ilegal”, a criação das categorias, “preso político” e “desaparecido político”, e a especialização das práticas e técnicas de tortura, são o cerne da história dessas mulheres; o pessoal, nesse sentido é político e o político/histórico, é pessoal. Não há entre eles dissociação, uma história não se conta sem a outra, embora haja tentativas de invizibilização, silenciamento e disputas no campo da memória entre o que será mantido e esquecido.

16O livro poderia ampliar ainda a discussão sobre as relações de poder e dominação entre os grupos, e o faz, em alguma medida, ao lançar mão de diferentes abordagens históricas e em psicologia, como a obra de Henri Tajfel, para compreender os fenômenos de transformação da identidade social e as relações intergrupos, e sua relação com a construção da memória social. As teorias de gênero especialmente as que se relacionam à discussão pautada na “segunda onda do feminismo”, também são utilizadas para a compreensão das relações entre homens e mulheres e da construção da identidade feminina.

17Esse trabalho é assim um ícone importante na abordagem do tema em Psicologia Social, já que os trabalhos até então publicados são de áreas afins, como história, ciências sociais, e psicologia em sua abordagem clínica, numa compreensão dos fenômenos como a tortura e seu impacto na vida das vítimas. Possibilitar a emergência das vozes subalternas das vencidas, e de novas versões sobre esse passado recente, é uma das contribuições relevantes para o campo psicossocial e para a história política do país.

18Por meio do método fenomenológico para organização e construção de narrativas, as mulheres militantes relatam suas histórias, memórias, e através do distanciamento permitido pelo tempo, podem fazer autocríticas, reflexões atuais conectando passado e presente. O que importa é a experiência vivida e o modo como o fenômeno se apresenta naquele momento. A descrição cuidadosa do percurso das pesquisadoras para a inserção no campo de pesquisa, ao acesso e realização de entrevistas e para a construção das narrativas, é também uma importante contribuição metodológica, para o desenvolvimento de outros estudos sobre o tema.

19As narrativas construídas retratam as transformações identitárias a partir das modificações sociopolíticas engendradas pela ditadura militar, e pelas tensões e convergência entre modelos, valores e padrões tradicionais e modernos. Essas mulheres vivenciaram o rompimento com suas famílias, à necessidade de saída de suas casas e entrada na clandestinidade ou exílio; novos relacionamentos afetivos e conjugais assumidos; construíram modos de conjugar maternidade e militância; e sofreram tratamento específico do aparato repressivo, bem como, a manutenção do conservadorismo e machismo nas organizações de esquerda.

20A partir da perspectiva teórica da identidade social, a divisão entre “nós” e “eles”, é suficiente para criar categorizações, comparações e diferenciações sociais na dinâmica intergrupal. Ao se compararem com suas mães ou família, as mulheres militantes consideram ter rompido com alguns modelos aos quais foram socializadas, mas pelo afeto com a família, mantiveram outros. Algumas se casaram nos moldes tradicionais, mas se negaram a usar um vestido de noiva; outras contestaram a união legal civil; ao se descobrirem grávidas, na maior parte das experiências, já na vida clandestina ou nas prisões, passaram pela decisão entre manter ou interromper a gestação, e ao decidirem manter, não aceitaram abandonar a vida na militância. Embora haja casos em que houve o afastamento da militância política em detrimento do cuidado e dedicação aos filhos, não foi feita sem crítica quanto à aceitação ao modelo de maternidade tradicional.

21É importante considerar que a vida pessoal das e dos militantes políticos passou por grandes alterações, dada à configuração do cenário social com o acirramento das forças repressivas nos chamados ‘anos de chumbo’, período marcado pela promulgação do Ato Institucional número 5 (AI-5), no final de 1968. A restrição de liberdades individuais e políticas propiciaram a vivência das militantes numa espécie de submundo. Assumiram novos nomes e identidades, viviam como nômades, numa constante vigília e temor, com ameaça iminente de morte. Os riscos deveriam ser avaliados de forma pessoal e coletiva, já que os partidos políticos aos quais estavam vinculadas se transformaram em organizações clandestinas.

22No livro as autoras mostram como as mulheres que militaram antes do AI-5, entraram na militância por via de organizações estudantis secundaristas, ou católicas, já àquelas que entraram durante e após o AI-5, participavam de organizações de cunho armado, estrutura considerada necessária para enfrentar a ditadura. Na comparação entre elas e por outros grupos, as primeiras eram consideradas como “igrejeiras”, e as outras como “piranhas”, que andavam sempre com grupos de homens, em bares e durante as ações noturnas, demonstrando que mesmo entre elas haviam divergências comportamentais e ideológicas, e, portanto, não se trata de um grupo homogêneo.

  • 1 Locais clandestinos que se serviam às atividades de impressão de materiais de panfletagem, reuniões (...)

23As autoras ressaltam que a entrada nos grupos de esquerda se deu quase sempre por mediação de um homem (amigo, irmão, pai, parente próximo) e o tratamento dado às mulheres, embora estivessem em organizações consideradas críticas, avançadas e revolucionárias, seguia bem de perto o modelo tradicional. Homens conservadores, com atitudes machistas, com o pretexto de proteção e até certo paternalismo, já que as mulheres ainda eram consideradas mais frágeis. Assim, não puderam assumir cargos de liderança, portar armas pesadas e participar com a mesma expressividade nas ações armadas, e o trabalho dentro dos chamados “aparelhos1”, era o de produzir o material gráfico, panfletar, manutenção e limpeza do local de encontro, pichações, entre outras atividades secundárias.

24As que conseguiram espaço diferenciado tiveram que enfrentar os companheiros homens, muitas vezes de geração anterior a delas, e se afirmarem “capazes” de assumir determinadas tarefas e ações. Nas situações em que estavam grávidas foram afastadas das atividades consideradas perigosas, mas por outro lado, eram convocadas para ações de “despiste” frente aos militares e nas situações de proteção a todo o grupo, pois uma mulher, sobretudo grávida, não seria alvo, nem suspeita. Situação que novamente facilita a imersão do leitor em universo rico em valores tradicionais.

25Nesse contexto de oposição convergiam valores tradicionais e modernos, o que ilustra uma dinâmica onde nenhum movimento de rompimento é abrupto, mas, oscilante até que gere mudança. Contudo, sem a resistência e enfrentamento dessas mulheres, esses enquadramentos de fragilidade e prescrição de normas sobre o ser mulher, não seriam questionadas, mesmo nesse espaço, considerado, mais democrático. Na década de 1970, e com a saída de algumas militantes para o exílio, o contato com o feminismo fortaleceu posicionamentos e críticas posteriores quanto às situações de opressão as quais estiveram sujeitas, até mesmo dentro das organizações de esquerda, situação que pode ser problematizada por elas apenas posteriormente.

26Por parte do aparato repressivo do estado, exército, marinha, centros de informação, departamentos de ordem política e social, e em outros centros e locais clandestinos usados para a prisão e tortura, o tratamento dado às mulheres militantes ocorreu no sentido de mostrar qual era o ‘verdadeiro lugar’ da mulher. Essas instituições eram responsáveis por manter a desejada, ordem, moral e bons costumes, tão fundamentais à sociedade; as militantes políticas consideradas desviantes, subversivas, “putas comunistas”, vergonha da família e sociedade, foram violentadas de forma truculenta e singular, em um verdadeiro exercício de correção e conformação de seus corpos.

27Tais mulheres passaram por longos interrogatórios nos quais eram obrigadas a se despir e desfilar nuas, para os interrogadores e outros militares convidados a assistir a acareação, tendo seus corpos, muitas vezes, manipulados. As torturas iam desde xingamentos e deboches sobre suas partes íntimas, passando pelo fato de ser uma mulher comunista, até os choques elétricos na vagina e mamilos, e outros abusos sexuais, como o estupro. Práticas exclusivas e especializadas para as mulheres. Por meio de torturas psicológicas, físicas e sexuais, elas conheceram o ódio ao feminino, já que a condição de ser mulher foi utilizada, quer para envergonhá-las, destituí-las, ou fazerem-nas sucumbir.

28As militantes sobreviveram ao ódio, mas nossa luta cotidiana ainda é grande, na tarefa de resistir, enfrentar, e modificar as relações de poder e dominação sobre nossos corpos, nossas decisões e no exercício da cidadania, buscando assim, espaços mais igualitários e humanos. De alguma forma, somos herdeiras dessa luta, travada duramente por essas mulheres, militantes, guerrilheiras, combatentes, que garantiram, sobretudo, a transição para uma democracia, que mesmo com limitações e entraves, nos permite alçar nossas vozes, manifestar nas ruas, ocupar lugares institucionais e de liderança na política, nas universidades, empresas, e porque não, na presidência da república. O convite é para que ao escutar essas vozes entendamos que são também as vozes do Brasil, a nossa voz.

Haut de page

Bibliographie

GOLDENBERG, Miriam. Mulheres e Militantes. Estudos Feministas. 1997, Vol. 5, nº 2, 349-363.

PARKER, Ian. Qualitative Psychology Introducing Radical Research. New York: Open University Press, 2005.

TAJFEL, Henri. Grupos humanos e categorias sociais. Vol. I e II. Lisboa: Livros Horizonte, 1983.

Haut de page

Notes

1 Locais clandestinos que se serviam às atividades de impressão de materiais de panfletagem, reuniões, organização/planejamento de ações, guarda de equipamentos. Durante o cotidiano, os locais eram em sua maioria residenciais e aparentavam normalidade, ou seja, ausência de implicação política.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Jaíza Pollyanna Dias da Cruz Rocha et Flaviane da Costa Oliveira, « Jaíza Pollyanna Dias da Cruz Rocha et alii, Mulheres e militância política durante a ditadura militar no Brasil (1964-1985): luta, resistência e silêncio », L'Ordinaire des Amériques [En ligne], Comptes rendus, mis en ligne le 12 juillet 2017, consulté le 23 octobre 2017. URL : http://orda.revues.org/3593

Haut de page

Auteurs

Jaíza Pollyanna Dias da Cruz Rocha

Universidade Federal de Minas Gerais
Psychologue, titulaire d’une Maîtrise en Psychologie et doctorante du programme d’études supérieures en psychologie à l’Université Fédérale de Minas Gerais (UFMG), Brésil. Bourse de soutien technique (2014-2016 – APQ‑01524‑13) et bourse de recherche (à partir de 2016) de la FAPEMIG. Elle est membre du Groupe de recherche : Mémoire, représentations et pratiques sociales.
jaizacruzz@gmail.com

Articles du même auteur

Flaviane da Costa Oliveira

Universidade Federal de Minas Gerais
Psychologue, titulaire d’une Maîtrise en Psychologie et doctorante du programme d’études supérieures en psychologie à l’Université Fédérale de Minas Gerais (UFMG), Brésil. Bourse de recherche de la CAPES. Elle est membre du Groupe de recherche : Mémoire, représentations et pratiques sociales.
flavianecoliveira@gmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
L’Ordinaire des Amériques est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IPEAT
  • Logo Université Toulouse-Jean Jaurès
  • Logo Université de Toulouse
  • Logo Latindex
  • Revues.org