Navigation – Plan du site
Explorations transdisciplinaires de la jeune recherche américaniste à Toulouse

Construção de identidade quilombola na Amazônia brasileira: por uma leitura interdisciplinar da diversidade

Marcilene Silva da Costa

Résumés

Dans cet article, j’aborderai à partir de la perspective socio-anthropologique les relations ethnico-raciales et l’émergence de l’identité Quilombola des habitants des communautés noires rurales de l’Amazonie qui utilisent la mémoire territoriale pour légitimer leur revendication de titularisation des terres sur lesquelles ils vivent. Les disciplines voisines de l’anthropologie comme le droit, la géographie, la science politique et l’histoire ont été fondamentales pour la construction de la méthodologie de recherche. Je prétends mettre en avant la façon dont les interactions sociales sur le terrain concernent des professionnels de divers aires de connaissance, en particulier l’histoire et le droit, m’ont permis de dialoguer avec les informateurs me donnant ainsi accès à une vision plus large et complète de l’étude.

Haut de page

Texte intégral

« A história do Atlântico negro fornece um vasto acervo de lições quanto à instabilidade e à mutação de identidades que estão sempre inacabadas, sempre sendo refeitas ».
Paul Gilroy

Contextualização

  • 1 Cf. Constituição Federal, Brasília: Senado Federal, 1988, p. 169.

1A Constituição Federal brasileira de 1988 trouxe uma grande novidade para as populações negras rurais visto que o artigo 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias – ADCT declara que « [a]os remanescentes das comunidades dos quilombos que estejam ocupando suas terras é reconhecida a propriedade definitiva, devendo o Estado emitir-lhes os respectivos títulos »1.

2Tal artigo foi retirado, pelos parlamentares conservadores rurais, da constituição antes de sua votação. Mas foi reintroduzido na seção de disposições transitórias como uma forma de concessão aos movimentos negros (Arruti, 1997). A Constituição de 88 é conhecida como constituição cidadã por seu caráter democrático e por ter tido a participação dos movimentos sociais na elaboração (Marques, 2008).

3No entanto, alguns estudiosos do assunto afirmam que se os políticos conservadores sonhassem com a quantidade de comunidades quilombolas existentes, o ato jamais teria passado. Atualmente, de acordo com dados oficiais há mais de 3.000 comunidades em todo país reivindicando a legalização das terras que habitam sendo que 410 estão localizadas no estado do Pará, região amazônica (Trecanni, 2006).

4O art. 68 reforça a afirmação de Segato (2006, p. 214), de que a política multiculturalista dos Estados « ... exige a marca e a presença da pluralidade em suas instituições e opera a partir dos direitos considerados étnicos e culturais ».

5A pioneira a receber o título de posse coletiva da terra foi a comunidade Boa Vista no estado do Amazonas, em 1995. Ela faz parte da Associação de Remanescentes de Quilombos do Município de Oriximiná que junto com outras 20 comunidades, em 1989, deu entrada, com auxílio de antropólogos e outros profissionais, no processo pela legalização das terras. Em 1996, duas outras comunidades : Água Fria e Pacoval, da mesma associação, foram a segunda e a terceira a receber o título das terras (Price, 1999). Em 1992, as comunidades Frexal (Maranhão) e Rio das Rãs (Bahia), região Nordeste, evocaram o referido artigo para tentar aceder ao título coletivo. A partir desses acontecimentos, a população rural negra passa a ganhar grande visibilidade no debate sobre relações raciais e posse da terra no Brasil (Arruti, 2005).

6Não podemos esquecer que o Brasil desde a colonização com as capitanias hereditárias e sesmarias apresentava uma política de concentração fundiária e sua lei de terras de 1850 permitia a aquisição de terras devolutas somente pela compra. Essa lei foi criada logo após a proibição do tráfico negreiro com intenção de impedir a população negra de ter acesso à terra. Dessa forma, historicamente a política fundiária brasileira impedia o acesso à terra por pequenos agricultores e incentivava e privilegiava os grandes proprietários e o latifúndio.

7De acordo com Price (1999, p. 260), o Art. 68 representa uma rachadura no direito de propriedade brasileiro « … Remanescente de quilombo se tornou uma categoria reconhecida (ainda que numericamente minúscula), ao lado de populações indígenas e das grandes massas de sem-terra, na luta geral pela redistribuição de terra… »

8Ora, como diria o referido antropólogo, essa lei mexeu num ninho de cobras redefinindo o campo de atuação de antropólogos, sociólogos, advogados, historiadores, agrônomos e outros profissionais no trabalho com habitantes dessas comunidades.

Como tudo começou ou como o percurso faz o objeto

  • 2 O termo data do período colonial e foi elaborado pelo Conselho Ultramarino em 1740 para definir hab (...)

9O artigo 68 mexeu não só com os profissionais mencionados acima, mas principalmente com os próprios habitantes de comunidades negras rurais, pois, muitos deles, estavam ouvindo falar pela primeira vez em quilombo,2 quilombola a partir da inserção de representantes de governo e movimentos negros em suas áreas. A chegada de novos atores sociais na área trouxe consigo um discurso que não era presente nessas comunidades onde elementos como « quilombo », « quilombola » são impostos, no entanto, em um sentido positivo, visto que, o « quilombola », é aquele que tem direito à terra como descendente de escravo.

10Comecei a fazer trabalho de campo em uma das comunidades remanescente de quilombo da Amazônia em 2002, com intuito de elaborar dissertação de mestrado em antropologia.

11Porém, no início não pensava em estudar produção/construção de identidades, isso foi algo que se delineou em campo por estar, não só latente, mas se fazer presente, nas conversas com as pessoas, nas observações que fiz e nas conversas com antropólogos e historiadores especialistas no assunto, que na época ministravam disciplinas no mestrado.

12Ao iniciar trabalho de campo em Macapazinho – também conhecido como África – localizado no nordeste do estado do Pará, pensei em estudar os saberes de pessoas velhas que não foram adquiridos na escola, no ensino formal, relacionando-os com as memórias desses. Tratava-se de um estudo sobre a ciência do concreto dos velhos da comunidade, utilizando como referencial teórico basicamente Lévi-Strauss (1970) e Geertz (1998). Mas, o outro tema se evidenciava nas conversas, nas observações que fiz como algo importante de estudar dado o perfil da comunidade – população predominantemente negra vivendo em meio rural. E não só isso, mas o momento que os moradores de Macapazinho estavam vivendo era específico, os vários embates, tanto internos como externos, para a legalização das terras se tornavam mais evidentes conforme eu adentrava no « universo » da comunidade.

13A todo instante algum morador me lembrava que lá era uma comunidade remanescente de quilombo e que eles eram quilombolas com direito à terra. A assunção da identidade quilombola se dava ao mesmo tempo em que decorria o processo pela legalização das terras. Não só em Macapazinho, mas, geralmente, em outras localidades que passavam pelo mesmo processo.

Finalmente a interdisciplinaridade

14Foi em campo que atentei precisamente para a possiblidade que outras disciplinas, e não só antropologia, poderiam auxiliar na construção da metodologia de pesquisa para ampliar o olhar sobre o horizonte pesquisado. No caso, precisaria delas – história, geografia, direito, entre outras – para tentar compreender a complexidade do mundo com o qual me defrontava.

15De acordo com Maldonado-Torres (2006), a especialização disciplinar encontra limites ao deparar-se com a tarefa de oferecer conhecimento sobre um mundo concebido como cambiante e desafiante. Aliás, nada mais desafiador que a situação que encontrei em campo com ressemantização de categorias e redefinição de identidades na prática. No entanto, ressalto que para compreendê-la precisei bastante da teoria, tanto antropológica quanto de outras disciplinas.

16Segundo Fazenda (apud Leis, 2005), o enfoque brasileiro da interdisciplinaridade está centrado no pesquisador como principal vetor dessa. Este enfoque está orientado para a intersubjetividade dos agentes no plano metodológico.

17Interdisciplinaridade é aqui entendida no mesmo sentido utilizado por Leis (2005) como um ponto de cruzamento entre atividades – disciplinares e interdisciplinares – com lógicas diferentes. Para o autor, a interdisciplinaridade pode ser considerada uma reação alternativa à abordagem disciplinar normalizada, tanto no ensino quanto na pesquisa, dos diversos objetos de estudo. Existindo assim várias reações interdisciplinares possíveis para um mesmo desafio do conhecimento.

O auxílio teórico das disciplinas vizinhas na construção do método

18Em campo meu objetivo principal era investigar a relação entre a memória e a reconstrução de identidades em comunidades que tiveram a escravidão como um dos elementos fundadores.

19O processo de reconstrução de identidades implica no recurso às memórias e histórias e para alcançar as memórias dos informantes fiz entrevistas com roteiro semi-estruturado e utilizei a técnica de história de vida para buscar relembrar/recuperar a memória desses.

20O estudo da psicóloga Bosi (1994) sobre lembrança de velhos na cidade de São Paulo foi fundamental por vislumbrar possibilidade de se trabalhar com recurso à memória em Antropologia visto que, para a autora, quando se trabalha com memória o registro das lembranças do interlocutor não alcança somente uma memória pessoal, mas uma memória social, familiar e grupal já que as lembranças são tanto individuais quanto sociais.

21Evidentemente que a teoria de Pollak (1989, 1992) sobre memória e significados dos silêncios, dos não ditos, dos conflitos, dos sentimentos de vergonha e a importância, justamente, das memórias proibidas, clandestinas, subterrâneas, que se opõem à memória oficial foi essencial para refinar o olhar que lançava em campo, além de que a experiência de pesquisa anterior facilitou a inserção em campo.

22Os novos estudos de historiadores sobre quilombos ajudavam a compreender a emergência da categoria remanescente de quilombo na atualidade. Para Gomes (1995/1996), é importante pensar os quilombolas da época colonial em suas interações com o restante da sociedade escravista e não como isolados dessa, visto que segundo sua percepção é a relação dos quilombos com a sociedade envolvente, e não seu isolamento que explica suas formações e sobrevivências.

  • 3 O projeto coordenado pela professora Jane Beltrão tem como objetivo investigar práticas alimentares (...)

23Porém, a participação em uma equipe mista de pesquisa, no seio do projeto Corpo Presente : Representações de saúde entre quilombolas e políticas públicas,3 financiado pelo Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Cientifico – CNPq, envolvendo pesquisadores de diversas áreas, foi primordial para interlocução com informantes em campo. A equipe era composta de : dois advogados, dois enfermeiros, uma bióloga, uma historiadora, uma pedagoga, um estudante de biomedicina, uma professora de língua portuguesa e eu mesma como antropóloga. Na verdade, a equipe conta com um número maior de pesquisadores mas, apenas os anteriormente citados puderam participar dessa estada em campo.

Em campo, outros campos : interações disciplinares

24Nos dois primeiros dias na comunidade, decidimos ir de casa em casa, explicar os objetivos da pesquisa e fazer recenseamento sobre a situação socioeconômica, alimentação e saúde. Dividimo-nos em grupo, e a equipe de saúde (enfermeiros e bióloga) se responsabilizou em realizar o recenseamento epidemiológico e avaliação antropométrica.

25A aplicação de formulários possibilitou que tivéssemos uma impressão geral sobre condições de moradia, perfil socioeconômico, práticas alimentares e modos de subsistência na comunidade e, o mais importante, que fizéssemos um primeiro contato com as pessoas. O fato de estar acompanhada de pesquisadores com formações diferentes da minha possibilitava que eu observasse detalhadamente a maneira como interagiam com os informantes e as histórias que esses contavam a eles, mesmo as narrativas sobre histórico de saúde eram importantes para mim porque assim estabelecia laços de confiança com as pessoas entrevistadas. Dessa forma, poderia identificar potenciais interlocutores para as entrevistas sobre memórias e histórias na comunidade.

26Além de que percebia uma interação mais rápida com as pessoas, eu e os dois advogados éramos responsáveis em ministrar oficinas, para crianças e adultos, sobre representações identitárias, do corpo, saúde e alimentação – por meio de desenhos, pinturas e questionários – e aproveitávamos a ocasião de visita às casas para divulgá-las.

Antropologia e Direito

27A regularização fundiária do território quilombola é baseada em certo número de leis e decretos como : Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho – OIT, Decreto 4887/2003, Instrução Normativa Incra 57/2009, carta da Associação Brasileira de Antropologia, além de leis e decretos estaduais, como por exemplo : Legislação Estadual do Pará ; Lei n.º 6.165, de 02 de dezembro de 1998, titulação só em benefício de associações ; Decreto n.º 3.572, de 22 de julho de 1999 ; Instrução Normativa Instituto de Terras do Pará – ITERPA Nº 02, de 16 de novembro 1999. Em geral, essas são divulgadas, por agentes do governo, pesquisadores ou militantes de movimento negro, para que desta forma os moradores dessas comunidades possam apropriar-se delas. De acordo com Segato (2006), para eficácia plena das leis é necessário a divulgação ativa de seu discurso que precisa ser conhecido para ser aplicado.

28Durante as oficinas, o conhecimento técnico de leis, decretos por parte dos advogados facilitava na hora das conversas sobre o direito à terra visto que esses « traduziam » termos jurídicos em vocabulário de fácil compreensão, não só aos participantes das oficinas como também para mim. Ao todo realizamos quatro oficinas, duas para adultos e duas para crianças, com tempo de duração variando de três a quatro horas cada uma.

29Ressalto também que o aporte material proporcionado pelo projeto, como câmera de vídeo, filmes, projetor data show, máquina de fotografia profissional, material didático foi importante para a realização da pesquisa.

O debate : o olhar dos quilombolas « de dentro » sobre o quilombola « de fora »

30O documentário sobre História Oral e Memória do Quilombo de Macapazinho provocou uma discussão calorosa sobre preconceito étnico-racial. Alguns disseram que são raros os momentos em que podem ver filmes sobre « pessoas como eles » e que justamente esses filmes permitem conhecer, um pouco mais, outras comunidades quilombolas e suas histórias sobre ser negro e como fazem para se defender das discriminações que sofrem. Foi importante também para estimular narrativas sobre a origem da comunidade.

  • 4 Zumbi, foi o lider de Palmares, considerado um herói na luta contra a escravidão, morreu em 1695. P (...)

31Os participantes da oficina escreveram e desenharam o que significa para eles « ser quilombola ». Os desenhos estão associados à luta pela terra, luta contra o preconceito, um dos participantes escreveu que quilombo são as pessoas que foram escravizadas e lutam até hoje pela liberdade e sobrevivência. Aqui o termo quilombo, lugar, é confundido com o derivado quilombola que seriam as pessoas que habitavam/habitam o quilombo. Alguns desenharam o célebre « Zumbi de Palmares »4.

32Isso mostra o efeito do Movimento Negro na comunidade visto que o termo quilombo é o termo oficial para designar a população negra que vive em meio rural. Uma das participantes da oficina declarou que antes da introdução de representantes do movimento negro na área eles pensavam que eram indígenas e não negros.

33Na ocasião, ficamos sabendo, que foram representantes da entidade de movimento negro, Centro de Defesa e Estudo do Negro no Pará – CEDENPA, os primeiros a levantarem a discussão sobre a possibilidade da comunidade ser remanescente de quilombo. Não muito diferente do que acontece com outras comunidades com perfil semelhante ao de Mangueiras.

34Inclusive em Mangueiras passaram a reelaborar o mito de origem da comunidade de que são descendentes de uma índia que foi « laçada no campo ». Porque « caíram em si » que na comunidade não há pessoas com cabelos lisos dos índios e sim com cabelos crespos dos negros. Segundo Gomes (2003), o cabelo soma-se à cor da pele como sinal evidente da diferença « racial ». De acordo com Sheriff (2002), os brasileiros conseguem identificar e descrever variações sutis na cor da pele, textura do cabelo e traços faciais.

35Em relação às comunidades negras rurais que passam a se designar/serem designadas remanescentes de quilombos, Arruti declara que « [a]s diferenças que podiam até então distingui-las da população local na forma de estigmas passam a ganhar positividade, e os próprios termos “negro” ou “preto” muitas vezes recusados, até pouco tempo antes da adoção da identidade de remanescentes, passam a ser adotados » (1997 : 23).

A memória estimulada pelas oficinas

36O desenvolvimento da oficina pareceu estimular a memória local. Pedíamos aos participantes que sugerissem os bons contadores de história do lugar. Eles aconselhavam, geralmente, os moradores mais velhos.

37Realizávamos as entrevistas antes ou após as oficinas, que eram propícias para colher informações sobre horário, local e disponibilidade dos potenciais informantes.

38Na situação atual em que vivem os moradores de Mangueiras, a memória está ligada à trajetória da construção de identidade como quilombola. Pois, para lutarem pela demarcação de terras é preciso reivindicar uma ascendência escrava. Sendo assim, a memória tem importância fundamental como arma política na luta pela legalização das terras.

39Uma das informantes entrevistadas por Assis de Oliveira, um dos advogados do grupo de pesquisa, relembrou cinco gerações de antepassados até chegar ao tataravô escravo (Bernardo) e a tataravó índia Sabá (a do mito de origem). Sendo assim, « ela evocou a memória coletiva como descendente de escravo para afirmar o pertencimento à comunidade como quilombola » reelaborando o « ser negro » que antes vinha ligado a acontecimentos negativos, mas que atualmente ganha positividade se ligado à posse da terra. Nesse sentido, a memória é utilizada para reivindicar tanto o direito a terra como à « nova identidade quilombola » servindo também para reelaborar relações de parentesco. Parafraseando Woortmann (1994), pode-se dizer que é a memória que faz a descendência.

História e uso antropológico dos arquivos

40De volta a Belém, examinei também os arquivos institucionais referentes ao local de estudo e como ainda não tinha trabalhado em arquivos, segui o conselho de historiadores do projeto de procurá-los no Instituto de Terras do Pará – ITERPA e do Instituto de Colonização e Reforma Agrária – INCRA onde tive acesso aos processos de solicitação e demarcação de território para titulação coletiva das terras de Mangueiras, Boa vista do Itá e Macapazinho.

41O processo para obtenção do título coletivo das terras por essas comunidades é longo, dificultoso e extremamente burocrático. O primeiro passo para dar entrada no processo pelo título coletivo da terra é a comunidade criar uma associação se auto-declarando remanescente de quilombo. Bem antes disso, há movimentação de agentes do governo e do Movimento Negro, com objetivo de explicar procedimentos necessários para a comunidade obter a legalização da terra.

42Um dos ítens obrigatórios para titulação das terras é a elaboração por parte de funcionários do governo de um Relatório Técnico de Identificação e Delimitação – RTID, que tem por objetivo identificar o território quilombola e a situação fundiária em que esse se encontra. O RTID é composto de laudo antropológico, levantamento fundiário, planta e memorial descritivo, cadastramento das famílias, levantamento de eventuais sobreposições das terras reivindicadas com outras áreas, sejam essas pertencentes ao governo ou não, parecer conclusivo da área técnica e jurídica sobre a proposta de área a ser titulada.

43Isso significa que estava de posse de dados suficientes para relacionar com informações obtidas nas entrevistas, o que permitiu contextualizá-las e cruzá-las com dados dos processos, visto que o « olhar oficial » sobre essas comunidades está devidamente documentado e arquivado nos referidos órgãos.

Antropologia na prática : « sozinha » ou « acompanhada » ?

44Posso dizer que ir ao campo acompanhada de profissionais de disciplinas diferentes não é o mesmo que ir sozinha, ou acompanhada apenas de antropólogos. A experiência em Mangueiras foi diferente da vivenciada em Macapazinho, onde trabalhei durante o mês de julho 2009, a minha estada foi tratada com euforia por alguns e desdém por muitos. A situação se assemelhava à que vivenciei durante a oficina que elaborei, em 2006, na comunidade para mostrar os resultados da pesquisa do mestrado. A oficina contou com a presença apenas de crianças e alguns idosos, os jovens e adultos apareceram somente no horário de distribuição do lanche. Declararam que o jogo de voleibol, as músicas e a cerveja do barzinho eram mais atrativos que notícias e documentários sobre « pretos », mesmo se tratando deles mesmos.

45Durante minha estada em campo, alguns moradores insistentemente perguntavam : no que a antropologia poderia ajudá-los em termos financeiros. Depois de me conceder entrevista, o presidente da associação local, me pediu que conseguisse com políticos municipais, bolas e redes de voleibol para continuarem praticando o esporte.

46Afirmou que na concepção local, uma pessoa « de fora », seja ela um pesquisador ou agente de governo que chega à comunidade sem conduzir um automóvel, não possui nem poder, nem prestígio. Eu não possuía nenhum dos dois porque utilizava o ônibus como transporte. Então, na sua lógica, o que eu fazia não traria benefícios explícitos para eles. Tal fato foi se atenuando conforme foram se acostumando com minha presença ou, até mesmo, ignorando-a.

47Algumas vezes, quando estava fazendo recenseamento ou registrando entrevista com o sol a pino, alguns me lançavam olhares de compaixão, e um certo dia uma senhora declarou : « nessa profissão vocês devem sofrer muito ». Provava o mesmo desolamento que Barley (2001) na sua experiência de campo com os Dowayo, do Norte de Camarões, em África. Porém, não precisei me transformar em motorista de táxi, nem em enfermeira como o pesquisador fez junto aos Dowayo. Encontrei meu lugar como « fotógrafa oficial » sendo assim, registrava os eventos que aconteciam na comunidade e cedia cópias das fotografias a eles, o que quase custa minha ruína financeira visto que registrava aniversários, jogos, eventos religiosos, entre outros.

48Relatei tais acontecimentos para mostrar que em Macapazinho diferentemente de Mangueiras levei mais tempo para « ser aceita » pelas pessoas e para realizar pesquisa de campo, um dos elementos, talvez, tenha sido, ter participado da equipe mista de pesquisa. Embora, enfatize aqui a diferença entre as duas comunidades, em Macapazinho desde a década de 1980 que são assediados por pesquisadores, pela mídia, pelo governo enquanto em Mangueiras, devido à dificuldade de acesso de « estranhos » ao local, eles se mostram mais receptivos com os « de fora ».

No rastro das (In)Conclusões

49O acesso ao direito à terra pelos descendentes de escravos está ligado à institucionalização das políticas multiculturais na América Latina que, a partir da década de 1980, são asseguradas pelas recentes constituições de diferentes países (Cunin, 2004). No Brasil, a política de atribuição de terras a partir do artigo 68 às comunidades negras rurais, marcou mudanças em suas próprias definições, na medida em que a imagem social mudou a favor de renovação de representações de alteridade visto que elas precisam se autoidentificar como quilombolas (nomenclatura imposta pelo Estado) para terem acesso a terras enquanto « segmento diferenciado da sociedade brasileira » (Veran, 2003, p. 10). Geralmente, essa identidade genérica e reificada pelo Estado é apropriada pelos moradores dessas comunidades como ferramenta política de acesso à cidadania.

50Isso mostra que as identidades são situacionais, relacionais, operativas e dependem do contexto em que os sujeitos estão inseridos estando constantemente em mudança por serem politizadas (Hall,2003 ; Carneiro da Cunha, 1989).

51Nesse sentido, os habitantes dessas comunidades estão vivenciando o processo de produção de uma nova ou novas identidades sociais. A memória social referente aos antepassados escravos, a origem das terras está sendo trabalhada/retrabalhada, provocada por elementos do presente como o referido artigo da Constituição Federal. O fato de o direito às terras estar ligado a um passado quilombola, além da ação dos representantes do movimento negro e do governo nessas comunidades são elementos que estimulam a memória ajudando a construir/produzir, redefinir novas/velhas identidades sociais.

52Para compreender e interpretar fenômeno tão complexo, uma das possíveis pistas é a possibilidade de articular os métodos da antropologia com os de outras disciplinas em uma dimensão constitutiva de integração de alternativas complementares para que assim se tenha uma perspectiva mais ampla do trabalho desenvolvido em campo. De forma que seja possível ir muito além das dinâmicas e limites dos métodos das disciplinas em que somos treinados.

Haut de page

Bibliographie

Arruti, José Maurício Andion « A emergência dos “remanescentes” : notas para o diálogo entre indígenas e quilombolas », dans MANA. vol. 3, Nº 2, Rio de Janeiro : PPGAS, 1997.

Arruti, José Maurício Paiva Andion. Mocambo : Antropologia e História do processo de formação quilombola. Bauru, SP : Edusc, 2005.

Barley, Nigel. Un Anthropologue en déroute, Paris : Payot, 2001.

Beltrão, Jane Felipe, Silva, Hilton P., Marin, Rosa E. A. Corpo Presente : representações de saúde entre quilombolas e políticas públicas. Belém : mimeo, s/d.

Bosi, Ecléa. Memória e sociedade : lembrança de velhos. São Paulo : Cia das Letras, 1994.

Carneiro Da Cunha, Manuela. Negros, estrangeiros : os escravos libertos e sua volta à África. São Paulo : Brasiliense, 1989.

Cunin Elisabeth, Métissage et multiculturalisme en Colombie (Carthagène), le « noir » entre apparences et appartenances, Paris, L'Harmattan, 2004.

Geertz, Clifford. « O senso comum como sistema cultural », dans O saber local : novos ensaios em Antropologia Interpretativa. Petrópolis : Vozes, 1998.

Gomes, Flávio dos Santos. « Em torno dos bumerangues : outras histórias de mocambos na Amazônia colonial », dans Revista USP, nº 28, 1995-1996.

Gomes, Nilma Lino. « Uma dupla inseparável : cabelo e cor de pele » dans Barbosa, Lúcia Maria de Assunção et alli (orgs.). De preto a afro-descendentes : trajetos de pesquisa sobre o negro, cultura negra e relações étnico-raciais no Brasil. São Carlos : EdUFSCar, 2003.

Hall, Stuart. Da diáspora : identidades e mediações culturais, dans Sovik, Liv (org.). Tradução Resende, Adelaine et all. Belo Horizonte: UFMG; Brasília: Representações da Unesco no Brasil, 2003.

Leis, Héctor Ricardo. « Sobre o conceito de Interdisciplinaridade », dans Cadernos de pesquisa interdisciplinar em Ciências Humanas, ISSN 1678-7730 Nº 73 – Florianopolis, Agosto 2005.

Lévi-Strauss, Claude. « A ciência do concreto », dans O pensamento selvagem. São Paulo: USP, 1970.

Maldonado-Torres, Nelson. « Pensamento Crítico desde a Subalteridade : Os Estudos Étnicos como Ciências Descoloniais ou para a transformação das Humanidades e das Ciências Sociais no século XXI », dans Afro-Ásia, 34 (2006), p. 105-129.

Marin, Rosa. Quilombolas do Pará. Belém : NAEA/UFPA, Cd Rom, 2005.

Marques, Carlos Eduardo. Remanescentes das Comunidades de Quilombos, da resignificação ao imperativo legal. Belo Horizonte, Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal de Minas Gerais, 2008.

Oliveira, Assis. Libardi, Estella. Costa, Marcilene. Relatório de Campo Comunidade quilombola Mangueiras : memória, identidade e direitos. Belém : mimeo, 2009.

Pollak, Michel. « Memória e identidade social », dans Estudos históricos, vol. 5, Nº 10, Rio de Janeiro : FGV, 1992.

Price, Richard. « Reinventando a História dos Quilombos : Rasuras e Confabulações » dans Afro–Asia, 23, 1999, p. 239-265.

Reis, João José & Gomes, Flávio dos Santos. « Introdução – Uma história de liberdade », dans Liberdade por um fio. História dos Quilombos no Brasil. São Paulo : Cia das Letras, 1996.

Segato, Rita. « Antropologia e Direitos Humanos : Alteridade e ética no movimento de expansão dos direitos universais », dans MANA 12 (1) : 207-236, 2006.

Sheriff, Robin E. « Como os senhores chamavam os escravos : discurso sobre cor, raça e racismo num morro carioca », dans Maggie, Yvonne e Rezende, Claudia Barcellos. (orgs.) Raça como retórica : a construção da diferença. Rio de Janeiro : Civilização Brasileira, 2001.

Trecanni, Girolamo Domenico. Terras de Quilombo : caminhos e entraves do processo de titulação. Belém : SJDH, Raizes, 2006.

Veran, Jean-François, L'esclavage en héritage, Brésil : le droit à la terre des descendants de marrons. Paris : Kharthala, 2003.

Woortman, Ellen. « A árvore da memória », dans Anuário Antropológico/92. Rio de Janeiro : Tempo Brasileiro, 1994.

Haut de page

Notes

1 Cf. Constituição Federal, Brasília: Senado Federal, 1988, p. 169.

2 O termo data do período colonial e foi elaborado pelo Conselho Ultramarino em 1740 para definir habitação de negros fugidos da escravidão. Atualmente há uma ressemantização do termo que é usado «... para designar a situação dos segmentos negros em diferentes regiões e contextos no Brasil, fazendo referência a terras que resultaram da compra por negros libertos; da posse pacífica por ex-escravos de terras abandonadas pelos proprietários em épocas de crise econômica; da ocupação e administração das terras doadas aos santos padroeiros ou de terras entregues ou adquiridas por antigos escravos organizados em quilombos. Nesse contexto, os quilombos foram apenas um dos eventos que contribuíram para a constituição das terras de uso comum, categoria mais ampla e sociologicamente mais relevante para descrever as comunidades que fazem uso do artigo constitucional.». Cf: http: //www.koinonia.org.br/oq/quilombo.asp. Acesso em 18/06/2007.

3 O projeto coordenado pela professora Jane Beltrão tem como objetivo investigar práticas alimentares, doenças crônicas, acesso ao sistema de saúde, histórias e memórias assim como percepções identitárias quilombolas.

4 Zumbi, foi o lider de Palmares, considerado um herói na luta contra a escravidão, morreu em 1695. Palmares, foi o maior e mais famoso quilombo do periodo colonial, presente no imaginário brasileiro como símbolo de resistência e sem interação com a sociedade escravocrata foi destruido pelas forças oficiais em 1694. Hoje, essa visão é refutada por historiadores que afirmam que, em geral, os quilombolas se relacionavam com a sociedade colonial. (Gomes & Reis, 1996)

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Marcilene Silva da Costa, « Construção de identidade quilombola na Amazônia brasileira: por uma leitura interdisciplinar da diversidade », L'Ordinaire des Amériques [En ligne], 214 | 2010, mis en ligne le 11 juillet 2014, consulté le 22 octobre 2017. URL : http://orda.revues.org/630 ; DOI : 10.4000/orda.630

Haut de page

Auteur

Marcilene Silva da Costa

Université Toulouse 2-Le Mirail, laboratoire LISST-CAS (Laboratoire Interdisciplinaire Solidarités, Sociétés, Territoires-Centre d'Anthropologie Sociale)

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
L’Ordinaire des Amériques est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IPEAT
  • Logo Université Toulouse-Jean Jaurès
  • Logo Université de Toulouse
  • Logo Latindex
  • Revues.org